Eleições locais na Bielorrússia (2007)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Flag of Belarus.svg

As eleições locais de 2007 na Bielorrússia realizaram-se em 14 de Janeiro de 2007.

Estas eleições locais foram vistas como um teste para o regime isolado da antiga República Soviética, no seguimento de uma disputa com a sua vizinha rússia relacionada com o gás natural isto poderá ter penosos efeitos económicos.

A oposição, incluindo a União de Forças Democráticas (UDF), debateu o interesse de participar em mais uma eleição que é pouco mais que uma fraude da maioria. Encorajados por apoiantes estrangeiros, optaram por entrar na corrida[1] .

As eleições são um momento privilegiado para a oposição comunicar com o eleitorado. Sob a linha-dura do Presidente Aleksandr Lokashenko, a televisão está sob um apertado controlo estatal, e poucos media independentes estão autorizados.

Estão inscritos cerca de sete milhões de eleitores para tomar parte nestas eleições, onde se disputam lugares nos 1.581 conselhos locais [2] . Só 200 candidatos da oposição foram aprovados para uma eleição onde se disputam 22.500 cargos locais. A maior parte dos lugares só tem um candidato, sem oposição.

Resultados[editar | editar código-fonte]

Segundo a comissão eleitoral a afluência às urnas foi de cerca de 79 %[3] .

O líder da oposição, Alexander Milinkevich, sugeriu que as eleições locais não refletem a opinião pública, afirmando que esta estava "debaixo de pressão colossal por parte da autoridade".

As eleições tiveram a presença do "Belarusian Helsinki Committee (BHC)" tanto em Minsk como nas províncias. Esta comissão registou inúmeras irregularidades e arbitrariedades que colocam em causa a imparcialidade deste acto [4]

O resultado das eleições deram forçosamente uma esmagadora maioria às forças governamentais.

Fontes