Equimose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Abril de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Equimose é uma infiltração de sangue na malha dos tecidos com 2 a 3 centimetros de diâmetro. Surge com a ruptura de capilares. Pode suceder uma rubefação ou hiperemia, podendo estar relacionada a trauma ou distúrbios de coagulação.

As que surgem à distância resultam da migração do sangue extravasado ou por aumento da pressão venosa por compressão das veias de drenagem, por exemplo, petéquias em conjuntivas oculares.

  • Petéquias - cabeça de alfinete - desaparecem mais rápido que as demais.
  • Sugilação - confluência de numerosas lesões puntiformes em uma área bem definida - grãos de areia.
  • Sufusão - formada por uma "hemorragia" mais extensa - mantém o centro violáceo e as mudanças de cor ocorrem na periferia.
  • Equimoses espontâneas não se relacionam às contusões, nem possuem sede preferencial. Têm distribuição simétrica no corpo, acompanhadas por outros sinais de doenças hemáticas.
  • Equimoses post-mortem - surgem nas regiões de livores intensos.
  • Nevus azul (pardo-escuro) - deposição congênita de melanina na região sacra - não é equimose.
  • Evolução cromática da equimose - deve-se à progressiva reabsorção da "hemorragia" pela ação dos macrófagos.