Engenharia social (ciência política)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Engenharia social (segurança da informação). Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde janeiro de 2011)
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Engenharia social é um conceito de ciência política que se refere a iniciativas de influência popular, atitudes e comportamento social em larga escala, tanto por governos ou grupos privados. Na arena política a contraparte à engenharia social é a engenharia política.

Na verdade, como tem sido demonstrado pelas revoltas estudantís na Europa, especialmente na Espanha, ela é a forma de "articulação" dos governos, dos bancos e dos poderosos, para dominar a classe média e as classes menos favorecidas. Cuida em aparentar ações "democráticas" que sempre favorecem os mais fortes a reforçarem o poder,cada vez mais. É a maneira sorrateira do interrelacionamento entre bancos, governos e grandes indústrias, como as de armamento e de "reconstrução" de países vítimas de guerra. Começou a ser estudada na Universidade de Harvard, onde primeiramente foi estudada como fonte de domínio dos mais fracos pelos mais fortes, sempre com a falsa colocação de que são atos "democráticos", no entanto nunca emanam do povo ou da classe média mais culta.

Por várias razões, o termo foi associado a conotações negativas. Contudo, virtualmente todas as leis e políticas tem o efeito de mudar o comportamento e podem ser consideradas "engenharia social" até certo ponto. Proibições ao assassinato, estupro e suicídio são todas políticas que pretendem desencorajar comportamentos indesejados. Na jurisprudência do Reino Unido e do Canadá, mudar atitudes públicas a respeito de um comportamento é aceito como uma das funções chave de leis que as proíbem. O meio mais efetivo para a "engenharia social" é através de mídia de massas e especialmente televisão. Governos também influenciam comportamento através de incentivos e desincentivos através de políticas econômicas e fiscais, e tem feito isso por séculos.

Na prática, chamar uma política de "engenharia social" é frequentemente uma questão de intenção. O termo é mais frequentemente empregado na política de direita, como uma acusação contra quem propõe usar leis, políticas fiscais e outros tipos de influência política para mudar relações de poder vigentes, como entre homens e mulheres, ou entre diferentes grupos étnicos[carece de fontes?]. Políticos conservadores norte-americanos têm acusado seus oponentes de fazer engenharia social através da promoção do politicamente correto, na medida em que isso possa mudar atitudes ao definir linguagem ou atos como "aceitáveis" ou "inaceitáveis".

Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.