Escala humana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A escala humana é uma medida de referência relativa, utilizada nas artes e na arquitetura e baseada no corpo humano. Presume-se que o ser humano tenha uma noção intuitiva do tamanho do seu corpo e que utilize esta noção como parâmetro comparativo. Num projeto arquitetônico, pode-se inferir o tamanho dos objetos representados pela relação com uma figura humana desenhada. Numa maquete do mesmo projeto, um boneco representando o homem dá a medida dos elementos à sua volta. Igualmente, numa pintura a presença da figura humana permite intuir relações de distância e o tamanho dos objetos representados.

Em termos abstratos, a escala humana é usada como expressão de uma arquitetura feita para o ser humano. Ainda que esta arquitetura seja de difícil definição, ela pode incluir características como: espaços que façam com que as pessoas congreguem ou se sintam protegidas, distâncias que sejam cômodas de atravessar e prédios que não façam com que as pessoas se sintam "insignificantes". Estes exemplos, no entanto, variam de pessoa para pessoa e são difíceis de quantificar.

Le Corbusier e o Modulor[editar | editar código-fonte]

O arquiteto franco-suiço Le Corbusier dedicou boa parte de seus estudos ao desenvolvimento de uma medida universal para a arquitetura: o modulor. Suas proporções forneceriam as medidas de referência para todos os aspectos do projeto. Le Corbusier acreditava assim, criar uma relação perfeita entre a arquitetura e a escala humana.

O homem como medida do universo[editar | editar código-fonte]

O Homem vitruviano de Da Vinci.

Na renascença, Leonardo da Vinci representou a perfeição das medidas humanas ao inscrever o homem dentro de duas figuras geométricas elementares (o círculo e o quadrado) segundo descrições encontradas no texto Os 10 livros da Arquitetura do arquiteto romano Vitrúvio. Acreditava assim na perfeição da figura humana, associando-a com o centro do universo.

Albrecht Dürer, por sua vez, tentou encontrar a perfeição nas medidas humanas estudando as relações de proporção e simetria entre as diferentes partes do corpo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.