Eleições legislativas na Itália em 2006

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Romano Prodi, candidado da coalizão de centro-esquerda na cidade de Bari.
Silvio Berlusconi, candidato da coalizão de centro-direita

As eleições legislativas italianas de 2006 renovaram as duas câmaras do parlamento da Itália (câmara dos deputados e senado). A votação ocorreu nos dias 9 e 10 de abril. Romano Prodi foi eleito por pequena margem de votos.

Funcionamento do sistema eleitoral[editar | editar código-fonte]

A Itália tem um parlamento bicameral composto pela Câmara dos Deputados, com 630 membros, e pelo Senado, com 315 assentos. As duas câmaras são eleitas por votação directa, para mandatos de cinco anos.

Aos eleitores são apresentadas listas de coligação e partidos para ambas as câmaras, sendo necessário um número mínimo de votos para conseguir cadeiras, que são distribuídas de acordo com a classificação de um determinado candidato na lista de seu respectivo partido. Os nomes situados nos primeiros lugares têm uma chance maior de conquistar uma cadeira.

O legislatura que termina, guiada por Silvio Berlusconi, aprovou importantes mudanças no sistema eleitoral em Dezembro de 2005, restaurando um sistema de representação proporcional plena, revertendo assim reformas que há mais de dez anos estavam em vigor.

A iniciativa foi muito criticada e foi vista como uma forma de Berlusconi deliberadamente melhorar a posição de sua coligação de governo na eleição de Abril, e diminuir as chances da oposição de obter uma maioria significativa.

Todavia, a maioria no governo alegou que o novo sistema garante uma estabilidade mais sólida, pois permite que a coligação que obtiver a maioria dos votos - mínimo de 340 dos 630 escanhos da Câmara dos Deputados - obtenha automaticamente a maioria de assentos.


Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Coalizão votos votos (%) assentos
Casa das Liberdades 18.976.460 49,74 277
A União 19.001.684 49,81 340
Total 38.151.407 100 617

Senado da República[editar | editar código-fonte]

Coalizão votos votos (%) assentos
Casa das Liberdades 17.153.256 50,21 153
A União 16.725.077 48,96 148
Total 34.161.604 100 301

Obs.: Estes resultados não contam os votos dos italianos no exterior.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]