Escândalo de apostas no futebol europeu em 2009

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Escândalo de apostas no futebol Europeu em 2009 foi uma tentativa de influenciar nos resultados de jogos de futebol realizados na Europa, com o objetivo de fraudar a indústria de apostas.

Há uma grande investigação policial, iniciada na cidade alemã de Bochum, que procura esclarecer as fraudes. As investigações estão centradas em torno de duzentos jogos, de campeonatos nacionais de nove países europeus (Alemanha, Bélgica, Suíça, Croácia, Eslovénia, Turquia, Hungria, Bósnia e Herzegovina e Áustria). A investigação também envolveu doze jogos das Eliminatórias da UEFA Europa League, e três da UEFA Champions League. Peter Limacher, um porta-voz do órgão que rege o futebol europeu, descreveu-o como "o maior escândalo de manipulação que atingiu a Europa".[1]

"A UEFA vai exigir sanções mais duras nos tribunais competentes para quaisquer indivíduos, clubes ou funcionários que estejam implicados nesta prática, tanto na justiça desportiva quanto na comum."
Secretário Geral da UEFA Gianni Infantino, 20 de Novembro de 2009

Fundo[editar | editar código-fonte]

Têm havido várias investigações de manipulação de resultados no futebol europeu no século XXI. Dentre os principais estão o escândalo de 2005 da Bundesliga onde o árbitro Robert Hoyzer ajudou a influenciar os resultados das partidas, e o escândalo do futebol italiano em 2006, que culminou no rebaixamento da Juventus à Série B pela primeira vez em sua história, após ser declarado culpado na acusação de suborno de árbitros.

A UEFA revelou em Março de 2009 que havia acusações contra um clube europeu não identificado, que mais tarde foi divulgado ser o FK Pobeda, da Macedônia. O Pobeda foi considerado culpado de manipulação de resultados em um empate contra o clube armênio Pyunik em 2004. Por isso o clube foi proibido de participar de qualquer competição europeia por oito anos, além de o presidente do clube Aleksandar Zabrcanec e o ex-capitão Nikolce Zdravevski serem banidos do futebol europeu para o resto da vida. O presidente da UEFA Michel Platini revelou que a entidade vem intensificando os esforços para erradicar a manipulação de resultados.

Investigação e as prisões

A fraude foi descoberta através de escutas telefônicas em atividades de combate ao crime organizado e foi investigado pelo Serviço do Ministério Público de Bochum, Alemanha. Em 19 de novembro de 2009, uma série de ataques foram realizados no Reino Unido, Alemanha, Suíça e Áustria, em relação à investigação de apostas. O resultado foi na prisão de 15 pessoas em uma ação Alemanha, e mais 2 pessoas na Suíça em uma ação que também apreendeu dinheiro e bens.

Jogos sob investigação[editar | editar código-fonte]

Todas as partidas sob investigação foram disputados em 2009.[2]

Concorrência ou país Número de jogos manipulados
Liga dos Campeões da UEFA 3 jogos
Liga Europa da UEFA 12 jogos
Futebol na Alemanha 32 jogos, sendo 4 jogos da segunda divisão; 3 jogos da terceira divisão; 18 jogos da divisão regional; 5 jogos da Oberliga; e 2 partidas do sub-19
Futebol na Bélgica 17 jogos
Futebol na Suíça 22 jogos
Futebol na Croácia 14 jogos
Futebol na Eslovénia 7 jogos
Futebol da Turquia 29 jogos
Futebol da Hungria 13 jogos
Campeonato Bósnio de Futebol (Bósnia e Herzegovina) 8 jogos
Futebol na Áustria 11 jogos
Campeonato Europeu de Futebol Sub-21 quantidade indefinida

Referências

  1. Escândalo de apostas coloca sob suspeita 200 partidas de futebol na Europa Deutsche Welle (20 de novembro de 2009). Visitado em 24 de novembro de 2009.
  2. [1] Jornal O Estado de S. Paulo, sexta-feira, 20 de novembro de 2009, 14h15min (UTC).