Escândalo dos Correios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O chamado escândalo dos Correios ocorreu em maio de 2005, no Brasil, após denúncias de irregularidades praticadas na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

A crise iniciou-se quando uma fita de vídeo que mostrava um ex-funcionário dos Correios e Telégrafos, Maurício Marinho, negociando propina com um suposto empresário interessado em participar de uma licitação, e mencionando ter o respaldo do deputado federal Roberto Jefferson, do PTB do Rio de Janeiro.

A fita foi gravada por Joel Santos Filho comandado pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira, esse advogado curitibano que, fazendo-se passar por empresário com a unica intenção de criar embaraços às autoridades e assim plantar alguém de seu grupo na diretoria dos Correios, cuja mão aparece no vídeo, flagra Maurício Marinho não apenas recebendo dinheiro para fim de licitação fraudulenta, mas ainda sugerindo a existência de esquema de corrupção proveniente de políticos. O objetivo da gravação, sem sentido, foi o de denunciar a corrupção para assim conseguir desmantelar um sistema de propina para implantar outro e como ninguém fez questão de investigar, até agora , ficou óbvio a veja que agiu sob a batuta de Cachoeira a quem Policarpo Junior, editor da veja em Brasília respondia. Os dados acima editados podem ser conferidos na versão original do relatório da CPI do Cachoeira.

Jefferson inicialmente, mencionado pelo funcionário (concursado) dos correios, a principio negou sua participação na corrupção interna da empresa, porém, quando pressionado, pensando ter sido 'rifado' pelo PT e ignorando a armação de Cachoeira, denunciou outro esquema de corrupção que o deputado do PDT Miro Teixeira ,chamava de mensalão, revelação que levou à eventual descoberta de outro esquema de corrupção intitulado Valerioduto, ainda mais forte que alimentava o investigado.

Para investigar estas denúncias iniciais, foi criada a CPI dos Correios.

A Polícia Federal investigou o escândalo dos Correios, sendo que o Inquérito Policial, presidido pelo Delegado de Polícia Federal Daniel de A. França dos Anjos indiciou diversas pessoas, inclusive o ex-deputado federal Roberto Jefferson. A revista Veja publicou trechos do Relatório da Polícia Federal e chamou de primorosa a investigação realizada pela PF.

O inquérito policial gerou uma denúncia criminal em que todos os indiciados foram denunciados pelo MPF.

Hoje, 40 indiciados por crimes do Escândalo do Mensalão a partir da CPI dos Correios aguardam julgamento pelo Supremo Tibunal Federal.[1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Denúncia oficial

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.