Esclerose sistêmica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.


Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Disfunção generalizada do tecido conjuntivo, progressiva e de etiologia desconhecida, pode levar a óbito.

Alterações inflamatórias crônicas que causam espessamento, fibrose cutânea e de tecidos moles e é associada a alterações vasculares periféricas e viscerais. A pele fica espessa e rígida atrapalhando a movimentação, ela piora no frio quando os vasos tem hipersensibilidade (vaso em constrição).

- Todo lugar praticamente tem tecido conjuntivo, assim todo lugar que tem tecido conjuntivo tem alterações (hiperprodução de colágeno formando tecido espesso - fibrose)

Classificação[editar | editar código-fonte]

1. Sistêmica: (mais grave)

  • Difusa
  • Limitada (CREST)
  • Overlap ou síndrome de sobreposição (mais de uma doença)
  • Visceral (órgãos internos) pele + rígida em todos os locais / canal do esôfago que é elástico ele não se dilata mais ao alimento (tem disfagia: regurgitação do alimento)

2. Localizada: (menos grave)

  • Linear
  • Mosfeia (atinge apenas um segmento do corpo)
  • Generalizada

3. Induzida: divido a atuação de agentes externos

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

  • 2:19 casos por milhão de habitantes
  • Sistomas entre 30 e 40 anos
  • Predomínio no sexo feminino
  • Prevalência - 126 casos a cada 1 milhão de habitantes

Etiologia[editar | editar código-fonte]

  • Fatores genéticos
  • Fatores imunológicos
  • Fatores ambientais

OBS: É uma doença que ataca de fora para dentro.

Patogênese[editar | editar código-fonte]

Lesões repetidas do endotélio de microvasos - leva alterações da permeabilidade, ativa fibroblastos que secretam + colágeno que se deposita na camada adventícia. Alterações imunológica associada ao aumento da síntese de colágeno, ocorrendo fibrose, lesão vascular e isquemia distal de pequenos vasos (distal)

Quadro clínico[editar | editar código-fonte]

Forma difusa: Progressão rápida, lesão cutânea, aumento do risco de lesão renal, cardíaca e pulmonar nos primeiros 5 anos.

Forma limitada: Curso mais lento e benigno, apenas Raynaud durante anos, podem ter lesão viscerais com os anos.

Manifestações cutâneas - Espessamento (escleroderma) + característica da doença. Fase edematosa: pele brilhante, com edema difuso em mãos e pés.

Fenômeno de Reynaud[editar | editar código-fonte]

  • Muito relacionado com o frio e doenças vasculares
  • Distúrbio vaso motor
  • Isquemia bem localizada, palidez (vasoespasmo), cianose e rubor

Esse fenômeno é transitório = 20 a 30 minutos desaparece mas pode reaparecer

Fase indurativa[editar | editar código-fonte]

  • Pele endurecida, inelástica e aderida aos tecidos profundos, ulcerando-se com facilidade e prejudicando a mobilidade articular.
  • A pele atrapalha o movimento pois está aderida aos demais tecidos internos impedindo a mobilidade articular
  • Desaparecem as rugas de expressão da face
  • Nariz e comissura labial afilados
  • Microstomia (menor abertura da boca) - Influencia na nutrição do paciente tendo assim dificuldade para mastigação e para falar, a pele fica plana, elastica, atrapalhando as articulações.
  • Pele seca, áspera e sem pelos

Manifestações vasculares[editar | editar código-fonte]

Microulceração isquêmica da polpa digital, podendo evoluir para úlceras, gangrenas e amputações que ocorrem naturalmente devido a complicação do caso.

Manifestações articulares e musculoesqueléticas[editar | editar código-fonte]

Principal causa de morbidade e incapaciadade

  • Poliartralgias e mialgias
  • Dor e rigidez, maiores que a inflamação
  • Crepitação articular ao movimento
  • Contraturas articulares
  • Retrações tendíneas divido a inelasticidade e fibrose periarticular
  • Garra esclerodermica nas mãos (mãos em garra - flexão dos dedos)
  • Fraqueza e atrofia muscular (por causa do pouco uso)

Manifestações gastrointestinais[editar | editar código-fonte]

  • Disfunção esofágica - por atrofia e fibrose, disfagia pirose retroesternal, regurtição e sensação de parada do alimento no esôfago (causa de morte) - paciente pode broncoaspirar o alimento que pode levar a uma pneumonia

Manifestações pulmonares[editar | editar código-fonte]

  • Hipertensão pulmonar
  • Cardíacas: pericardite, arrimias
  • Renais: glomerulonefrite até insuficiência renal.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

  • Critério Maior: - Esclerodermia proximal
  • Critério Menor: - Esclerodactilia (espessamento da pele dos dedos), úlceras distais ou reabsorção de falanges distais, fibrose pulmonar basilar

Tratamento medicamentoso[editar | editar código-fonte]

  • Analgésicos
  • AINHS
  • Corticoesteroides
  • Drogas vasoativas
  • Imunossupressores

Fisioterapia[editar | editar código-fonte]

Objetivo: Manter e aumentar mobilidade da pele e articular, melhorar equilíbrio, marcha, força muscular, consciência corporal e postural, e educação sobre a doença

  • Orientações
1) Encaminhar ao Nutricionista
2) Usar luvas
3) Ensinar mudanças de postura
4) Cuidado com cosméticos na face
5) Lubrificar a pele
6) Cuidado com os dentes
7) Cabeceira da cama elevada

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre doenças é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.