Escola Estadual Professor Doutor Lauro Pereira Travassos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Escola Estadual Professor Doutor Lauro Pereira Travassos é uma escola do município de São Paulo[1] .

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundada originalmente com o nome Grupo Escolar da Vila Missionária em meados do século 20, no bairro Vila Missionária, Rua Frei Francisco Ferreira, periferia e zona sul da cidade de São Paulo, região de Cidade Ademar[1] .

Foi construída irregularmente em uma área de manancial. Inserida em um contexto de violência e medo, é atribuída como elemento de integração da comunidade, especialmente com projetos educacionais e o supletivo voltado para donas de casa e trabalhadores da terceira idade [2] .

A escola precisou ser ampliada devido o crescimento demográfico do bairro. Na última década de 90, foi transformada em escola de Ciclo II e Ensino Médio, quando adquiriu o nome atual.

O patrono foi homenageado pelos cuidados médicos prestados aos moradores. O professor Doutor Lauro Pereira Travassos nasceu em Angra dos Reis, em 1890, e morreu em Manguinhos em 1970, foi um zoólogo brasileiro, especialista em helmintologia e em entomologia. Excursionou pelo território nacional em viagens de estudo[3] .

Em 2006, os alunos desenvolveram trabalhos para a exposição Só Fridas que aconteceu no Memorial da América Latina[4] .

Em 2009, o projeto Cavalo Nóia, desenvolvido nesta escola pelo professor de Arte Jacson Matos, foi premiado com o 'Prêmio Arte na Escola Cidadã' na categoria Educação de Jovens e Adultos, concedido pelo MEC.[2]

A escola tem cerca de 2.800 alunos e funciona em período integral[1] .

Referências

  1. a b c Assembleia Legislativa de São Paulo. (21 de março de 2000). Indicação n.236 de 2000, acesso em 6 de maio de 2010
  2. a b Portal do Professor. (outubro de 2009). Prêmio Arte na Escola chega à 10ª edição, acesso em 6 de maio de 2010
  3. Ruchi, Augusto. (1976). Século Diário. O eucalipto e a ecologia, acesso em 6 de maio de 2010
  4. Fundação Memorial. (2006). Últimos dias para conferir a exposição Só Fridas, acesso em 6 de maio de 2010