Epsilon Crucis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ε Crucis
Dados observacionais (J2000)
Constelação Crux
Asc. reta 12h 21m 21,6s[1]
Declinação -60° 24′ 04,1″[1]
Magnitude aparente 3,59[1]
Características
Tipo espectral K3.5 III[1]
Cor (U-B) 1,63[2]
Cor (B-V) 1,42[2]
Variabilidade Irregular[3]
Astrometria
Velocidade radial −4,6 km/s[1]
Mov. próprio (AR) −170,93 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) 91,67 mas/a[1]
Paralaxe 14,19 ± 0,17 mas[1]
Distância 230 ± 3 anos-luz
70,5 ± 0,8 pc
Magnitude absoluta −0,63 ± 0,09[4]
Detalhes
Massa 1,42 ± 0,22[4] M
Raio 32,9 ± 2,5[4] R
Gravidade superficial 1,52 ± 0,11 cgs (log g)[4]
Luminosidade 330[3] L
Temperatura 4 148[4] K
Metalicidade −0,10 [Fe/H][4]
Idade 2,83 ± 1,20 bilhões[4] de anos
Outras denominações
Intrometida, CD-59 4221, FK5 2989, HR 4700, HD 107446, HIP 60260, SAO 251862.[1]
Epsilon Crucis
Crux constellation map.svg

Epsilon Crucis (ε Cru, ε Crucis), também conhecida como Intrometida, é a quinta estrela mais brilhante da constelação de Crux,[3] com uma magnitude aparente de 3,59.[1] De acordo com medições de paralaxe, está a cerca de 230 anos-luz (70,5 parsecs) da Terra.[1]

Epsilon Crucis é uma gigante laranja com um tipo espectral de K3.5 III[1] e temperatura efetiva de 4 148 K,[4] o que significa que já passou pelo estágio de sequência principal e consumiu todo o hidrogênio em seu núcleo. É uma estrela muito maior que o Sol, com 1,4 vezes a massa do Sol, 32,9 vezes o raio solar[4] e 330 vezes sua luminosidade.[3] É também uma estrela variável irregular cuja magnitude varia entre 3,4 e 4,0 com nenhum período conhecido.[3] Não possui estrelas companheiras.[5]

Epsilon Crucis aparece na bandeira de vários países como uma das estrelas do Cruzeiro do Sul. Na bandeira do Brasil representa o estado do Espírito Santo.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l SIMBAD query result - eps Cru SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Página visitada em 1 de maio de 2014.
  2. a b Johnson, H. L. et al. (1966). "UBVRIJKL photometry of the bright stars". Communications of the Lunar and Planetary Laboratory 4 (99). Bibcode1966CoLPL...4...99J.
  3. a b c d e Kaler, James B. EPS CRU (Epsilon Crucis) Stars.. Página visitada em 1 de maio de 2014.
  4. a b c d e f g h i da Silva, L. et al. (novembro de 2006), "Basic physical parameters of a selected sample of evolved stars", Astronomy and Astrophysics 458 (2): 609–623, doi:10.1051/0004-6361:20065105, Bibcode2006A&A...458..609D 
  5. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (setembro de 2008), "A catalogue of multiplicity among bright stellar systems", Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 389 (2): 869–879, doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x, Bibcode2008MNRAS.389..869E. 
  6. Astronomy of the Brazilian Flag FOTW Flags Of The World website. Página visitada em 3 de maio de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.