Energia das correntes marítimas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Energia renovável
Turbina de Vento
Biocombustível
Biomassa
Energia azul
Energia geotérmica
Energia heliotérmica
Energia hidráulica
Hidreletricidade
Energia solar
Energia maremotriz
Energia das ondas
Energia das correntes marítimas
Energia eólica

Energia das correntes marítimas é uma forma de energia marinha obtida através do aproveitamento da energia cinética das correntes marítimas, como a corrente do Golfo. Embora não seja amplamente usada atualmente, a energia das correntes marítimas possui um importante potencial para a futura geração de eletricidade. As correntes marítimas são mais previsíveis que o vento.[1]

Um relatório de 2006 do Departamento do Interior dos Estados Unidos da América estimava que capturando apenas 0,001% da energia disponível na corrente do Golfo, que possui 21 mil vezes mais energia que as Cataratas do Niágara em um fluxo de água que equivale a 50 vezes o fluxo total de todos os rios de água doce do mundo, seria possível suprir 35% das necessidades energéticas da Flórida.[2]

As correntes marítimas são causadas principalmente pela alta e baixa das marés resultantes das interações gravitacionais entre a Terra, a lua e o sol, fazendo com que todo o mar flua. Outros efeitos como as diferenças regionais de temperatura e salinidade e o efeito Coriolis devido à rotação da Terra também são influências importantes. A energia cinética das correntes marítimas pode ser convertida basicamente da mesma maneira que uma turbina eólica extrai energia do vento, usando vários tipos de rotores de fluxo aberto.[3] O potencial de geração de energia elétrica através das correntes marítimas é enorme. Existem vários fatores que fazem dela muito atraente quando comparada a outras fontes de energia renováveis:

  • Fatores resultantes das propriedades dos fluidos. A previsibilidade do recursos, de modo que, ao contrário da maioria das outras energias renováveis, sua disponibilidade futura pode ser conhecida e planejada.[3]
  • Recursos potencialmente vastos que podem ser explorados com pouco impacto ambiental, oferecendo assim um dos métodos de geração de eletricidade em larga escala menos prejudiciais ao meio ambiente.[4]
  • A possibilidade de que instalações de energia das correntes marítimas forneçam também eletricidade doméstica, especialmente se duas ou mais matrizes separadas, com a capacidade de deslocamento durante os períodos de pico do fluxo, estiverem interligadas.

Experiências pŕevias[editar | editar código-fonte]

O possível uso das correntes marítimas como fontes de energia começou a chamar a atenção em meados da década de 1970 após a primeira crise do petróleo. Em 1974 vários modelos conceituais foram apresentados na Oficina MacArthur sobre Energia, e em 1976 a British General Electric Co. empreendeu um estudo parcialmente financiado pelo governo, que concluiu que a energia das correntes marítimas merecia uma pesquisa mais detalhada. Logo depois, o grupo ITD no Reino Unido implementou um programa de pesquisa envolvendo um ano de testes sobre o desempenho de um rotor de 3 metros instalado em Juba, no Nilo.

Os anos 1980 assistiram a um pequeno número de projetos para avaliação dos sistemas de energia das correntes marítimas. Os principais países onde se desenvolveram os estudos foram o Reino Unido, Canadá e Japão. Entre 1992–1993 o Tidal Stream Energy Review identificou lugares específicos nas águas do Reino Unido com velocidade de corrente adequada para gerar até 58 TWh por ano. Isso confirmou a ideia de que a capacidade total de energia que pode ser gerada através das correntes marítimas possa ser teoricamente capaz de atender a 19% da demanda de eletricidade do Reino Unido.

Entre 1994–1995 o projeto EU-JOULE CENEX envolveu a compilação de um banco de dados sobre os recursos de localidades europeias. Envolvendo mais de 100 lugares nos quais a extensão do fundo do mar variava de 2 a 200 km², constatou-se que muitas possuíam capacidade de geração de energia superior a 10 MW/km².

Tanto o governo do Reino Unido quanto o dos EUA assinaram acordos internacionais destinados a combater o aquecimento global. Para cumprir esses acordos, um aumento na geração em larga escalar de eletricidade a partir de fontes renováveis será necessário. As correntes marítimas possuem potencial para suprir uma parte substancial das necessidades energéticas futuras dos EUA.[3] O estudo de 106 possíveis localidades para instalação de turbinas mostrou um potencial de geração de energia da ordem de 60 TWh/ano. Se esse recurso for utilizado com sucesso, a tecnologia necessária poderia servir de base para uma grande nova indústria para a produção de energia limpa para o século XXI.[4]

Tecnologias alternativas na aplicação da energia das correntes marítimas[editar | editar código-fonte]

Há muitos tipos de dispositivos de fluxo aberto que podem ser usados na aplicação da energia das correntes marítimas; muitos dos quais são descendentes modernos do antigo conceito da roda d'água. Contudo, quanto mais tecnicamente sofisticados os modelos, derivados dos rotores movidos a vento, mais provável que seja alcançada uma relação satisfatória entre custo, eficácia e confiabilidade para que ocorra, na prática, o uso massivo da energia das correntes marítimas no cenário futuro. Embora não haja uma terminologia de aceitação geral para essas turbinas hidráulicas de fluxo aberto, algumas fontes se referem a elas como turbinas de água corrente. Existem dois tipos principais de turbinas de água corrente que podem ser considerados: hélices com fluxo axial de eixo horizontal (com ângulo de rotação variável ou fixo), e rotores com fluxo cruzado de eixo vertical. Ambos tipos de rotores podem ser combinados com qualquer um dos três principais métodos para sustentação de turbinas de água corrente: sistemas flutuantes ancorados, sistemas armados no fundo do mar, e sistemas intermediários. Estacas enterradas no fundo do mar constituem a primeira geração de sistemas de energia das correntes marítimas. Eles possuem a vantagem de usarem o know-how existente (e confiável) da engenharia, mas estão limitados a águas relativamente rasas (cerca de 20 a 40 m de profundidade).[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Correntes oceânicas How Stuff Works. Visitado em 2 de novembro de 2010.
  2. US Department of the Interior (maio 2006). Ocean Current Energy Potential on the U.S. Outer Continental Shelf (pdf). Visitado em 2 November 2010.
  3. a b c d Ponta, F.L.; P.M. Jacovkis. (2008-04). "Marine-current power generation by diffuser-augmented floating hydro-turbines". Renewable Energy 33 (4): 665–673. DOI:10.1016/j.renene.2007.04.008.
  4. a b Bahaj, A.S.; L.E. Myers. (2003-11). "Fundamentals applicable to the utilisation of marine current turbines for energy production" (Article). Renewable Energy 28 (14): 2205–2211. DOI:10.1016/S0960-1481(03)00103-4.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]