Ernesto Augusto, Duque de Iorque e Albany

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eduardo Augusto
Duque de Iorque e Albany
Casa Hanôver
Pai Ernesto Augusto, Eleitor de Hanôver
Mãe Sofia de Hanôver
Nascimento 17 de setembro de 1674
Osnabruque, Principado Episcopal de Osnabruque, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 14 de agosto de 1728 (53 anos)
Osnabruque, Principado Episcopal de Osnabruque, Sacro Império Romano-Germânico
Religião Luteranismo

Ernesto Augusto, Duque de Iorque e Albany (Osnabruque, 17 de setembro de 1614 – Osnabruque, 14 de agosto de 1728) foi o último filho de Ernesto Augusto, Eleitor de Hanôver, e sua esposa Sofia de Hanôver, sendo o irmão mais novo do rei Jorge I da Grã-Bretanha. Foi um militar e serviu com distinção sob o imperador Leopoldo I do Sacro Império Romano-Germânico durante a Guerra dos Nove Anos e a Guerra da Sucessão Espanhola.

Nascimento[editar | editar código-fonte]

Ernesto Augusto o sexto filho e sétima criança de Ernesto Augusto, Eleitor de Hanôver e Sofia de Hanôver.[1] Seus avós paternos foram Jorge de Brunsvique-Luneburgo e Ana Leonor de Hesse-Darmstadt. Seus avós maternos eram Frederico V, Eleitor Palatino e Isabel Stuart.

Educação[editar | editar código-fonte]

Sua educação seguiu os costumes da época, por que os príncipes alemães eram esperados para viajar para cortes estrangeiras para fazer contatos e aprender a estabelecer relações diplomáticas. No verão de seu 20 º ano, ele visitou a corte francesa em Versalhes via Amsterdã. Enquanto estava lá, ele completou 20 anos.[2]

Soldado[editar | editar código-fonte]

Após sua visita à França, ele trilhou o caminho bem-visto para os jovens príncipes alemães da época e serviu como um soldado. Seus interesses familiares estavam alinhados com os de Leopoldo I, Sacro Imperador Romano-Germânico e por isso ele lutou novamente contra os franceses na Guerra dos Nove Anos, e esteve presente na Batalha de Landen em 1693. Ele continuou a sua carreira militar durante a Guerra da Sucessão Espanhola e esteve ativamente envolvido no Cerco de Lille (1708).[2]

Jorge I[editar | editar código-fonte]

Após a morte de seu pai, Jorge herdou todas as suas terras e títulos, incluindo o de eleitor. Seu pai, havia alterado as tradições familiares de herança de ultimogenitura para primogenitura. Ao contrário de seus quatro irmãos mais velhos, Ernesto não se opôs a esta mudança e, conseqüentemente, ele se dava bem com seu irmão mais velho Jorge, que confiava nele. Ele era um membro proeminente da corte do seu irmão em Herrenhausen , em Hanôver, recebendo os visitantes diplomáticos e tendo um papel ativo nos interesses culturais da corte. Sua influência pode ter ajudado a garantir a posição de Kapellmeister na corte.[2]

Frederico[editar | editar código-fonte]

Com a ascensão de Jorge ao trono britânico, Jorge se mudou para Londres e Ernesto continuou na Alemanha como o membro sênior da família em Brunsvique-Luneburgo e assumiu o dever de cuidar do neto de sete anos de Jorge, Frederico, que era filho de Jorge, Príncipe de Gales. Frederico foi deixado na Alemanha como um movimento diplomático, para tranquilizar a população e todos os estados vizinhos ambiciosos do compromisso contínuo da família para suas terras alemãs.

Príncipe-Bispo de Osnabruque[editar | editar código-fonte]

Após a morte de Carlos José de Lorena em 1715, foi a vez de um protestante se tornar Príncipe-Bispo de Osnabruque. Agora que seu irmão era o rei da Grã-Bretanha, não foi considerado prático para Jorge seguir os passos de seu pai e assumir o título de Príncipe-Bispo, por isso o título foi passado para Ernesto.

Duque de York e Albany[editar | editar código-fonte]

Em 1716, Ernesto visitou a Inglaterra, onde, em 29 de junho de 1716, ele foi criado Duque de Iorque,Albany e Conde de Ulster.[3]

Em 30 de abril de 1718, ele foi criado um Cavaleiro da Ordem da Jarreteira, juntamente com seu sobrinho-neto Frederico, mais tarde o príncipe de Gales.[4]

Morte[editar | editar código-fonte]

Ele morreu em Osnabruque em 14 de agosto de 1728 e foi enterrado lá. Ernesto nunca se casou e, após sua morte, seus títulos britânicos e irlandeses se tornaram extintos.

Referências

  1. "A Paz de Vestfália (1648) havia estipulado que o bispado de Osnabruque, um principado dentro do Sacro Império Romano-Germânico, deveria alternar entre um prelado católico e um príncipe protestante, e os bispos protestantes eram governantes seculares em vez de clérigos".(Kilburn 2005)
  2. a b c Kilburn, Matthew (May 2005). "Ernest Augustus, Prince, duke of York and Albany (1674–1728)". Oxford Dictionary of National Biography. Oxford University Press. DOI:10.1093/ref:odnb/8839. 
  3. "Esses títulos já haviam sido usados por Jaime II, durante o reinado de seu irmão Carlos II", segundo Kilburn
  4. Vian, Alsager Richard, Ernest Augustus (1674-1728) in Dictionary of National Biography, volume 17, pages 393

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Carlos José de Lorena
Príncipe-Bispo de Osnabruque
1715 - 1728
Sucedido por
Clemente Augusto da Baviera