Engenharia de controle e automação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Engenharia de controlo)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Sistemas de esteiras, utilizados para transportar os mais diversos tipos de materiais.

Engenharia de Controle e Automação PB é a área dentro da engenharia voltada ao controle de processos industriais e automação de processos de manufatura, utilizando-se para isso de elementos sensores, elementos atuadores, sistemas de controle, Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados e outros métodos que utilizem os recursos da elétrica, eletrônica, mecânica e informática.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A Engenharia de Controle e Automação tem como objetivo tornar um processo produtivo automático, assim este será mais confiável e versátil, e sua operação mais simples e econômica. Para obter a automação de um sistema, é necessário ter uma visão global do processo a ser automatizado, e combinar esse conhecimento com os príncipios de elétrica, mecânica, eletrônica e computação. A automação é completa quando toda uma linha de produção funciona do começo ao fim sem a intervenção humana, agindo apenas pelo ação das próprias máquinas e controladores.

As etapas para desenvolver um controle automático podem ser resumidas da seguinte forma: inicia-se com a modelagem matemática do sistema ou planta, a partir do qual se analisa o comportamento dinâmico da planta, e então se projeta um controlador que fará o sistema evoluir da forma desejada, além de se adaptar às mudanças dos elementos sob controle.

O sistema de controle não precisa realizar a automação completa do processo industrial. Também, há processos semi-automáticos, onde parte da ação necessitam intervenção manual. As escolhas dependerão do tipo de processo, custos envolvidos e segurança dos operadores.

Os termos controle e automação já foram ponto de conflito, sobre qual seria o termo mais correto. Automação é um neologismo originado do inglês automation, e refere-se ao uso de tecnologia para facilitar o trabalho do ser humano ou estender sua capacidade física e mental. Controle é uma contração de controle automático, e refere-se ao uso de um dispositivo (controlador) que sem auxílio ação humana faça um sistema se comportar da maneira desejada. Hoje, os dois termos são usados indistintamente quando se referem a esta área da engenharia.

Alguns exemplos de sistemas de controle e automação são: robôs industriais, linha de montagem de automóveis, manufatura de circuito eletrônico, fabricação de microchip (circuito integrado), sistemas de tratamento de água, refinaria de petróleo, usinas de geração de energia, siderúrgicas, petroquímicas...

Diagrama de Automação

A figura ao lado é possível observar esta relação, e em especial a interseção entre a mecânica, a ciência da computação e a elétrica - neste caso dividida em eletrônica e controle.

Histórico do curso de Engenharia de Controle e Automação[editar | editar código-fonte]

História no mundo[editar | editar código-fonte]

O surgimento da Engenharia de Controle e Automação é uma tendência observada há muito tempo.

Segundo Mariano, Tiago as primeiras máquinas desenvolvidas foram simples, apenas aumentando a capacidade física humana, como alavancas, polias, entre outras. Tempos depois os primeiros relógios foram sendo inventados, porém, necessitavam de regulagens frequentes, o que os tornava pouco viáveis. Foi no século XVII, que finalmente os relógios se tornaram máquinas automáticas. A Revolução Industrial gerou profundo impacto no processo produtivo e no desempenho industrial e a Engenharia de Controle e Automação passou a ter um papel decisivo .

Foi também no século XVII, que as primeiras máquinas de combustão surgiram, e eram utilizadas para o bombeamento de água em minas de carvão. Em 1769, James Watt aperfeiçoou a máquina a vapor, dando a ela regularidade de marcha. Já no início do século XIX, surge a primeira máquina programável.

As máquinas complexas, desenvolvidas no período entre guerras, com navios e aviões, só foram possíveis graças ao desenvolvimento das primeiras técnicas de automação industrial. Na Segunda Guerra Mundial, apareceram os computadores, máquinas complexas com capacidade de memória e processamento de dados. A introdução destes nos controladores permitiu sofisticá-los e torná-los inteligentes.

A partir desse momento, em dados lugares se passou a utilizar realimentações e sistemas de controle, e foi neste contexto que os cursos de Engenharia de Controle e Automação começaram aparecer e disciplinas de automação e controle foram incorporadas às ciências de engenharia. A tecnologia de Controle gerou um grande aumento na competitividade nas mais diversas áreas enquanto que a Automatização dos processos aumentou significativamente a produtividade e qualidade dos produtos.

Um grande crescimento na demanda por tecnologia ocorreu e ainda ocorre motivado pela indústria bélica, em especial no século 20 com as duas grandes guerras mundiais, mas um exemplo de como a Engenharia de Controle e Automação está presente de forma construtiva em nossas vidas se dá pela evolução de nossos meios de transporte. A Indústria automobilística é um bom exemplo de como este setor cria desafios e soluções por meio de desenvolvimento de tecnologia de ponta.

Outro exemplo mais recente da evolução da Controle e Automação é na área espacial, devido à necessidade de construção de sistemas de controle precisos e de alta complexidade para guiar os foguetes, sondas e naves espaciais.

História no Brasil[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 40, disciplinas de Controle passaram a ser ministradas nos cursos de Engenharia, sendo que, nos Estados Unidos e Europa Ocidental, essas disciplinas foram introduzidas, principalmente, nos cursos de Engenharia Elétrica.

O primeiro curso de Controle em uma universidade brasileira ocorreu no segundo semestre de 1953 para os alunos de Engenharia Eletrônica do ITA.

Porém o primeiro curso de Controle ministrado por brasileiros, só ocorreu em 1960, na Escola Politécnica da USP.

Em nível de graduação, a partir dos anos 80, surgem:

  • Os cursos de Mecatrônica, o primeiro dos quais foi criado na Escola Politécnica da USP, sob a denominação de Engenharia Mecânica – Habilitação Automação e Sistemas (Mecatrônica);
  • Os cursos de Engenharia de Controle e Automação, tendo sido o primeiro fundado na UFSC em 1988;
  • As ênfases em Controle de cursos de Engenharia Elétrica;
  • E, mais recentemente, as ênfases em Controle e Automação em outros cursos de Engenharia, como na Química e na Computação;

De acordo com a elaboração da Portaria 1694/MEC/94 (Brasil, 1994), foi estabelecido que: “A Engenharia de Controle e Automação é uma habilitação específica que tem sua origem nas áreas Elétrica e Mecânica do curso de Engenharia” (Art. 1º). Isso permitiu rápido crescimento do curso de Engenharia de Controle e Automação, que passou de 8 em 1996 para 60 em 2005.

História do nome[editar | editar código-fonte]

O nome Engenharia de Controle e Automação (que é o aceito atualmente pelo MEC) surgiu pelas ideias propostas abaixo: Controle significa Controle Automático (isto é, que se move ou age por si, sem operador) de Sistemas físicos quaisquer.

Compõe-se de dois grandes campos de conhecimento:

  • Controle dinâmico de sistemas dinâmicos (representados por equações diferenciais ou de diferenças, pelo menos na variável tempo);
  • Controle por eventos discretos de sistemas de eventos discretos (representados por modelos lógicos seqüenciais).

Automação (do inglês automation) significa o emprego do computador para automatizar, com ou sem controle dinâmico. Sua origem é um neologismo, em inglês, que na década de 60 foi adotado intensamente pelo marketing industrial, sendo muito mal recebido pela comunidade acadêmica de língua inglesa.

De acordo com a Larousse Cultural (1998), os nomes Automação e Automática são definidos assim: “Automação- Parte da automática que trata dos automatismos mais complexos. Palavra utilizada pela primeira vez em 1936... na General Motors...” “Automática- Ciência e técnica da automatização, agrupando o conjunto das disciplinas teóricas e tecnológicas que intervêm na concepção, construção... dos sistemas automáticos.”

O curso de Engenharia de Controle e Automação[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o currículo do curso está organizado em três núcleos:

O básico é formado por disciplinas de matemática, química, física, mecânica dos sólidos, informática, materiais, humanas, ambientais, administrativas, econômicas e de expressão gráfica.

O profissionalizante genérico compreende disciplinas de análise de sistemas, mecânica aplicada, eletricidade e eletrônica, modelagem, simulação de sistemas físicos.

As disciplinas do núcleo profissionalizante específico apresentam conteúdos sobre gestão de tecnologia, instrumentação para automação e controle, processos e sistemas de fabricação, automação da manufatura e controle de sistemas. Esse controle se baseia na programação de máquinas, no monitoramento e aperfeiçoamento do desempenho de processos e adaptações de programas computacionais, com a finalidade de reduzir custos e prazos, aumentar a segurança da produção além de melhorar a qualidade dos produtos e da produtividade de empresas dos mais variados ramos.

Em algumas instituições pode ocorrer variação de ênfase. No CEFET/RJ, por exemplo, a base em Eletrônica é consideravelmente mais profunda que a base em Mecânica. Isso ocorre pela própria situação regional, visto que no Rio de Janeiro, o número de empresas no ramo da robótica é bastante reduzido, frente a outros estados como São Paulo. Cabe ao aluno verificar através da própria grade curricular, qual a ênfase deste curso na instituição ou universidade desejada.

A pirâmide da Automação[editar | editar código-fonte]

O trabalho de um Engenheiro de Controle e Automação pode ser representado pela pirâmide abaixo:

Pirâmide da Automação

Nível 1: Aquisição de Dados e Controle Manual. Composto por máquinas, componentes e dispositivos da planta, como sensores, atuadores e dispositivos de campo.

Nível 2: Controle Individual (PLCs, SDCDs, relés). Nível onde se encontram os equipamentos que executam o controle automático das atividades da planta.

Nível 3: Controle de Grupo (célula de trabalho), gerenciamento e Otimização de Processo. Permite a supervisão do processo, normalmente possui banco de dados com informações relativas ao processo.

Nível 4: Controle fabril total, produção e programação. Nível responsável pela programação e pelo planejamento da produção realizando o controle e a logística de suprimentos. Condiz com o gerenciamento da planta.

Nível 5: Planejamento Estratégico e Controle sobre vendas e custos. Administração de recursos da empresa. Neste nível encontram-se os softwares para gestão de venda e gestão financeira, o gerenciamento corporativo.

Sistemas de Controle[editar | editar código-fonte]

Um sistema de controle é basicamente um sistema entrada(s)-saída(s). O sistema a ser controlado é, em geral, chamado de processo ou planta. O processo é um sistema dinâmico, ou seja, seu comportamento é descrito matematicamente por um conjunto de equações diferenciais. Como exemplos de sistemas dinâmicos temos, entre outros: sistemas elétricos, mecânicos, químicos, biológicos e econômicos. A entrada do processo é chamada de variável de controle ou variável manipulada (MV) e a saída do processo é chamada de variável controlada ou variável de processo(PV).

A filosofia básica de um sistema de controle é unir o resultado da leitura dos elementos sensores com a ação dos elementos atuadores. Eles recebem as informações lidas dos sensores para saber o atual estado do processo, executa cálculos e lógicas pré-definidas (também chamadas de lei de controle) e envia o resultado para os atuadores, de modo que a situação atual do processo seja modificada para que se atinja um ponto de operação próximo do desejado.

Para projetar um controlador são utilizadas diversas ferramentas computacionais, técnicas e teorias de controle. As ferramentas computacionais permitem que o processo seja simulado em um computador para que os parâmetros do controlador possam ser projetados sem a necessidade de utilizar o processo real. Uma vez projetado o controlador o mesmo é implementado e validado no processo real.

Os Sistemas de Controle unem o resultado da leitura dos elementos sensores com a ação dos elementos atuadores. Eles recebem as informações lidas dos sensores para saber o atual estado do processo, executa cálculos e lógicas pré-definidas (também chamadas de lei de controle) e envia o resultado para os atuadores, de modo que a situação atual do processo seja modificada para que se atinja um ponto de operação próximo do desejado.

Na era da modernidade, o uso dos sistemas de controle é disseminado: desde uma simples boia que controla o nível de um tanque d'água até os sistemas digitais das aeronaves mais sofisticadas.

Para implementar sistemas de controle, são utilizados dispositivos como microcontroladores, CLP's e microprocessadores, entre outros. Estes dispositivos possuem em comum entradas e saídas (Portas de entrada/saída), que servem para realizar a comunicação com os dispositivos periféricos (sensores e atuadores).

Estas portas de entrada/saída também podem ser destinadas a realizar a comunicação com outros sistemas, a fim de fornecer dados de leitura dos sensores ou até receber instruções externas para os atuadores.


Controladores[editar | editar código-fonte]

CLP´s[editar | editar código-fonte]

Ao final da década de 1960, o advento dos circuitos integrados permitiu o desenvolvimento de minicomputadores que logo foram utilizados para controle on-line de processos industriais. Em 1969 surgiram os primeiros controladores e, em 1970, eles incorporaram microprocessadores, sendo então denominados Controladores Lógicos Programáveis (CLPs ou PLCs, da sigla em inglês, a qual possui emprego mais amplo, uma vez que a primeira se tornou marca registrada de propriedade exclusiva de um fabricante nacional). Este dispositivo foi concebido para controlar e automatizar equipamentos e processos , devendo reagir e apresentar respostas a estímulos no menor tempo possível (operação em “tempo real”). Na automação, o emprego de CLPs deve-se considerar:

  • Compatibilidade entre instalação elétrica e pontos de Entrada/Saída
  • Existência de chaves de proteção de hardware
  • Tipo e forma de endereçamento
  • Estrutura da palavra
  • Tipo e forma dos sinais aceitáveis
  • Compatibilidade dos equipamentos eletromecânicos

Para ser considerado como CLP, o equipamento precisa reunir três características básicas:

  • Executar uma rotina cíclica de operação durante seu funcionamento
  • Forma básica de programação através de uma linguagem oriunda dos diagramas elétricos de relés
  • Produto projetado para operação em ambiente industrial, e sujeito a condições adversas (umidade, temperatura, gases inflamáveis, oxidações, poeira)

Um CLP é constituído basicamente por:

  • Fonte de alimentação
  • Unidade Central de Processamento (UCP)
  • Memórias dos tipos fixa (Memória de programa) e volátil (Memória de dados)
  • Dispositivos de entrada e saída
  • Terminal de programação

As linguagens de programação utilizadas por um CLP podem ser divididas em dois tipos básicos: as textuais (Lista de Instruções e Texto Estruturado), oriundas da programação baseada em mnemônicos, e as gráficas, representadas pelas linguagens tradicionais baseadas em relés e em blocos funcionais (Linguagem Ladder, Linguagem em Diagrama de Blocos Funcionais e Diagrama de Funções Sequenciais). Em geral, os CLPs permitem dois modos básicos de operação: o Modo de Programação, destinado à elaboração e alteração de programas aplicativos; e o Modo de Execução (run), destinado à execução do programa contido na memória do dispositivo (Ciclo de Execução). O Ciclo de Execução (scan) é realizado ciclicamente, e compreende:

  • Leitura dos valores de entrada e seu respectivo armazenamento na memória (imagem das entradas);
  • Processamento das instruções do programa aplicativo, empregando a imagem das entradas e gerando na memória os valores de saída (imagem das saídas);
  • Atualização das saídas , através do envio da respectiva imagem para os módulos de saída.
Microcontrolador[editar | editar código-fonte]

O microcontrolador é um Circuito integrado incorporado em um chip, composto por processador, entradas, saídas e memória. Através de uma programação feita pelo técnico, os microcontroladores podem controlar suas saídas, tendo como referência as entradas ou um valor pré-determinado no programa. Diferenças entre os microcontroladores:

  • Quantidade de memória interna.
  • Velocidade de processamento.
  • Quantidade de sinal de entrada e saída (I/O).
  • Alimentação.
  • Periféricos.
  • Arquitetura.
  • Set de instruções.

Características:

  • Consumo pequeno.
  • Modo de espera.
  • Tamanho reduzido.
  • Baixo custo.

Por apresentar tamanho reduzido, baixo consumo são muito utilizados em automação e controle. Exemplos: controle de motores automotivos, controles remotos, máquinas de escritório e residenciais, brinquedos, sistemas de supervisão, etc. Enfim eles são uma alternativa eficiente e barata para controlar muitos processos e aplicações.

Single Loop e Multi Loop[editar | editar código-fonte]

Controladores Single Loop e Multi Loop são dispositivos dedicados microprocessados e configuráveis; a principal diferença entre eles é que o Single Loop - de baixo custo - controla uma única malha (daí o nome) e o multi loop, duas ou mais malhas (ambos têm as mesmas características principais). Eles resolvem o algoritmo de controle para produzir uma saída controlada. Características:

  • Tamanho pequeno;
  • Funções de controle (qualquer função configurável);
  • Auto-sintonia: Programação temporal e sequenciamento de operações (não está presente em todos single-loops);
  • A configuração pode ser feita através de teclados acoplados ao instrumento ou através de programadores separados;
  • O instrumento incorpora todos os avanços da tecnologia eletrônica, microprocessadores, displays novos e programas criativos;
  • Capacidade de auto/manual;
  • Ponto de ajuste múltiplo;
  • Memória.

A aplicação típica do Single Loop é em plantas pequenas e médias, principalmente onde há malhas críticas.

Elementos Sensores[editar | editar código-fonte]

São os elementos responsáveis pela leitura do estado em que o processo se encontra. Os sensores (ou transdutores) medem grandezas mecânicas como de posição, de velocidade e aceleração; grandezas físicas como de temperatura, de fluxo, de nível e de pressão; grandezas químicas como de concentração, entre outras. Eles enviam para o controlador a atual situação do processo para que este possa tomar as medidas necessárias.

A obtenção de algumas dessas variáveis pode ser impossibilitada por razões operacionais ou econômicas. Para contornar essa limitação as grandezas de interesse podem ser estimadas através da medição de outras. Isso pode ser feito utilizando-se um estimador de estados ou através de inferência.


Elementos Atuadores[editar | editar código-fonte]

Atuador é um elemento capaz de modificar grandezas físicas no sistema ao qual pertence (geralmente produzindo movimento) atendendo a comandos que podem ser manuais ou automáticos, nesse processo também acontece a conversão de diferentes tipos de energia, são exemplos de elementos atuadores: cilindros pneumáticos (pneumática) ou cilindros hidráulicos (Hidráulica)e motores (dispositivos rotativos com acionamento de diversas naturezas). Para se classificar os elementos atuadores podem ser usados três critérios diferentes,são eles:

  • Energia de saída: mecânica, térmica, óptica, etc.
  • Princípio de funcionamento: mecânico, pneumático, hidráulico, eletromagnético, etc.
  • Se for um atuador que gera movimento, pelo tipo de movimento: linear ou rotativo.


Técnicas de Controle[editar | editar código-fonte]

Controle em malha fechada[editar | editar código-fonte]

No controle em malha fechada, informações sobre como a saída de controle está evoluindo são utilizadas para determinar o sinal de controle que deve ser aplicado ao processo em um instante específico. Isto é feito a partir de uma realimentação da saída para a entrada. Em geral, a fim de tornar o sistema mais preciso e de fazer com que ele reaja a perturbações externas, o sinal de saída é comparado com um sinal de referência (chamado no jargão industrial de set-point) e o desvio (erro) entre estes dois sinais é utilizado para determinar o sinal de controle que deve efetivamente ser aplicado ao processo. Assim, o sinal de controle é determinado de forma a corrigir este desvio entre a saída e o sinal de referência. O dispositivo que utiliza o sinal de erro para determinar ou calcular o sinal de controle a ser aplicado à planta é chamado de controlador ou compensador. Em resumo, a utilização da realimentação e, portanto, do controle em malha fechada, permite entre outros:

  • aumentar a precisão e exatidão do sistema.
  • rejeitar o efeito de perturbações externas.
  • melhorar a dinâmica do sistema e, eventualmente, estabilizar um sistema naturalmente instável em malha aberta.
  • diminuir a sensibilidade do sistema a variações dos parâmetros do processo, ou seja, tornar o sistema robusto

Controle em malha aberta[editar | editar código-fonte]

O controle em malha aberta consiste em aplicar um sinal de controle pré-determinado, esperando-se que ao final de um determinado tempo a variável controlada atinja um determinado valor ou apresente um determinado comportamento. Neste tipo de sistema de controle não são utilizadas informações sobre evolução do processo para a determinar o sinal de controle a ser aplicado em um determinado instante. Mais especificamente, o sinal de controle não é calculado a partir de uma medição do sinal de saída. Características básicas de um sistema de controle que opera em malha aberta: imprecisão, nenhuma adaptação a variações externas (perturbações), dependência do julgamento e da estimativa humana. Por outro lado, este tipo de sistemas são em geral simples e baratos, pois não envolvem equipamentos sofisticados para a medição e/ou determinação do sinal de controle. (SILVA, J.M.G., 2010).

Atribuições Profissionais[editar | editar código-fonte]

O Engenheiro de Controle e Automação recebe a seguinte designação profissional do CONFEA:

  • Grupo: 1 Engenharia
  • Modalidade: 2 Eletricista
  • Nível: 1 Graduação
  • Código: 121-03-00
  • Título: Engenheiro de Controle e Automação

Destaca-se que a estrutura do Curso foi concebida para que o aluno receba atribuição profissional básica semelhante aos Engenheiros Eletricistas, com ênfase nas seguintes áreas de atuação:

  • Controle e automação de processos;
  • Informática industrial;
  • Engenharia de sistemas e produtos;

Nessas áreas, o Engenheiro de Controle e Automação recebe atribuições para exercer 18 tipos de atividades:

  • Supervisão, coordenação e orientação técnica;
  • Estudo, planejamento, projeto e especificações;
  • Estudo de viabilidade técnico-econômica;
  • Assistência, assessoria e consultoria;
  • Direção de obra e serviço técnico;
  • Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;
  • Desempenho de cargo e função técnica;
  • Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica; extensão;
  • Elaboração de orçamento;
  • Padronização, mensuração e controle de qualidade;
  • Execução de obra e serviço técnico;
  • Fiscalização de obra e serviço técnico;
  • Produção técnica e especializada;
  • Condução de trabalho técnico;
  • Condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção;
  • Execução de instalação, montagem e reparo;
  • Operação e manutenção de equipamento e instalação;
  • Execução de desenho técnico.


Perfil e áreas de atuação[editar | editar código-fonte]

A Engenharia de Controle e Automação é uma atividade-meio, ou seja, a mesma utiliza técnicas que são básicas para toda engenharia, além de ser instrumento para aplicação em quase todas as áreas do conhecimento. Ela está presente na indústria química, petroquímica, alimentícia, têxtil, papeleira e empresas de saneamento, uma vez que nos processos químicos que decorrem ao longo do percurso produtivo numa planta industrial, é necessário controlar o comportamento das variáveis que interferem na qualidade dos produtos de acordo com padrões pré-estabelecidos.

Todos os ramos da manufatura se beneficiam das técnicas de controle. Entre as aplicações neste ramo da indústria está a robótica industrial, usinagem de peças, controle de motores, entre outras.

O projeto de um sistema de controle automático requer o conhecimento amplo e aprofundado de varias outras disciplinas que vão desde a eletrônica até a otimização, passando pela informática, matemática discreta e a teoria de sistemas lineares e não-lineares.

Com base na Resolução 11/CNE/2002, é possível definir para os Engenheiros de Controle e Automação o conjunto de habilidades e competências necessárias ao exercício da profissão que deverá condicionar a formação, de modo a permitir aos egressos: equacionar problemas da área utilizando conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais, com propostas de soluções adequadas e eficientes; criar e usar modelos de dispositivos e sistemas de qualquer natureza; coordenar, planejar, operar e manter sistemas na área de Engenharia de Controle e Automação a questões gerais encontradas em outras áreas; comunicar eficientemente nas formas oral, escrita e gráfica; ser consciente do impacto das atividades da Engenharia de Controle e Automação no contexto social e ambiental; atuar em equipes multidisciplinares; ter postura ética, responsável e de permanente busca de atualização profissional.

Assim, com base numa formação suficientemente abrangente para exercer uma ação integradora, o Engenheiro de Controle e Automação poderá, no que concerne às atividades de engenharia: trabalhar em setores industriais, comerciais, residenciais e de serviços, sendo responsável pela modernização, automação e otimização destes processos; atuar em empresas de engenharia, projetando e integrando sistemas de automação industrial, hospitalar e predial; participar de treinamento de recursos humanos em empresas em geral e instituições de ensino; executar projetos de engenharia básica visando planejar a expansão e automação de longo prazo; desenvolver produtos de instrumentação, controle, operação e supervisão de processos industriais, comerciais e residenciais. Além disso, dependendo das opções que fizer durante e após o curso, o profissional formado poderá também se dedicar ao desenvolvimento e gerência do próprio negócio, tornando-se um empresário.

O profissional formado deve ter sólida base teórica em física, química, matemática e informática, conhecimentos gerais em eletricidade e mecânica (instrumentação eletrônica e mecânica e acionamentos elétricos, mecânicos e hidráulicos) que lhe permitam compreender os efeitos das interfaces entre o mundo real e o sistema de automação.

De forma geral, tem-se:

  • Nível de componente: circuito integrado, sensor, atuador, mecanismo, mancal.
  • Nível de máquina: robôs, máquinas de usinagem, medição, inspeção, movimentação, embalagem.
  • Nível de sistema produtivo: projeto e análise auxiliados por computador, manufatura integrada por computador, sistema flexível de manufatura.

Quanto mais próximo do nível de componente, mais próximo de fenômenos físicos estará o Engenheiro de Controle e Automação. Quanto mais próximo do nível de sistema produtivo, mais interessado em informação e abstrações estará esse Engenheiro. A formação em Engenharia de Controle e Automação deve, portanto habilitá-lo a transitar por esses diferentes níveis, tendo a capacidade de integrar e combinar conhecimentos.

Algumas áreas em que o profissional pode atuar:

Automação comercial e robótica: Projetar sistemas automatizados de controle de equipamentos em edifícios comerciais e em residências, como elevadores, iluminação, aparelhos de ar condicionado e eletrodomésticos.

Automação industrial: Desenvolver e implantar projetos de automação em indústrias. Manipular robôs industriais.

Bioprocessos: Projetar, construir e operar equipamentos empregados nas indústrias de biotecnologia.

Informática: Projetar sistemas de informação e bancos de dados. Programar equipamentos automatizados.

O Mercado[editar | editar código-fonte]

Toda indústria, atualmente, tem alguma forma de automação, de um sistema simples aos mais elaborados. Isso facilita para esse engenheiro encontrar vagas. Além disso, o atual momento econômico do país impulsionou os investimentos, e as indústrias estão trabalhando a todo o vapor, demandando mais profissionais.

O mercado de trabalho é crescente, especialmente na indústria nacional, na qual a automação é uma necessidade quando se busca maior competitividade (redução de custos e melhoria da qualidade).

O engenheiro de controle e automação é contratado pelas empresas para atuar no projeto e desenvolvimento de novos sistemas que visem a aumentar a produtividade de uma indústria e a qualidade dos produtos. Também pode gerenciar projetos de automação, fazer adaptação de softwares e banco de dados. O melhor caminho para entrar nas grandes indústrias é o estágio. A maior quantidade de empregos ainda está no eixo Rio-São Paulo. Nas indústrias que migraram para cidades do Nordeste também há possibilidade de vagas.

O profissional pode atuar nas indústrias de automação, de informática, têxteis, na agropecuária, metalúrgicas, siderúrgicas, de cerâmicas, de bioengenharia, na área aeroespacial, automobilísticas, mecânicas etc.

Pela característica de área meio, a Engenharia de Controle e Automação também permite ao egresso uma atuação em serviços de engenharia e consultoria especializada, em firmas ou de forma autônoma.

O Engenheiro de Controle e Automação encontra emprego especialmente no setor de serviços, segundo uma pesquisa desenvolvida pela UFSC com 265 egressos do curso.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]