Empoderamento (administração)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

Empoderamento, ou delegação de autoridade, é uma abordagem a projetos de trabalho que se baseia na delegação de poderes de decisão, autonomia e participação dos funcionários na administração das empresas. Analisa-se o desenvolvimento, ou grau de maturidade, do empoderamento na organização avaliando o estágio evolutivo em que se encontram as áreas de gestão, as configurações organizacionais, as estratégias competitivas, a gestão de recursos humanos e a qualidade.

Definição[editar | editar código-fonte]

O empoderamento parte da ideia de dar às pessoas o poder, a liberdade e a informação que lhes permitem tomar decisões e participar ativamente da organização. A utilização de equipes autodirigidas e a adoção de sistemas orgânicos de administração e culturas participativas e abertas nas organizações significam que estas estão tentando difundir e compartilhar o poder com todos os seus membros, abrindo mão do controle centralizado, e isto parece ser a solução viável que promove rapidez, flexibilidade e capacidade de decisão da organização. O empoderamento se assenta em quatro bases principais:

  1. Poder – dar poder às pessoas, delegando autoridade e responsabilidade em todos os níveis da organização. Isso significa dar importância e confiar nas pessoas, dar-lhes liberdade e autonomia de ação.
  2. Motivação – proporcionar motivação às pessoas para incentivá-las continuamente. Isso significa reconhecer o bom desempenho, recompensar os resultados, permitir que as pessoas participem dos resultados de seu trabalho e festejem o alcance das metas.
  3. Desenvolvimento – dar recursos às pessoas em termos de capacitação e desenvolvimento pessoal e profissional. Isso significa treinar continuamente, proporcionar informações e conhecimento, ensinar continuamente novas técnicas, criar e desenvolver talentos na organização.
  4. Liderança - proporcionar liderança na organização. Isso significa orientar as pessoas, definir objetivos e metas, abrir novos horizontes, avaliar o desempenho e proporcionar retroação.

O empoderamento não é algo fixo, mas funciona em um continuum que vai desde um baixo até um elevado grau de delegação de poder. Quando esse grau é elevado, estamos diante de equipes de alto desempenho graças à excelência da sua dinâmica e aos resultados proporcionados.

O conceito tem por objetivo capacitar as pessoas para os processos decisórios[1] Para que uma instituição seja capaz de usar essa tecnologia é necessário ter as seguintes premissas pré-definidas[2] :

  • Competência e experiência – Pessoas com experiências e competências engajadas sobre disseminar a tecnologia;
  • Informações necessárias – Compartilhar entre as pessoas envolvidas no processo;
  • Recompensa adequada – Comprometimento da instituição com os colaboradores;
  • Conhecimento da missão – Ter a missão da instituição bem definida entre os colaboradores;
  • Tolerância a erros – Tolerar falhas em formas de decisões e planos de contingências;

Requisitos[editar | editar código-fonte]

De acordo com Mills:[3]

  • Primeiro passo: Tolerância a erros
  • Segundo passo: desenvolvendo a confiança
  • Terceiro passo: visão
  • Quarto passo: fixação de metas
  • Quinto passo: avaliação
  • Sexto passo: motivação

Empoderamento e liderança[editar | editar código-fonte]

Quando falamos em empoderamento é impossível não o associarmos a liderança e cultura organizacional. É extremamente difícil usarmos técnicas tão eficazes e valiosas como o empoderamento se temos uma cultura organizacional baseada em tomadas de decisões centralizada. É importante informar as organizações de que, delegando não há perda de poder ou liderança; pelo contrário, os processos ficam mais eficazes e os colaboradores se sentem mais úteis, fazendo parte diretamente das tomadas de decisão. A orientação e motivação dos líderes para as vantagens do empoderamento é um dos primeiros passos a dar, face aos receios sobre delegação de poderes e de restrição da sua função à própria delegação. Um líder, além de delegar, tem a atribuição de criar mecanismos para que seu grupo ou equipe caminhe; proporcionar ferramentas necessárias à execução das atividades e a conclusão das tarefas e processos da sua empresa.

O empoderamento faz relação direta com a cultura organizacional e seus objetivos. Desta forma, o método utilizado, baseado nas Teorias X ou Y e nos sistemas administrativos (Autoritário coercitivo, autoritário benevolente, consultivo e participativo), são os co-agentes, determinando a eficiência e eficácia da utilização do empoderamento.

Ciclo do empoderamento[editar | editar código-fonte]

Vantagens
  • Por ter um propósito de descentralização, pode promover novos líderes, gerando oportunidades novas, e ampliar a visão, melhorando a tomada de decisões, melhorar o planejamento e execução das atividades fortalecendo também a confiança.
  • Por partilhar a liderança, as pessoas se sentem motivadas a mudar, sendo assim, há uma melhoria geral no ambiente de trabalho.
  • Estimula a cooperação, reforça a confiança de todos, utilizando a estratégia do ganha-ganha e todos “vestem a camisa” para uma empresa melhor.
Desvantagens
  • Pode haver um desvio de foco, pelo fato da influência, por exemplo: Caso uma pessoa seja influenciada por pensamentos muito focados, egoístas e sem carater. Para implantar certas regras, é necessário que a empresa seja grande, para haver uma diversidade de pessoas. Por necessitar de uma demora na implementação as empresas não seguem com a atividade, sendo um esforço perdido.
  • Excesso de delegação.

Referências

  1. CAZELA, M.; FRANCO, D.; KITZBERGER, H. Como fica a questão da liderança em organizações que utilizam o empowerment em suas equipes de funcionários?. Anuário da Produção Acadêmica Docente, Brasil, v. 1, n. 1, p. 106-115, 2007. Disponível em: [1]. Acesso em: 17 ago. 2009.
  2. RODRIGUES, C.; SANTOS, D. Empowerment: ciclo de implementação, dimensões e tipologia. Gestão & Produção, Brasil, v. 8, n. 3, p. 237-249, 2001. Disponível em: [2]. Acesso em: 17 ago. 2009.
  3. MILLS, Daniel Quinn. Empowerment: um imperativo. Rio de Janeiro: Campus, 1996