Escola Prática de Infantaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Escola Prática de Infantaria
País  Portugal
Estado Desativada
Corporação Exército Português
Subordinação Comando da Instrução e Doutrina
Missão Formação de infantaria
Sigla EPI
Criação 1890
Extinção 2013
Lema Ad unum
Sede
Quartel Convento de Mafra
Concelho Mafra

A Escola Prática de Infantaria (EPI) MHTEMHAMHL era um estabelecimento de ensino do exército português, cujo objetivo é a formação de tropas na arma de infantaria. Este estabelecimento estava instalado em parte do edifício do Convento de Mafra, na vila de Mafra.

Foi criada em 1890 e desativada em 2013, passando as suas funções para a Escola das Armas.

História[editar | editar código-fonte]

A origem da Escola Prática de Infantaria remonta ao período da terceira invasão francesa, quando o marechal William Carr Beresford cria o Depósito de Recrutas de Infantaria no Convento de Mafra, em 1809. Anos mais tarde, em 1841, o mesmo convento recebe diversas unidades militares, desde caçadores, infantaria, artilharia, lanceiros e cavalaria. O Depósito Geral seria encerrado em 1860, depois de aí terem falecido 94 recrutas devido a uma doença do foro infecto-contagioso.[1] Em 1887, o ministro da Guerra, visconde de São Januário, cria oficialmente a Escola Prática de Infantaria e Cavalaria, por carta de lei de 22 de Agosto, reunindo numa mesma escola a formação para as armas de infantaria e cavalaria. No ano seguinte, é criada a primeira carreira de tiro em Portugal.

Em 1890, os cursos de infantaria e de cavalaria são separados, ficando a escola de Mafra com a instrução de infantaria e a designação de "Escola Prática de Infantaria". Esta separação teve por objetivo a especialização dos oficiais saídos da Escola do Exército na arma de infantaria; o regulamento que separou as duas especialidades, também criará as secções tiro, esgrima e ginástica. Mais tarde, em 1902, é criada a Escola Central de Sargentos.

A designação da EPI é alterada para "Escola de Tiro da Infantaria", em 1911. Em 1926, é reestabelecida a anterior designação de "Escola Prática de Infantaria".

A Escola Prática de Infantaria esteve presente em momentos de destaque na história de Portugal, dos quais se destaca a preparação das tropas para a Guerra Colonial Portuguesa e a participação na Revolução do 25 de Abril de 1974.[2] [3]

A Escola Prática de Infantaria foi desativada a 1 de outubro de 2013, na sequência de unificar as diversas escolas práticas das armas do Exército numa única Escola das Armas.

Publicações da Escola Prática de Infantaria[editar | editar código-fonte]

  • Newsletter da Escola Prática de Infantaria[4]
  • Edições da Revista Azimute[4]

Comandantes da EPI[editar | editar código-fonte]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

A bandeira da Escola Prática de Infantaria foi:

A Escola Prática de Infantaria foi:

Referências

  1. Informação em Guia do Concelho de Mafra
  2. Cronologia na página "25 de Abril"
  3. Relatório da EPI sobre a participação no 25 de Abril
  4. a b Publicações da Escola Prática de Infantaria Sitio oficial do Exército Português.
  5. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2013-05-24. "Resultado da busca de "Bandeira da Escola Prática de Infantaria"."
  6. Ordem do Mérito Militar Secretaria-Geral do Exército (Brasil). Visitado em 2013-05-26. "Resultado da busca de "Escola Prática de Infantaria"."
  7. a b c Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2013-05-26. "Resultado da busca de "Escola Prática de Infantaria"."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.