Escala de Kinsey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde junho de 2014).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Escala de Kinsey tenta descrever o comportamento sexual de uma pessoa ao longo do tempo e em seus episódios num determinado momento. Ela usa uma escala iniciando em 0, com o significado de um comportamento exclusivamente heterosexual, e terminando em 6, para comportamentos exclusivamente homossexuais. Muito frequentemente a Escala de Kinsey é simplificada de forma exagerada prevendo apenas heterossexuais, bissexuais e homossexuais de acordo com a monossexualidade, onde temos apenas dois sexos: o macho e a fêmea. Em estudos posteriores, Alfred Kinsey, Wardell Pomeroy et al. publicam os livros Sexual Behavior in the Human Male (1948) e Sexual Behavior in the Human Female (1953), introduzindo também os assexuais.

Introdução à Escala de Kinsey[editar | editar código-fonte]

Kinsey escreveu em tradução livre:

Homens não são representados através de duas populações discretas, heterossexual e homossexual. O mundo não é subdividido em carneiros e cabras. É um fundamento da taxonomia que a natureza raramente pode ser tratada em categorias discretas... O mundo em que vivemos é contínuo em todos e em cada um dos aspectos.

Quando enfatiza-se a continuidade das graduações entre os heterossexuais e homossexuais exclusivos ao longo da história, parece ser desejável desenvolver uma gama de classificações que podem ser amparadas em quantidades relativas de experiências e respostas heterossexuais e homossexuais em cada caso... Um indivíduo pode ser associado numa posição da escala em cada período de sua vida... Uma escala de sete categorias aproxima-se de representar as várias graduações que existem atualmente (Kinsey, et al. (1948). pp. 639, 656)

A escala é representada abaixo:

Nível Descrição
0 Exclusivamente heterossexual
1 Predominantemente heterossexual, apenas eventualmente homossexual
2 Predominantemente heterossexual, embora homossexual com frequência
3 Bissexual
4 Predominantemente homossexual, embora heterossexual com frequência
5 Predominantemente homossexual, apenas eventualmente heterossexual
6 Exclusivamente homossexual
X Assexual


Estudos de Kinsey[editar | editar código-fonte]

  • Homens: 11,6% dos homens brancos, com idade entre 20 e 35 anos puderam ser classificados no nível 3 da escala num período de suas vidas.[1] O estudo também mostrou que 10% dos homens americanos pesquisados ​​eram "mais ou menos exclusivamente homossexuais durante pelo menos três anos entre as idades de 16 e 55" (na faixa de 5 a 6).
  • Mulheres: 7% das mulheres solteiras, com idade entre 20 e 35 anos e 4% de mulheres que já se casaram, com idade entre 20 e 35 anos puderam ser classificadas no nível 3 num período se suas vidas.[2] Entre 2 a 6% das mulheres, com idade entre 20 e 35 anos, puderam ser classificadas no nível 5[3] e entre 1 a 3% das mulheres solteiras com idade entre 20 e 35 puderam ser classificadas no nível 6.[4]

Críticas à Escala de Kinsey[editar | editar código-fonte]

Uma das maiores críticas à escala de Kinsey é que ela não incorpora a transexualidade sendo quase inútil nesses casos. Harry Benjamin propôs, em contrapatrida, a Escala de Orientação Sexual que é muito mais adequada a trangêneros em geral mas que não explica a homossexualidade em si. Existem estudos que cruzam características da Escala de Kinsey com a Escala de Orientação Sexual de Harry Benjamin a fim de obter um diagnóstico mais preciso para indicar tratamentos e/ou cirurgias de resignação de sexo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kinsey, et al. 1948. Sexual Behavior in the Human Male, Table 147, p. 651
  2. Kinsey, et al. 1953. Sexual Behavior in the Human Female, Table 142, p. 499
  3. Ibid, p. 488
  4. Ibid, Table 142, p. 499, and p. 474

Ligações externas[editar | editar código-fonte]