Enchentes em Santa Catarina em 2011

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Enchentes em Santa Catarina em 2011
Duração setembro de 2011
Vítimas 6 mortes, 172 feridos e 26 mil desalojados e desabrigados.
Áreas afectadas Santa Catarina, no Brasil

Enchentes atingiram o estado de Santa Catarina, localizado no Sul do Brasil, em setembro de 2011.[1] Cerca de 83 cidades decretaram situação de emergência por causa das fortes chuvas.[2] . A Defesa Civil contabilizou 6 mortes e cerca de 930 mil pessoas foram afetadas. Mais de 26 mil pessoas tiveram que deixar suas casas em todo o estado. 24.124 pessoas desalojadas e outras 1.926 desabrigadas.[3]

Alerta foi notificado em relação a Barragem de Taió, com a abertura de todas as comportas. O reservatório ficou no limite máximo, sendo que as Defesas Civis de Taió, Rio do Sul e Rio do Oeste mantiveram firme a vigilância decorrente ao alto índice de chuvas, que resultou em alagamentos nos municípios citados consequente do aumento do nível do rio, por causa da abertura das comportas.[4]

A Defesa Civil registrou também alagamentos e deslizamento de terra em Brusque, no Vale do Itajaí onde algumas cidades sofreram problemas devido ao aumento constante das chuvas.[5]

As cidades que permaneceram em situação de emergência foram: Antônio Carlos, Anitápolis, Alfredo Wagner, Águas Mornas, Anita Garibaldi, Armazém, Araquari, Araranguá, Balneário Arroio do Silva, Balneário Barra do Sul, Balneário Gaivota, Biguaçu, Barra Velha, Bom Jardim da Serra, Braço do Norte, Braço do Trombudo, Bombinhas, Camboriú, Cocal do Sul, Corupá, Criciúma, Dona Emma, Ermo, Forquilhinha, Gaspar, Grão Pará, Gravatal, Guaramirim, Governador Celso Ramos, Içara, Ilhota, Imaruí, Itapoá, Itaiópolis, Jaguaruna, Jaraguá do Sul, Joinville, Jacinto Machado, Lauro Müller, Maracajá, Massaranduba, Meleiro, Major Gercino, Morro da Fumaça, Morro Grande, Nova Veneza, Palhoça, Passo de Torres, Pedras Grandes, Porto Belo, Rio do Campo, São Pedro de Alcântara, Santa Rosa do Sul, Santo Amaro da Imperatriz, São Bento do Sul, São Francisco do Sul, São João do Sul, São Martinho, Siderópolis, Sombrio, São José, São José do Cerrito, Turvo, Timbé do Sul, Treviso, Tubarão e Urussanga.

As cidades que permaneceram em situação de calamidade pública foram: Aurora, Agronômica, Brusque, Ituporanga, Laurentino, Lontras, Presidente Getúlio, Rio do Sul, Rio do Oeste, Taió e Trombudo Central.

Prejuízos[editar | editar código-fonte]

Os municípios trabalham em conjunto com a Defesa Civil para atender a população atingida. Donativos foram arrecados e distribuídos em Criciúma.[6] De acordo com os levantamentos preliminares, as chuvas causaram um prejuízo estimado em R$ 400 milhões. A presidente Dilma Rousseff anunciou a liberação de R$ 40 milhões para ajudar na reconstrução das cidades afetadas pela chuva em Santa Catarina.[7]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal do Brasil