Elemento transurânico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em química, elemento transurânico é o elemento químico artificial com número atômico maior do que 92, o número atômico do urânio, vindo depois deste na Tabela periódica.[1] Todos estes átomos são instáveis devido aos seus grandes núcleos, portanto são radioativos. São tidos por vezes como "elementos artificiais", já que ao longo da história do planeta Terra, estes foram decaindo para elementos estáveis, restando poucos traços deles na crosta terrestre atualmente, sendo que os poucos átomos utilizados para pesquisa são fabricados em laboratório, daí a nomenclatura artificiais.

Elementos super-pesados[editar | editar código-fonte]

Posição dos elementos transactinídeos na tabela periódica.

Elementos super-pesados, (também conhecidos como super átomos pesados, comumente abreviado SHE; do inglês super heavy atoms) pode referir-se a elementos além do número atômico 100, mas também pode se referir a todos os elementos transurânicos. Os elementos transactinídeos começam com rutherfórdio (número atômico 104).[2] Eles só foram feitos artificialmente e, atualmente, não servem a nenhum propósito prático, porque suas curtas vidas os levam a decair depois de um curto espaço de tempo, que varia de alguns minutos a apenas alguns milissegundos (exceto para Dúbnio, que tem uma meia vida de mais de um dia), o que também os torna extremamente difícil de estudar.[3] [4]

Todos os super-átomos pesados foram criado durante a última metade do século XX, e estão continuamente a ser criados durante o século XXI como a tecnologia avança. São criadas através do bombardeio de elementos em um acelerador de partículas. Por exemplo, a fusão nuclear de califórnio-249 e de carbono-12 cria o rutherfórdio. Estes elementos são criados em quantidades na escala atômica e nenhum método de criação de massa foi encontrado.[3]

Referências

  1. Rohde, Geraldo Mario. Epistemologia Ambiental. Porto Alegre, RS: EdiPUCRS, 2005. p. 211. ISBN 8574305316
  2. Uzi, Kaldor; Wilson, Stephen. Theoretical chemistry and physics of heavy and superheavy elements. Nova Iorque, NI: Springer, 2003. p. 5, 8. ISBN 978-1-4020-1371-3
  3. a b Heenen, P. H.; Nazarewicz, W.. (2002). "Quest for superheavy nuclei". Europhysics News 33 (5). DOI:10.1051/epn:2002102. Bibcode2002ENews..33....5H.
  4. Greenwood, N. N.. . "Recent developments concerning the discovery of elements 100–111". Pure and Applied Chemistry 69: 179. DOI:10.1351/pac199769010179.