Érlon Chaves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Erlon Chaves)
Ir para: navegação, pesquisa
Erlon Chaves
Informação geral
Nascimento 9 de dezembro de 1933
Origem São Paulo
País  Brasil
Data de morte 14 de novembro de 1974 (40 anos)
Gênero(s) MPB
Instrumento(s) Pianista
Período em atividade Maestro, Arranjador cantor
Gravadora(s) Continental, Philips, Fontana Records
Afiliação(ões) Banda Veneno

Erlon Chaves (São Paulo, 9 de dezembro de 193314 de novembro de 1974) foi um maestro, arranjador, pianista e cantor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira de cantor apresentando-se em um programa infantil da rádio Difusora de São Paulo, cantando, quando era muito menino. Foi ator mirim no filme Quase no céu. Começou seus estudos de música no Conservatório Musical Carlos Gomes, se formando em piano no ano de 1950. Estudou canto e harmonia, sendo orientado pelos maestros Luís Arruda Paes, Renato de Oliveira e Rafael Pugliese.

Com a versão do calipso Matilda de Harry Belafonte, fez sucesso no final dos anos 1950.

Trabalhou na TV Excelsior - canal 9, de São Paulo. Em 1965, foi para o Rio de Janeiro, indo para a TV Tupi - Canal 6 e a TV Rio - canal 13. Foi diretor musical da TV Rio, sendo um dos responsáveis e autor do Hino do Fic, música de abertura do Festival Internacional da Canção, em 1966. Em 1968 acompanhou a cantora Elis Regina, que iria se apresentar no Olympia, de Paris.

Em 1970, durante o V Fic, transmitido pela TV Globo, regeu um coral de quarenta vozes, que mais tarde passou a chamar-se Banda Veneno, que acompanhou Jorge Ben ou Jorge Ben Jor. Cantou a canção Eu também quero mocotó, que estava fazendo sucesso; e foi acusado de assédio moral após uma cena em que é beijado por diversas loiras em apresentação na etapa internacional. Foi acusado pela ditadura militar brasileira. Neste festival estava presente o presidente da república, general Emílio Garrastazu Médici.

A imagem do povo brasileiro feliz seria veiculada para o mundo, em cores para a Europa e Estados Unidos da América. A ditadura militar brasileira não deixa dúvida, queria manter música e o espetáculo deste festival em prol da imagem que deveria ser painel para o mundo. Nesta época, Erlon Chaves estava namorando a então Miss Brasil de 1969, Vera Fischer.

Erlon Chaves faleceu de infarto fulminante quando discutia (dizem que defendia) com um grupo de forma emocionada a polêmica em torno dos acontecimentos com o Wilson Simonal, aos 40 anos.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1959 - Em tempo de Samba - Erlon Chaves e sua orquestra
  • 1965 - Sabadabada
  • 1965 - Alaíde Costa - participação como arranjador
  • 1971 - Banda Veneno
  • 1972 - Erlon Chaves e sua Banda Veneno Internacional, Vol. 1
  • 1973 - Erlon Chaves e sua Banda Veneno Internacional, Vol. 2
  • 1973 - Erlon Chaves e sua Banda Veneno Internacional, Vol. 3
  • 1974 - Erlon Chaves e sua Banda Veneno Internacional, Vol. 4
  • 1974 - Erlon Chaves e sua Banda Veneno Internacional, Vol. 5
  • 2002 - Erlon Chaves - Sabadabada (1965, Continental/Warner Remaster)

Coletânea[editar | editar código-fonte]

  • 1999 - Millennium: Erlon Chaves - Universal Music - reedição de suas gravações.

Temas de telenovelas[editar | editar código-fonte]

  • 1966 - O Sheik de Agadir, da TV Globo, autor da música tema.
  • 1966 - Eu Compro esta Mulher - música tema.
  • 1970 - Pigmalião 70 da TV Globo. Na trilha sonora da novela consta a participação de Erlon Chaves e orquestra, nas músicas Tema de Cristina, Tema de Nando e Candinha e Povos, todas de autoria do maestro.

Tema de filme[editar | editar código-fonte]

Destaque[editar | editar código-fonte]

  • 1973 - As dez canções medalha de ouro - Erlon Chaves e Paul Mauriat

Gravação feita só com músicas brasileiras, escolhidas pelo público no programa do apresentador Flavio Cavalcanti. As músicas escolhidas foram Casa no campo (Tavito/Zé Rodrix), Amada amante (Erasmo Carlos/Roberto Carlos), Preseda (Jocafi/Antônio Carlos), Naquela mesa (Sérgio Bittencourt), Viagem (João de Aquino/Paulo César Pinheiro), Dona Chica - (Francisca Santos das Flores/Dorival Caymmi), Águas de março (Tom Jobim), Como 2 e 2 (Caetano Veloso), Construção (Chico Buarque) e Testamento (Toquinho/Vinícius de Moraes).

Amigos[editar | editar código-fonte]

Erlon Chaves era amigo de Wilson Simonal, Jairzinho e de Carlos Alberto. Sempre estiveram juntos e se reuniam para conversar. Os dois últimos são campeões da Copa do Mundo de 1970, do México.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]