Escola Englishtown

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
EF Englishtown
Logo EF Englishtown Brasil.JPG
Tipo Empresa privada
Indústria Internet
E-learning
Fundação Global: 1996 / Brasil: 2001
Pessoas-chave Bill Fisher, Andrew Wait (CEO)
Empregados 35 mil [1]
Página oficial www.englishtown.com.br

A Englishtown é uma escola online que oferece cursos de inglês com atividades interativas e aulas de conversação com professores nativos ao vivo. Como o padrão da escola é que o aluno faça o melhor horário para ele, há aulas de conversação 24 horas por dia, sempre com professores online. Além do curso regular, há um curso de inglês voltado para negócios e cursos técnicos de inglês profissional para áreas específicas, como área jurídica, de tecnologia e de medicina e saúde. A escola de inglês é uma das 15 subdivisões do grupo EF Education First e tem sede na Suíça. No Brasil, suas operações se concentram em São Paulo. O acesso às aulas é mundial, com exceção dos países em que a navegação nas redes sociais não é permitida, uma vez que o site da EF Englishtown opera como uma rede social.

História[editar | editar código-fonte]

Antes de a internet explodir, em 1994, um projeto de parceria entre a EF, com Bill Fisher[2] e Philip Hult, e a Apple, com o cientista Enio Ohmaye[3] (brasileiro formado pela USP), esboçou o que se tornaria a Englishtown. O trio começou com 20 Macs instalados nos dormitórios da Boston School, conectados a um servidor numa rede de alta velocidade. Enio Ohmaye pode ser visto fazendo símbolos maçônicos com as mãos em um vídeo oficial da Englishtown disponível no youtube.

O sonho dos três era interligar o conhecimento, para que o aluno pudesse ser transportado a qualquer lugar e aprendesse mais e com rapidez. Todavia, a rede mundial ainda estava engatinhando e não poderia dar a eles o que queriam para sua experiência revolucionária de aprendizado online.

Uma necessidade do próprio Bill Fisher deu mais força ao sonho. Após se formar em Ciências da Computação pela Universidade de Brown, ele planejou se mudar para a Suécia, para estudar na Escola de Economia de Estocolmo. Antes da mudança, quis aprender sueco o mais rápido possível.

Assim, ele desenvolveu seu próprio programa de estudo por computador. Ele acreditava que os métodos tradicionais de ensino forçavam os alunos a caminhar todos no mesmo ritmo e viu isso como um grande empecilho, já que o aprendizado ficava inflexível, inconveniente e impessoal, desrespeitando o ritmo e as necessidades de cada um. Com o advento da internet acessível dois anos mais tarde, estes 20 computadores se tornariam uma rede mundial. Assim, qualquer pessoa em qualquer canto do mundo poderia ser "despachada" para Nova York, por exemplo, para aprender inglês por computador. Era a ferramenta que faltava.

Durante um ano, Enio, Bill e Philip trabalharam no projeto para a Englishtown, criando protótipos, tendo ideias, inovando. Em 1996, a Englishtown foi fundada por Bill e Philip como uma empresa da EF. Naquela época, assim como hoje, a missão da empresa era usar a tecnologia para criar uma maneira melhor, mais fácil e mais rápida de aprender inglês.

Esses princípios e o programa que Bill desenvolveu convenceram o fundador da EF, Bertil Hult a investir mais. A EF sempre apoiou a inovação e patrocinou a criação do sistema de aprendizado online da Englishtown. Foram investidos os mais de 40 anos de experiência com educação do Grupo EF, cerca de US$55 milhões e cinco anos de pesquisa para desenvolver as bases da escola de inglês online.

Após mais de dez anos, a Englishtown afirma que ainda investe constantemente em pesquisas para aperfeiçoar seu método de ensino – e Bill, Philip e Enio acreditam nesta renovação constante como pilar para estar sempre à frente em ensino à distância.

O uso da tecnologia visa a "derrubar as barreiras de idiomas, culturais e geográficas que nos separam". O aluno pode estar no interior da China que, ainda assim, terá um professor nativo ao vivo, falando de Boston ou de Sydney, em sua aula de conversação. Para lembrar seus funcionários disso todo, há um pedaço do muro caído de Berlin na frente da Central da EF em Boston.

E as iniciativas para derrubar barreiras invadiram também as mídias sociais. Através delas, a Englishtown deixa à disposição gratuitamente links para lições diárias, vídeos interativos, informações sobre as novidades dos métodos de ensino e assuntos debatidos em aulas.

No Brasil desde 2001, a Englishtown tem crescido mais de 60% ao ano em faturamento no mercado brasileiro. Mais de 20 milhões de usuários participaram de algum dos programas da EF para aprendizado de um novo idioma e 10% deles estão no Brasil. O Brasil já ocupa a segunda colocação em números de alunos, funcionários e vendas da Englishtown, atrás apenas da China.

Em 2009, a Englishtown fez uma parceria com a Universidade de Cambridge, na Inglaterra, baseando-se em três áreas-chave do ensino de idiomas: avaliação de habilidades com um novo teste de conhecimentos de inglês, qualificação de professores da Englishtown com técnicas de ensino de idiomas e aprendizado acelerado e pesquisa. Para esta última área, uma nova unidade foi aberta: o Centro de Pesquisa de Inglês e Linguística Aplicada da Universidade de Cambridge, onde a Englishtown apoia cientistas e linguistas na criação de ferramentas e tecnologias sofisticadas para acelerar o aprendizado de inglês.

Em 2010, a escola lançou a nova tecnologia de ensino Englishtown 10, resultado de mais de 55 milhões de dólares em investimento e da pesquisa intensiva de testes dos centros da empresa em Xangai, Zurique e na Universidade de Cambridge.

Em 2011, a plataforma da escola passou por atualizações e ganhou um novo sistema para que os alunos pudessem fazer o curso pelo iPad[4] .

Em 2012, Bill Fisher desce do cargo de CEO, e quem assume é Andrew Wait[5] , ex-diretor sênior de marketing da Kodak Gallery.

Prêmios[6] [editar | editar código-fonte]

Abril de 2010[editar | editar código-fonte]

Prêmio IMA por Excelência em Educação - Interactive Media Awards, do Conselho de Mídia Interativa, Inc.

Junho de 2010[editar | editar código-fonte]

Melhor Sistema de Gerenciamento de Ensino – Premiação Comenius-EduMedia, realizada pela Sociedade pela Pedagogia e Informação (Alemanha)

Setembro de 2010[editar | editar código-fonte]

Melhor Solução para Treinamento do Ano – Premiação da Human Resource Executive®.

Novembro de 2010[editar | editar código-fonte]

Premiada na Categoria Educação para Programas Online ou à Distância no E-Learning Awards[7] .

Dezembro de 2010[editar | editar código-fonte]

  • Vencedora da Categoria Geral de Sites de Educação no W³ Awards
  • Premiada no WebAward 2010 por Destaque Notável em Desenvolvimento na Web

Abril de 2011[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Communicator Awards na categoria Aplicativos Mobile & Websites, Educação

Junho de 2012[editar | editar código-fonte]

  • Troféu Top of Business – Melhor Mídia Interativa

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Sobre a EF Englishtown – Company Fact Sheet: http://www.englishtown.com.br/online/about-us.aspx
  2. Artigo da AmCham: http://www.amcham-china.org.cn/amcham/show/news.php?Id=648
  3. Perfil de Enio como alumni da USP: http://www.usp.br/feamais2/leitura.php?i=354
  4. Artigo sobre atualização na Mac Magazine: http://macmagazine.com.br/2011/05/31/escola-de-ingles-ef-englishtown-leva-suas-aulas-para-o-ipad
  5. Portal de notícias: http://portal.rac.com.br/noticias/nacional/pr-news/leitor_noticias.php?id=4342&ano=/2012&mes=/03&dia=/07
  6. Sobre os prêmios da EF Englishtown: http://ead.folhadirigida.com.br/?p=3485 e Página de Premiações da Englishtown
  7. Site da premiação da E-Learning: Lista de Premiados 2010
Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.