Escala de Turim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Escala de Turim

A escala de Turim é um método para categorizar os perigos que Objectos Próximos da Terra como asteróides e cometas podem provocar.

Esta escala foi criada durante uma convenção astronômica na cidade de Turim e é considerada como uma ferramenta para astrónomos e público em geral. A escala baseia-se nas dimensões do corpo celeste e na probabilidade de colisão e atribui-lhe um nível, que vai do nível 0 (Branco) - Nenhum risco iminente, ao nível 10 (Vermelho) - Colisão Global capaz de alterar todo o clima do planeta causando catástrofes globais.

História[editar | editar código-fonte]

A escala foi criada pelo Professor Richard P. Binzel do departamento das Ciências da Terra, Atmosfera e Planetas, do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT). A primeira versão, chamada de "A Near-Earth Object Hazard Index", foi apresentada numa conferência das Nações Unidas em 1995.

Recorde[editar | editar código-fonte]

O recorde na escala de Turim é do asteróide Apophis, que chegou ao nível 4, causando uma breve preocupação dos cientistas

Níveis da escala[editar | editar código-fonte]

SEM PERIGO (branco)
0. A probabilidade de colisão é 0, ou tão baixa que é assim considerada. Aplicada em objectos tão pequenos que se desintegram ao passar pela atmosfera.
NORMAL (verde)
1. Chance de colisão extremamente improvável.
MERECEDOR DE ATENÇÃO POR PARTE DOS ASTRÓNOMOS (amarelo)
2. Objectos que passem perto da Terra.
3. Cálculos dão 1% de hipótese de colisão capazes de destruição. Público merece ser avisado se a colisão se encontra a menos de uma década de distância.
4. Cálculos dão 1% ou mais de hipóteses de colisão capazes de destruição. Público merece ser avisado se a colisão se encontra a menos de uma década de distância.
PERIGOSO (laranja)
5. Um encontro que representa um verdadeiro perigo de destruição. A atenção dos astrónomos é crucial para determinar se e quando a colisão se vai dar. Um plano governamental é ponderado se a colisão se encontra a menos de uma década de distância.
6. Um encontro que representa um perigo sério de catástrofe global. A atenção dos astrónomos é crucial para determinar quando é que a colisão se vai dar. Um plano governamental é ponderado se a colisão se encontra a menos de três década de distância.
7. Um encontro que representa um perigo sério de catástrofe global. Perante tão sério perigo um plano de contigência internacional é traçado, especialmente para determinar urgentemente e conclusivamente quando é que se vai dar a colisão.
COLISÕES CERTAS (vermelho)
8. A colisão é certa, capaz de causar destruição localizada em terra ou um tsunami se ocorrer no mar. Um evento desta magnitude ocorre uma vez em 1000 anos.
9. A colisão é certa, capaz de causar devastação localizada em terra ou um tsunami gigante se ocorrer no mar. Um evento desta magnitude ocorre uma vez entre 10 000 a 100 000 anos.
10. A colisão é certa, capaz de causar uma catástrofe global que poderá por em risco o futuro da civilização tal como a conhecemos, quer a colisão se dê em terra ou no mar. Um evento desta magnitude ocorre uma vez em 100 000 anos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.