Encarnação (cristianismo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Antero de Quintal (D C) há 10 meses atrás. (Recarregar)

A encarnação enquanto parte de um ciclo da Vida de Jesus com a Trindade na coluna central. Pintura de Fridolin Leiber, século XIX.

No contexto do cristianismo, Encarnação é a crença de que a segunda pessoa da Trindade, também denominada Deus, o Filho ou Logos, se torna carne ao ser concebido no ventre de uma mulher, a Virgem Maria, também denominada Theotokos. A encarnação é um ensinamento teológico fundamental do cristianismo ortodoxo, baseado na repetia interpretação do Novo Testamento. A Encarnação representa a crença de que o Filho de Deus assumiu um corpo e natureza humanos e se tornou simultaneamente Homem e Deus. Na Bíblia, a referência mais explícita encontra-se em João 1:14: "E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós."[1] Segundo as instruções do anjo, o seu nome foi Jesus.

Na Encarnação definida pelas Igrejas aderentes ao Concílio de Calcedónia, a natureza divina do Filho encontrava-se unida, e não misturada, com a natureza humana numa única pessoa divina, Jesus Cristo, que era simultaneamente o Deus e o homem verdadeiros.[2] A Encarnação é celebrada todos os anos durante o Natal e na Anunciação.

Referências

  1. McKim, Donald K. Westminster dictionary of theological terms. Louisville: Westminster John Knox Press, 1996. p. 140.
  2. Universidade de Notre Dame. Of the Incarnation as part of the Fitness of Things.