Equus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEquídeos
Zebra-da-planície

Zebra-da-planície
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Perissodactyla
Família: Equidae
Género: Equus
Espécies
Ver texto.

Os equídeos são mamíferos ungulados pertencentes à família Equidae e género Equus. O grupo inclui animais importantes para o homem, como o cavalo, o pónei, o asno ou burro, e selvagens como as zebras. São ungulados perissodáctilos com um só dedo funcional, e têm por tipo o cavalo.

Características[editar | editar código-fonte]

Equinos são mamíferos de grande a médio porte, com cabeças e pescoços longos com a crina. Suas pernas são finas e terminam em um casco de ungulados. Eles têm caudas longas e finas; ou terminando num tufo, ou inteiramente coberta de pelos soltos. Eles geralmente são adaptados para abrir terreno, de planícies e savanas, a montanhas e desertos.

O pavilhão auricular (orelhas externa) de equinos são móveis, o que lhes permite localizar facilmente a origem dos sons. Eles enxergam duas cores, ou dicromacia. Seus olhos são muito afastados na cabeça, dando-lhes um amplo ângulo de visão, sem perder totalmente a visão binocular. Os cavalos têm visão de duas cores, ou visão dicromática, que é um pouco como é a cegueira de cor vermelho-verde em seres humanos.[1]

Equinos também tem um órgão vomeronasal, que permite que os homens a usar o reflexo flehmen, para avaliar o estado sexual de potenciais companheiros.

Equinos são um dos dois únicos mamíferos (o outro é o ser humano), capaz de transpirar para o resfriamento termorregulatório[2] , permitindo rápida corrida em longas distâncias.

São herbívoros, e alimentam predominantemente de duros e fibrosos alimentos, como grama e ciperáceas. Quando necessário, eles também vão ingerir outro material vegetal, como folhas, frutos, ou casca, mas normalmente pastam, não vasculham. Ao contrário de ruminantes, com seus estômagos complexos, equinos quebram celulose no "intestino grosso" ou ceco, uma parte do cólon através da fermentação microbial.[3] Sua dentição é quase completa, com incisivos cortadores e molares bem para trás, atrás de um diastema.[4] A fórmula dental para equinos é: Superior: 3.1.3-4.3 / Inferior: 3.1.3.3

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Zebras e cavalos formam rebanhos permanentes. Parque Nacional Etosha, Namíbia

Equinos são animais sociais, que vivem em rebanhos ou bandos. Cavalos, junto com zebras, têm rebanhos permanentes geralmente constituído por um único macho e um harém de fêmeas, com os restantes machos formando pequenos rebanhos de "solteiros". As demais espécies têm rebanhos temporários, durando apenas alguns meses, o que pode ser tanto do mesmo sexo ou mista. Em ambos os casos, há hierarquias claras estabelecidas entre os indivíduos, geralmente com uma fêmea dominante controlando o acesso a comida e água e o macho líder que controla as oportunidades de acasalamento.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As fêmeas, normalmente chamadas de égua em cavalos, geralmente carregam um único potro, depois de um período de gestação de aproximadamente 11 meses. Equinos jovens são capazes de caminhar dentro de uma hora após o nascimento, e são desmamados depois de 4 a 13 meses (potros que vivem em estado selvagem naturalmente desmamam mais tarde do que aqueles domesticados). Dependendo da espécie, as condições de vida e outros fatores, as fêmeas na natureza podem dar à luz a cada ano ou a cada dois anos.[5]

Égua com seu potro. Surrey, Reino Unido

Equinos que não tem potro geralmente têm um sazonal ciclo estral, do início da primavera ao outono. A maioria das fêmeas entram num período de anestro durante o inverno e, portanto, não fazem o ciclo neste período. O ciclo de reprodução é controlada pelo fotoperíodo (comprimento do dia), com o estro desencadeado quando os dias começam a alongar. Anestro impede a fêmea de engravidar nos meses de inverno, no que resultaria em sua parição durante a parte mais dura do ano, num momento em que seria mais difícil para o potro sobreviver.[6] No entanto, equinos que vivem perto do equador, onde há menos mudança na duração do dia de época para época, não têm período de anestro, pelo menos em teoria.[7] Além disso, por razões que não são claras, cerca de 20% das éguas domésticas no Hemisfério Norte farão o ciclo o ano todo.[7]

Espécies existentes[editar | editar código-fonte]

Subgênero ** Asinus

Todas as espécies e subespécies[editar | editar código-fonte]

Espécies extintas estão marcadas com †

Referências

  1. Mc, DonnellSue (1° de junho de 2007). In Living Color.
  2. McDonald RE, Fleming RI, Beeley JG, et al.. (2009). "Latherin: A Surfactant Protein of Horse Sweat and Saliva". PLoS ONE 4 (5): e5726. DOI:10.1371/journal.pone.0005726. PMID 19478940.
  3. Williams, Carey A.,Ph.D., Extension Specialist. "The Basics of Equine Nutrition" from FS #038, Equine Science Center, Rutgers University, Revised: April 2004. Acessado em 21 de fevereiro de 2014
  4. Patricia Pence (2002), Equine Dentistry: A Practical Guide, Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, ISBN 0-683-30403-8, http://books.google.com.au/books?id=o4KVGceXBNIC&printsec=frontcover&dq=%22Equine+dentistry%22&cd=1#v=onepage&q&f=false 
  5. Macdonald, D.. The Encyclopedia of Mammals. Nova York: [s.n.], 1984. 482–485 p. ISBN 0-87196-871-1
  6. Ensminger, M. E. Horses and Horsemanship: Animal Agriculture Series. Sixth Edition. Interstate Publishers, 1990. ISBN 0-8134-2883-1 p. 156
  7. a b Eilts, Bruce E. "Aberrations of the Equine Estrous cycle,"
  8. a b Don E. Wilson & DeeAnn M. Reeder. Mammal Species of the World. A Taxonomic and Geographic Reference. 3ª ed. [S.l.]: Johns Hopkins University Press, 2005. Capítulo: Equus caballus. , Página visitada em 22 de agosto de 2013.
  9. a b Don E. Wilson & Reeder DeeAnn M.. msw3/browse.asp? s = y & id = 14100004 espécies de mamíferos do mundo. A taxonômica e referência geográfica. 3ª ed. [S.l.]: Johns Hopkins University Press, 2005.
  10. Orlando, L.; et al. (2008). "Ancient DNA Clarifies the Evolutionary History of American Late Pleistocene Equids" 66 (5): 533-538. DOI:10.1007/s00239-008-9100-x. PMID 18398561.
  11. "" 3. DOI:10.1371/journal.pbio.0030241. PMID 15974804.
  12. NPS (National Park Service) (Março 1993). Hagerman Horse (em Inglês).
  13. a b c Augusto Azarolli. (19 de fevereiro de 1992). "Ascent and decline of monodactyl equids: a case for prehistoric overkill" (em Inglês). Annales Zoologici Fennici 28: 155-156. Helsinski, Finlândia: Finnish Zoological Publishing Board. ISSN 0003-455x.
  14. Björn Kurtén e Elaine Anderson. Pleistocene Mammals of North America (em Inglês). 1ª ed. [S.l.]: Columbia University Press, 1980. p. 290. ISBN 0231037333
  15. Björn Kurtén e Elaine Anderson. Pleistocene Mammals of North America (em Inglês). 1ª ed. [S.l.]: Columbia University Press, 1980. p. 289. ISBN 0231037333

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Equus


Translation arrow.svg
Este artigo foi traduzido de uma versão noutra língua (versão original). Você pode continuar traduzindo ou colaborar em outras traduções.
Ícone de esboço Este artigo sobre perissodáctilos, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.