Escândalo dos Correios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O chamado escândalo dos Correios ocorreu em maio de 2005, no Brasil, após denúncias de irregularidades praticadas na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

A crise iniciou-se quando uma fita de vídeo que mostrava um ex-funcionário dos Correios e Telégrafos, Maurício Marinho, negociando propina com um suposto empresário interessado em participar de uma licitação, e mencionando ter o respaldo do deputado federal Roberto Jefferson, do PTB do Rio de Janeiro.

A fita foi gravada por Joel Santos Filho, advogado curitibano e cuja mão aparece no vídeo, flagra Maurício Marinho não apenas recebendo dinheiro para fim de licitação fraudulenta, mas ainda sugerindo a existência de esquema de corrupção proveniente de políticos. O objetivo da gravação ainda é polêmico pois o autor não denunciou o vídeo. Joel Santos Filho foi contratado para obter provas do privilégio de determinadas empresas em licitacao dos Correios, porém as 4 visitas feitas sendo 3 delas gravadas, nunca foram denunciadas. Somente a ultima gravacao é que foi entregue a Jario Martins (ex agente da Abin e dono da pasta com a camera oculta) que denunciou o video à Veja sem o nome do autor.[1] (Joel Santos Filho lancou uma série de questionamentos em relação à sua prisão e a violação dos seus direitos perante a ação do Poder)

Jefferson inicialmente, mencionado pelo funcionário publico dos correios, Mauricio Marinho, a principio negou sua participação na corrupção interna da empresa, porém, quando pressionado, pensando ter sido 'rifado' pelo PT e ignorando a armação de Cachoeira, denunciou outro esquema de corrupção que o deputado do PDT Miro Teixeira chamava de mensalão, revelação que levou à eventual descoberta de outro esquema de corrupção intitulado Valerioduto, ainda mais forte que alimentava o investigado.

Para investigar estas denúncias iniciais, foi criada a CPI dos Correios.

A Polícia Federal investigou o escândalo dos Correios, sendo que o Inquérito Policial presidido pelo Delegado de Polícia Federal Daniel de A. França dos Anjos, indiciou diversas pessoas, inclusive o ex-deputado federal Roberto Jefferson. A revista Veja publicou trechos do Relatório da Polícia Federal e chamou de primorosa a investigação realizada pela PF.

O inquérito policial gerou uma denúncia criminal em que todos os indiciados foram denunciados pelo MPF.

Hoje, 40 indiciados por crimes do Escândalo do Mensalão a partir da CPI dos Correios aguardam julgamento pelo Supremo Tribunal Federal.[2]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Joel Santos Filho e a gravacao de Mauricio Marinho (2005).
  2. Denúncia oficial

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.