Encadernação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Encadernar, no sentito estrito, é unir, ordenadamente, por meio de costura sólida, os cadernos de uma obra, para formar um volume compacto, cobrindo-o com uma capa para proteção e embelezamento[1] ou simplesmente juntar as folhas de forma que seja mais fácil manuseá-las.[2] Genericamente, o termo "encadernação" pode designar qualquer junção de folhas (ou cadernos) por qualquer processo. Há uma variedade de processos, largamente utilizados comercial e industrialmente, tais como brochura, canoa, wire-o, espiral e outros.

A finalidade mais conhecida da encadernação é a confecção de livros, apostilas e afins. Mas também é comum que empresas encadernem folhas avulsas de notas fiscais e outros documentos, a fim de preservá-los organizados por um longo tempo. Também se usa a encadernação para reunir anotações ou textos avulsos, sobre determinado assunto, para que não se percam ou para facilitar o manuseio e a consulta.

Tecnicamente, chama-se blocagem o processo de juntar folhas soltas, seja por serrotagem (isto é, mediante a execução de um sulco transversal, com serrote apropriado, no dorso do livro, para receber as cordas da costura), por perfuração ou por simples colagem.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra 'encadernação' deriva de 'caderno', do latim quaternus, que significa 'de quatro em quatro'. Em português, a palavra evoluiu para a forma 'quaderno', que quer dizer 'quádruplo' ou 'constante de quatro elementos', pois tomavam-se, tradicionalmente, as quatro partes em que se dobrava um fólio para contituir um caderno.[3] [4] Cada caderno é costurado a outros iguais, para compor o miolo ou corpo do livro

Tipos de encadernação[editar | editar código-fonte]

Brochura[editar | editar código-fonte]

Brochura é a encadernação na qual os cadernos (que constituem o miolo do livro ou revista) são costurados na lombada em forma de acabamento, e colados a uma capa mole, normalmente de papel grosso, ou apenas colados e fresados (sem costura)[5] .

Canoa[editar | editar código-fonte]

Encadernação canoa

A encadernação do tipo canoa ou dobra é aquela usada em revistas e panfletos, na qual os cadernos são grampeados[6] [7] .

Espiral[editar | editar código-fonte]

Encadernação espiral

O método de encadernação com arame em espiral é muito utilizado para encadernação com qualquer quantidade de páginas, em cadernos escolares, apostilas, monografias, etc. Neste modo de encadernação, as folhas são furadas mecanicamente. Os furos são circulares.[8] Normalmente a capa é de cartolina ou plástico.

Wire-o[editar | editar código-fonte]

Encadernação wire-o

O sistema de encadernação wire-o é uma evolução do processo de encadernação em espiral. Utiliza garras metálicas em duplo anel. As folhas de papel onde serão inseridas devem ter furos quadrados ou retangulares[8] É muito usado na confecção de agendas, calendários e cadernos escolares pois permite a utilização de várias gramaturas de papéis, vários tipos de plásticos e outros materiais. A encadernação wire-o é uma ótima opção para artistas e designers, na produção de catálogos e portfólios. Este método de encadernação também é muito utilizado em calendários de mesa.

Termoencadernação[editar | editar código-fonte]

Termoencadernação refere-se aos processos de encadernação que utilizam algum tipo de cola activada termicamente, sem necessidade de perfurar os materiais a encadernar. Na sua variante mais simples, são utilizadas capas com uma tira de um material colante que é ativada através de equipamento próprio, que aquece a cola, selando assim os conteúdos a encadernar.

Encadernação industrial[editar | editar código-fonte]

Os métodos industriais são aqueles utilizados pela indústria gráfica, para produzir grandes quantidades de exemplares. No entanto, as gráficas rápidas vêm gradativamente incorporando tecnologias que permitem produzir pequenas tiragens a um custo acessível, o que antes era impossível. Existe, também, nos orçamentos das gráficas, um briefing contendo informações que auxiliam a decisão do cliente na escolha do formato, número de cores, tipo de papel, quantidade e acabamento de cada peça. Este último, traduz o tipo de processo de encadernação : dobras, grampos, lombadas, faca de corte especial, verniz, relevo, bolso, etc.

Encadernação artesanal[editar | editar código-fonte]

Encadernação artesanal

A encadernação artesanal é feita manualmente, sem o uso de máquinas de encadernar. Existem muitos estilos de encadernação manual. Apesar de ser um processo simples, o trabalho de encadernação exige capacitação e habilidade do indivíduo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. CASTELLO BRANCO, Zelina. Encadernação. São Paulo: Hucitec, 1978.
  2. , Lorenzo Baer Senac, Produção gráfica, 219 e 220, 1995. ISBN 857359005X, 9788573590050
  3. Dicionário Houaiss: "caderno" (etimologia).
  4. ROSARIVO, Raúl Mario. Historia general del libro impreso; desde el orígen del alfabeto hasta nuestros días. Buenos Aires: Ediciones Aureas, 1964, p. 201.
  5. , Lorenzo Baer Senac, Produção gráfica, 219 e 220, 1995. ISBN 857359005X, ISNB 9788573590050
  6. João Gomes Filho. Design do objeto: bases conceituais, design do produto/design gráfico/design de moda/design de ambientes/design conceitual. [S.l.]: Escrituras Editora, 2006. 206 p. ISBN 8575312219, ISBN 9788575312216
  7. Henry Petroski. A Evolução das coisas úteis: clipes, garfos, latas, zíperes e outros objetos. [S.l.]: Jorge Zahar Editor, 2007. 102 a 105 p. ISBN 8537800295, ISBN 9788537800294
  8. a b , João Gomes Filho Escrituras Editora, Design do objeto: bases conceituais, design do produto/design gráfico/design de moda/design de ambientes/design conceitual, 2006. ISBN 8575312219, 9788575312216

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons