Encontros com Homens Notáveis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Encontros com Homens Notáveis é a autobiografia de George Ivanovich Gurdjieff. A sua primeira tradução em inglês foi publicada em 1963. A obra conta a história de um jovem Gurdjieff crescendo em um mundo em mudança entre as suas inexplicáveis experiências e o desenvolvimento da ciência moderna. O livro é o segunda parte da trilogia conhecida como All and Everything escrita por Gurdjieff entre 1924 e 1935.

O livro fala sobre as reminiscências de Gurdjieff acerca dos vários "homens notáveis" que ele encontrou, começando por seu pai. Eles incluem o sacerdote Pogossiano da Igreja Apostólica Armênia; o bêbado Soloviev (cujo nome relembra um muito conhecido místico cristão ortodoxo), o príncipe Lubovedsky, um príncipe Russo com interesses em metafísica, e um par de outros.

No curso das descrições destas personagens, Gurdjieff guia suas histórias através de uma viagem que ele próprio realizou, e também em uma narrativa que nas entrelinhas eles cooperam em localizar textos espirituais e/ou mestres de varias nações (a maioria da Ásia Central). Gurdjieff chama este grupo de buscadores da verdade."

A maioria deles de fato acha a "verdade" na forma de um tipo de destino espiritual sutil. A filosofia nas entrelinhas, especialmente articulada em um apêndice, a quantidade de declarações de que pessoas normalmente vivem as suas vidas sem despertar, inconscientes de si mesmos, e agem como maquinas, sujeitas a causas externas e pressões. Também, um dos pontos fortemente expressos na história é que as pessoas das épocas passadas viviam em mais sutis condições e mais altos níveis interiores que as pessoas de hoje. Muitas outras harmonias ocultas são mencionadas ou aludidas.

Esta contradição nas crenças modernas foram inspiradas nas questões levantadas pelos personagens da autobiografia. Por exemplo, Gurdjieff clama ter ouvido falar do Épico de Gilgamesh como um épico cantado das memórias do seu pai; tendo feito contato com varias irmandades antigas incluindo a Irmandade Sarmung; copiou um mapa de um "Egito pré-desértico" (a existência do próprio mapa é bastante plausível), e ter testemunhado numerosos milagres e fenômenos esotéricos.

Ele portanto pode ser dito ter muitas vinhetas nos Encontros que tem significados simbólicos, ou "histórias com ensinamentos".

Versão em filme[editar | editar código-fonte]

Do livro foi feito um filme em 1979 dirigido por Peter Brook.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]