Escatologia judaica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A escatologia judaica ocupa-se com eventos que ocorrerão no fim dos dias, de acordo com a Bíblia Hebraica e com o pensamento judaico. Isto inclui o ajuntamento da diáspora dos exilados, a vinda do Messias Judeu, vida após a morte e a ressurreição dos Santos mortos.

Escatologia é a área da teologia e da filosofia que se preocupa com os eventos finais na história do mundo, o destino final da humanidade e os conceitos relacionados.

No Judaísmo, os tempos final são normalmente chamados de "fim dos dias" (aharit ha-yamim, אחרית הימים), uma frase que aparece várias vezes no Tanakh. A ideia de uma era messiânica possui um local proeminente no pensamento judaico e é incorporada como parte do fim dos dias.

Visão geral e fontes textuais[editar | editar código-fonte]

No Judaísmo, a principal fonte textual para a crença no fim dos dias e nos eventos que o acompanha é o Tanakh ou Bíblia Hebraica. Nos cinco livros de Moisés, referências são feitas em Deuteronômio 28-31, que os judeus não serão capazes de guardar as Leis de Moisés na Terra de Israel e serão subsequentemente exilados, porém finalmente resgatados. Os livros dos Profetas Hebreus elaboraram e profetizaram sobre o fim dos dias.

Na literatura rabínica, os rabinos elaboraram e explicaram as profecias que foram encontradas na Bíblia Hebraica juntamente com a lei oral e as tradições rabínicas sobre seu sugnificado.

As principais doutrinas da escatologia judaica são as seguintes, sem uma ordem particular, elaboradas nos livros de Isaías, Jeremias e Ezequiel:

Também é crido que a história se completará e o destino final será alcançado quando toda a humanidade retornar ao Jardim do Éden.

Messianismo judaico[editar | editar código-fonte]

Ela debruça-se sobre o Mashiach (o Messias) e o Olam Haba (hebraico para "o mundo que virá").

A palavra hebraica Mashiach (ou Moshiach משיח) significa o ungido e refere-se a um ser humano mortal. Apesar de os cristãos usarem também a palavra "messias", usam-na de forma diferente. Para muitos cristãos, o milagre principal de Deus é a sua auto-encarnação como ser humano. Desta perspectiva, Deus é ao mesmo tempo inteiramente humano e também totalmente divino, ao mesmo tempo limitado em inteligência e omnisciente. Do ponto de vista filosófico e lógico, estas características parecem ser mutuamente incompatíveis, mas a igreja primitiva insistiu que ambas as verdades devem estar juntas. Veja cristologia e teologia apofática.

No judaísmo, o Mashiach é um ser humano, descendente do Rei David, que trará uma era messiânica de paz e prosperidade para Israel e todas as nações do mundo. A descrição dos acontecimentos é a seguinte:

  1. Todo o povo de Israel regressará à Torá.
  2. O povo de Israel regressará à terra de Israel.
  3. O Templo Sagrado de Jerusalém será reconstruído.
  4. Israel viverá entre as nações como igual, e será suficientemente forte para se defender.
  5. Por fim, a guerra, o ódio e a fome terminarão, e uma era de paz e prosperidade descerá sobre a Terra.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.