Ellen Johnson-Sirleaf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ellen Johnson-Sirleaf Medalha Nobel
24º Presidente da Libéria Libéria
Mandato 17 de janeiro de 2006
a atualidade
Vice-presidente Joseph Nyumah Boakai
Antecessor(a) Charles Gyude Bryant
Sucessor(a)
Vida
Nascimento 29 de outubro de 1938 (75 anos)
Dados pessoais
Primeiro-cavalheiro James Sirleaf
Partido Unity Party
Profissão Economista

Ellen Johnson-Sirleaf (Monróvia, 29 de outubro de 1938) é a atual presidente da Libéria. Foi a vencedora das eleições presidenciais de 8 de novembro de 2005, em que derrotou o ex-futebolista George Weah. Foi reeleita em 2011 para um novo mandato, venceu no prêmio Nobel da paz de 2011, juntamente com a compatriota Leymah Gbowee e a iemenita Tawakel Karman[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Líder do Partido da Unidade (Unity Party), foi a primeira mulher eleita chefe de estado de um país africano (Carmen Pereira foi a primeira mulher a presidir um pais africano, com um mandato interino de presidente da Guiné-Bissau, de 14 a 16 de maio de 1984). Johnson-Sirleaf estudou na Universidade de Harvard, e participou pela primeira vez no governo liberiano durante o mandato do presidente William Tolbert, quando desempenhou o cargo de ministra das finanças (desde 1970). Em 1985, sendo candidata para ocupar um assento no Senado, criticou publicamente o regime militar, o que lhe valeu uma condenação de dez anos de prisão, embora fosse libertada pouco depois de ser presa. Depois da passagem pela cadeia, viveu no exílio até 1997, quando regressa à Libéria como economista do Banco Mundial e do Citibank em África.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Embora inicialmente Johnson-Sirleaf tenha apoiado a revolta de Charles Taylor contra o general Samuel Doe, posteriormente passou à oposição e participou nas eleições liberianas de 1997, nas quais obteve apenas cerca de 10% dos votos enquanto Charles Taylor teve cerca de 75% (suspeita-se de fraude nas eleições). Este acusou-a de traição ao país, e ela fez campanhas públicas solicitando a saída do poder de Taylor. Johnson-Sirleaf desempenhou um papel activo no governo de transição anterior às eleições presidenciais de 2005, assumindo a liderança do Partido da Unidade depois da saída de Taylor do país.

Na primeira volta das eleições, a sua candidatura foi a segunda mais votada com 175 520 votos, passando à segunda volta definitiva na qual enfrentou George Weah. Em 11 de Novembro de 2005, com um escrutínio de 97% dos votos, a Comissão Eleitoral Nacional da Libéria declarou Johnson-Sirleaf vencedora das eleições, resultado não aceite por Weah, que apresentou um recurso junto do Supremo Tribunal liberiano pedindo que se suspendesse o escrutínio por supostas irregularidades. Em 23 de Novembro esse pedido foi rejeitado e Johnson-Sirleaf reconfirmada como presidente. Foi uma das três mulheres galardoadas com o Prémio Nobel da Paz de 2011 graças ao seu trabalho como a Primeira Ministra da Libéria[1] , atraindo investidores para a renovação do seu país, já que é um país muito pobre, sem infra-estruturas, esgotos, canalização, água potável, nada. Tenta implantar um regime de igualdade tanto para as mulheres como para os homens, achando que todos têm o mesmo direito. Na sua luta apela a todas as mulheres que são maltratadas para se imporem e às que têm lutado pela liberdade das mulheres que continuem, já que se todos fizerem um pouco para atingirem um mesmo objetivo será mais fácil e haverá maiores probabilidades de esse mesmo objetivo ser atingido.

Em março de 2012, Ellen foi entrevistada juntamente com o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair pelo jornal britânico Guardian. Na ocasião ela defendeu as leis de seus país, a Libéria, que classificam como crime práticas homossexuais, sob o tipo penal da "sodomia voluntária". Na Libéria e em outros países africanos, as práticas homossexuais são consideradas publicamente como criminosas. Esses países, apesar da pressão exterior do governo dos Estados Unidos, têm resistido a mudar suas leis próprias, que refletem sua concepção sobre o mundo, o homem e a sexualidade sadia. [2] [3]

Referências

  1. a b Três mulheres dividem o Prêmio Nobel da Paz de 2011 (em português). G1.com. Página visitada em 27 de abril de 2012.
  2. Vencedora do Nobel defende lei que pune homossexuais na Libéria. O Globo (19/3/2012). Página visitada em 20/3/2012.
  3. Presidente da Libéria e Nobel da Paz defende criminalização da homossexualidade. Público (19/3/2012). Página visitada em 20/3/2012.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=2041034

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Ellen Johnson-Sirleaf


Precedida por:
Charles Gyude Bryant
Presidente da Libéria
2006 — presente
Sucedida por:
Precedida por:
Liu Xiaobo
Nobel da Paz
2011
com Leymah Gbowee e Tawakel Karman
Sucedida por:
União Europeia
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.