Era Hiboriana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa da Era Hiboriana.

A Era Hiboriana foi criada pelo autor Robert E. Howard, como o cenário pós-Atlântida de suas histórias acerca de Conan o Bárbaro[1] , construídas para se encaixar com os contos anteriores - e um tanto menos conhecidos - de Kull. Este último também foi criado por Howard, e seu reino tomava lugar na Atlântida.[2] O nome "Hiboriano" é uma contração do conceito grego de Hiperbórea, literalmente "Terra-Super-Nortista". Era um lugar mítico situado no norte distante, onde não havia frio (apesar de sua alta latitude) e onde a vida não se envelhecia.

A Era Hiboriana de Howard, descrita em detalhes em sua dissertação A Era Hiboriana (The Hyborian Age), publicada em The Coming of Conan the Cimmerian ("A Vinda de Conan o Cimério") em 2003, é a realização dum tempo mítico que tomara lugar antes de qualquer civilização conhecida pelos atuais antropólogos. Localizava-se na Europa e na África do Norte - com curiosas mudanças geológicas arquitetadas anteriormente à ascensão da teoria geológica das placas tectônicas, apesar de se parecerem com o que se é teorizado por geólogos hoje em dia como a Pangeia.[2] Estes acreditam que durante a Idade do Gelo a Europa era bastante diferente. O Mar Mediterrâneo houvera secado intermitentemente, alternando cheias e secas sobre o estreito de Gibraltar. Em certo ponto havia uma língua de terra que unia a península ao continente, através do Canal Inglês, entre a Inglaterra e os Países Baixos (mas não através do Mar da Irlanda), de tal forma que o Tames transbordou, alcançando uma extensão nortista do Reno. E ambos os mares Báltico e Negro haviam sido, certa feita, lagos de água fresca - o primeiro (então chamado de Mar Ancilo, devido a castanholas, um tipo de molusco encontrado no local) cobrindo grande parte da metade oriental do que é agora a Suécia.

No mapa desenhado por Howard, o modo como interpreta o Mar Mediterrâneo também o mostra seco. O Nilo, chamado pelo autor de Rio Styx, desce até certo ponto, onde vira em noventa graus, seguindo um curso em direção ao oeste logo após o Delta do Nilo, abrindo caminho através das montanhas de forma que consiga alcançar o estreito de Gibraltar. Apesar de que seu Mar Negro também se mostre seco, o Mar Cáspio, chamado de Mar Vilayet, estende-se ao norte até alcançar o Oceano Ártico, provendo uma barreira que encapsula o cenário de suas histórias. Não apenas estão secos o Mar Báltico e o Canal Inglês, como também a maior parte do Mar do Norte e uma vasta região ocidental, incluindo a Irlanda. Enquanto isso, a costa oeste da África, de acordo com seu mapa, encontra-se submersa no mar. Há também algumas ilhas, lembranças de Açores. Porém, suas histórias não estão relacionadas a táticas navais.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Esta é uma cronologia elaborada com base no que se pôde apreender do livro GURPS Conan[3] , referente ao período pré-cataclismico até os fins da Era Hiboriana, conforme concepção de Robert. E. Howard e autores posteriores. As datas são aproximadas devido à imprecisão como o tema foi abordado ao longo dos anos e sofre influências de diversos autores e intérpretes recentes. Outras cronologias são possíveis, se considerarmos os quadrinhos[4] . Para orientação, podemos fazer um corte geográfico, do oeste para o leste: Ilhas Antilhanas - Ilha de Atlântida - Ilhas Pictas - continente Thuriano - Ilha da Lemúria - continente Mayapan. É possível que à oeste de Mayapan e ao sul de Vendhya e à leste dos Reinos Negros (estes dois situados em Thuran, correspondendo à Índia e à África, respectivamente), houvesse um outro continente, chamado Mu.


[datação desconhecida] Era Mayapan:

  • Diáspora Khari: no centro do continente Mayapan (o equivalente à américa), havia o império Khari. Os Khari foram expulsos, indo habitar a costa oeste do continente Thuriano.
  • Migração de povos humanos de thuran para Atlântida e Ilhas Pictas.
  • Civilizações de Mayapan: passam sucessivamente por um período de decadência, seguido de uma segunda ascensão e da decadência ou queda final.
  • Após a decadência final de Mayapan as colônias das Ilhas Pictas e Atlantes iniciam uma fase de ascensão.


[~18.000 a.C.] Era Atlante:

  • Ascensão de três impérios: Atlântida (o maior), os povos do continente Thuriano (no centro nascem os reinos nativos de Kamelia, Valúsia (Rei Kull), Verulia, Gronda, Thule e Commoria; ao leste o enclave picto e atlante; e, ao sul, o povo serpente), e a Lemúria (rival de Atlântida).
  • Atlântida coloniza o leste de Thuran.
  • Expansão picta sobre Thuran, constituindo um pequeno enclave.
  • Ascensão dos reinos centrais Thurianos.


[~14.000 a.C.] Primeiro Grande Cataclismo


[~14.000 a.C.] Era Thuriana:

  • Submersão de Atlântida/Lemúria e mudanças geográficas em Thuran.
  • Queda dos reinos Thurianos da era atlante. Continente tomado por disputas entre tribos selvagens de pictos e atlantes.
  • Diáspora lemuriana para o império Khari, a leste Thuran. Lemurianos escravizados pelos Khari.
  • 12.500 a.C.: revolta lemuriana na Khari Thuriana.
  • Fuga Khari para o oeste, fundando os impérios de Acheron (antiga Aquilônia, Nemédia e Argos, uma espécie de império romano), Hiperbórea (a ancestral. Atuais Koth, Shem e Ophir) e Stygia.


[~12.000 a.C.] Era Hiboriana:

  • 12.000 - 11.000 a.C.: invasões hiborianas, queda de Acheron e Hiperbórea.
  • 11.500 a.C.: fundação das nações Hibori.
  • 10.500 a.C.: invasão hirkaniana (os antigos lemurianos que se revoltaram contra os Khari); fundam império de Turan no Vilayet; miscigenação com hiborianos, reinos hiborianos.
  • 10.000 a.C.: o tempo de Conan.


[9.500 a.C.] Segundo Grande Cataclismo

  • O novo cataclismo marca o fim da era hiboriana.
  • Nasce o mundo como nós o conhecemos.

Correspondências[editar | editar código-fonte]

Nesse cenário geral, Howard colocou reinos imaginários aos quais deu nomes a partir de uma série variada de fontes. Khitai seria a China, longe ao leste, derivada dum nome antigo; Coríntia seria uma civilização de aspecto grego, um nome tomado a partir da cidade de Corinto e da província de Caríntia na Idade Média. Os Pictos ocupam uma imensa área a noroeste. As correspondências mais prováveis entre o mundo Hibórico fictício de Howard e o mundo atual estão listadas abaixo. Note, porém, que essas correspondências são às vezes bastante vagas, e retratadas através de estereótipos anistóricos.

Tabela de Correspondências
Reino, Região, ou Grupo Étnico Correspondência(s)
Aqueronte Um reino tombado, correspondente ao Império Romano. Seu território cobria a Aquilônia, Nemédia e Argos. O nome vem de Aqueronte, um rio do mundo dos mortos da mitologia grega.
Afghulistão Afeganistão. O Afghulistão é o nome comum do habitat de diferentes tribos nas montanhas Himelianas.
Amazônia Região de guerreiras amazonas
Aquilônia O Império Carolíngio, a França medieval, com exemplos ocasionais da Inglaterra. O nome é derivado da cidade de Aquilônia, em Avellino, na região de Campânia, ao sul da Itália, apesar de se parecer com Aquitânia, uma região francesa governada pela Inglaterra por longa parte da Idade Média. Também apresenta semelhanças com o antigo Império Romano.
Argos Vários comerciantes navegadores do Mediterrâneo. O nome vem de Argo, a nau dos Argonautas; ou talvez da cidade de Argos, na Argólida, uma região do Peloponeso na Grécia. Também há a possibilidade de ser a Itália, em detrimento dos nomes e cultura de sua população indígena. Argos toma a forma de um "calçado", comparando-se à "bota" italiana.
Asgard Suécia (Asgard (pronunciada ásgard) ou Aesgaard (grafia geralmente preferida da editora Marvel Comics) é a terra dos Æsir na mitologia nórdica)
Reino da Fronteira Costa do Mar Negro alemão
Pântanos Bossonianos País de Gales, revestido pela América do Norte quando colônia.
Britúnia Pátrias continentais dos anglos e dos saxões que invadiram a Bretanha, de onde deriva o nome, apesar de sua civilização parecer-se com aquela da Polônia, Lituânia e Letônia medievais.
Ciméria Bretanha/Escócia celta da antigüidade. O nome baseia-se no termo "Cymru", palavra galesa para o seu próprio país, (o País de) Gales. Conan, um cimério, possui um nome irlandês, bem como seus pais. Cimérios são descritos de forma similar aos "irlandeses negros".
Corinthia Grécia Antiga (Corinto é uma cidade grega)
Darfar O nome deriva de Darfur, no Sudão.
Gunderlândia Os Países Baixos (Gunderlândia, conde de Hesbaye (?-778 d.C.))? Talvez a Alemanha.
Hirkânia Mongólia, Ucrânia (Hirkanianos = cítios -> Hircânia).
Hiperbórea Finlândia, Rússia e os Países Bálticos (a Hiperbórea era uma terra situada no extremo norte, de acordo com o historiador grego Heródoto. A Hiperbórea de Howard é um império maligno, situado também ao extremo norte, governado por feiticeiros malévolos, talvez de caráter semelhante à percepção da União Soviética da década de 1930).
Iranistão Irã
Kambuja Camboja
Keshan O nome vem de "Kesh", nome egípcio de Núbia.
Khauran O Reino Latino de Jerusalém
Khitai China, a Catai de Marco Polo. A Kira-Khitai foi uma tribo prominente entre as outras tribos das estepes da Mongólia.
Khoraja Cazária
Koth Antigos hititas; A capital kothiana de Khorshemish corresponde à capital hitita Carquemis.
Cuche Reino de Cuche, Núbia, na África do Norte.
Lemúria Japão.
Meru Tibete (este país não figurava na criação hiboriana original de Howard, sendo uma invenção posterior de L. Sprague de Camp e Lin Carter.)
Mu Corresponderia às lendas do continente perdido da Lemúria (no nosso mundo real). Ver James Churchward e Mu.
Nemédia O Sacro Império Romano-Germânico. Nemédia era rival da Aquilônia (que corresponde ao Império Carolíngio/França) e dependia de mercenários Aesir para se defender (uma vez que os bizantinos contratavam vikings para sua guarda Varangiana). O nome vem de Nemed, líder dos colonizadores da Cítia na Irlanda na mitologia irlandesa; talvez o nome também faça alusão a Neméia, local de origem do famoso leão da Nemeia da mitologia grega.
Ophir Ophir antiga, apesar de que Howard claramente situou a região nalgum lugar da Itália.
Sertões Pictos Escócia da época picta, recoberta pela América do Norte da época colonial - possivelmente pela própria Nova Iorque dessa mesma época. Howard confere nomes algonquinos aos pictos. Note que o nome "picto" vem do termo latino "pintado" (cf. inglês picture, "foto"), que poderia ter relação indireta com os ameríndios.
Poitain Aquitânia (?) (provável, apesar do nome lembrar "Poitou", uma província a nordeste da Aquitânia, mas não mediterrânea, e não propriamente pertencente à parte sul). Sua localização no sul da Aquilônia poderia apontar para Provença, ao sul da França.
Punt Punt, no Corno da África.
Shem Mesopotâmia, Síria, Palestina e Arábia (cf. Semitas, os filhos de Shem)
Stygia Egito. O nome vem de Styx, um rio no submundo da mitologia grega. Em tempos remotos, o território da Stygia incluía Shem, Ophir, Corinthia e parte de Koth.
Turan O Império Otomano (?), o Império Persa (?) ou o Império Bizantino (?). O nome deriva de Turã, áreas da Eurásia ocupadas pelos falantes das línguas uralo-altaicas.
Vanaheim Noruega (Vanaheim é a morada dos Vanir na mitologia nórdica).
Vendhya Índia (A Cordilheira Vindhya é uma cadeia de montes na Índia central).
Zamora O povo Rom. O nome vem da cidade de Zamora, na província de Zamora, Castela e Leão, Espanha, fazendo alusão aos ciganos da Espanha; ou talvez o nome provenha da palavra "Rom". O nome também pode estar relacionado a Sonora, uma região do México "assombrada por aranhas", como a Zamora de Howard. Há outras possibilidades de alusão a Israel e à Palestina.
Zembabwei O Império Monomotapa (sua capital é a Grande Zimbabwe)
Zíngara Península Ibérica. Zíngara é como se diz "cigana" em italiano.
Outras Características Geográficas
Rio Styx O Nilo. É o nome do principal rio do mundo dos mortos na mitologia grega.
Rio Zaporoska O Don e/ou o Volga. O nome do rio provavelmente obteve influências de Zaporizhian Sich, uma colônia de cossacos em Zaporizhzhia. Situava-se no rio Dniepre, abaixo dos rápidos do Dniepre (porohy, poroza), daí o nome, traduzido como "território além dos rápidos".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rippke, Dale (2004-05-16). his review of the novel R. E. Howard of Venarium a.k.a. BRAVEHEART meets PSYCHO: A critique of Conan of Venarium] Moonblossom Creations.
  2. a b Eduardo Spohr (30/07/2006). Conheça as semelhanças entre as histórias de J.R.R. Tolkien e de Robert E. Howard. Página visitada em 25/10/2013. Cópia arquivada em 18/11/2006.
  3. CURTIS M. SCOTT, GURPS Conan, São Paulo, Devir, 1997.
  4. http://www.joaogil.ideology.com.br/conan-2.php ou http://contosderpg.wordpress.com/2007/10/12/cronologia-da-era-hiboriana/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]