Escola Secundária de Camões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Escola Secundária de Camões.

A Escola Secundária de Camões MHIP (conhecida também por Liceu Camões, ou na sua grafia antiga Lyceu Camões), fundada em 1902, é uma das maiores e mais prestigiadas escolas secundárias de Lisboa e mesmo de Portugal. Por ela passaram imensos alunos que hoje são importantes figuras da sociedade, quer a nível nacional quer internacional.

O antigo Liceu de Camões, actual Escola Secundária de Camões, está classificado desde 2012 como Monumento de Interesse Público[1] .

História[editar | editar código-fonte]

A Escola Secundária de Camões foi criada em 1902 por Carta de Lei de 24 de Maio, com o nome de Liceu Nacional de Lisboa, sendo o segundo liceu de Lisboa (o primeiro foi o Liceu Passos Manuel, de 1836).

O recém-criado criado liceu viu-se imediatamente confrontado com dificuldades: uma das mais prementes, a sua instalação física –; foi escolhido um local: o Palácio da Regaleira, no Largo de São Domingos. Estava longe de ser o local ideal, já que as salas eram muito pequenas e mal mobiladas, não existia um laboratório de Física, Química ou Zoologia, nem um recreio onde os alunos pudessem passar os intervalos –; as brincadeiras decorriam nas proximidades do edifício ou no próprio Largo de São Domingos. Como se não bastasse, o liceu partilhava o rés-do-chão com uma leitaria e uma loja de mobílias.

Dois anos mais tarde, aquando da divisão de Lisboa em três zonas escolares, o Liceu Nacional torna-se no principal da primeira zona, ganhando assim mais autonomia. As dificuldades contudo foram aumentando à medida que a população escolar aumentava –; o Liceu servia agora 15 freguesias.

Em grande parte devido à procura de um espaço adequado para a prática de Educação Física –; obrigatória desde 1905 –; Rui Teles Palhinha, o primeiro reitor do Liceu Central da 1ª zona, tentou encontrar um edifício que reunisse as condições necessárias, que incluíam amplos espaços e condições de higiene. Como hipóteses surgiram o Teatro D. Maria II e o Real Ginásio Clube, mas acabou por ser conseguido o Centro Nacional de Esgrima. No entanto, uma coisa ficou clara: a necessidade de um espaço e edifício próprio, construído de raiz. Com esse objectivo, Rui Teles Palhinha faz uma exposição ao Ministro dos Negócios do Reino, onde pede a "construção dum edifício em local próprio, construção que obedeça aos princípios da mais estrita economia, tendo em vista que uma escola precisa de ar e de luz, que são de graça, e prescinde de cantarias lavradas e de madeiras ricas".

A construção do novo espaço é aprovada e autorizado um empréstimo no valor máximo de 200 contos de réis, "destinado à aquisição de terreno e construção do edifício para o Liceu Central da 1ª zona escolar", ficando o restante destinado à aquisição de mobiliário.

No inicio de 1908 iniciam-se as obras, que vêm a acabar (surpreendentemente depressa) 21 meses depois, nos finais de 1909. Entretanto, a 9 de Setembro de 1908, a designação muda oficialmente para Lyceu de Camões, e a inauguração ocorre a 16 de Outubro de 1909. O Liceu foi construído no Largo do Matadouro Municipal, sob fortes críticas, por ser de difícil acesso e distante para os alunos. Embora fosse uma zona de expansão, três anos depois da abertura o local continuava ermo e inóspito, existindo nas proximidades somente o Matadouro e a Escola de Medicina Veterinária.

Projectado inicialmente para acolher 600 alunos, no ano lectivo de 1909-10 o Liceu dispunha de trinta professores que leccionavam a um total de 19 turmas. Desde o início houve preocupação com o desenvolvimento físico e intelectual e com a higiene dos alunos, o que se traduziu em lavabos distribuídos por todo o edifício, duches ao pé do ginásio, o projecto de uma piscina de natação, a separação dos espaços especializados, a notória separação da via pública, o agrupamento dos alunos em pátios diferentes e a habitação independente do reitor. A construção em tridente resolvia o problema da iluminação e arejamento da escola, ao mesmo tempo que proporcionava um ambiente educativo que promovia a permanência dos alunos dentro do edifício. Outro aspecto do esquema compositivo em tridente e da disposição das salas é o facto de o Liceu praticamente não possuir corredores fechados –; as salas dão directamente para o pátio ou para galerias abertas. Ouviram-se, na altura, alguns comentários dizendo que "o liceu era um grande ginásio com algumas salas de aula à volta dele".

Dos primeiros tempos do Liceu, convém destacar um aluno pela importância que teve no despertar do movimento associativo estudantil: Mário de Sá-Carneiro. Tendo tido um percurso liceal algo atribulado, acaba por concluir o secundário no Liceu de Camões nas Turmas de Letras de 1909/1910 e 1910/1911, depois de três anos nos 6º e 7º São Domingos.

Em 1911, é publicado o regulamento interno, onde vem definida a vida da Associação Académica do Liceu de Camões, fundada a 9 de Fevereiro do mesmo ano. Os principais objectivos da associação consistiam no desenvolvimento físico e intelectual dos seus sócios e na solidariedade escolar a favor dos mais desfavorecidos, tendo lhe sido autorizada a organização de conferências, jogos de educação física e aulas de esgrima. Embora tenha sido alvo, alguns anos mais tarde, duma reformulação em que se acentuava o controlo institucional por parte do reitor, a Associação Académica do Liceu de Camões conduziu, em grande parte, à afirmação cultural do Liceu, nomeadamente através da organização de festas escolares, eventos desportivos, ocupação de tempos livres nas férias grandes, actividades de assistência e escutismo. Em 1936, com o Estado Novo a Associação foi extinta e as suas actividades integradas na Mocidade Portuguesa.

Até finais da década de 1920, verifica-se uma crescente estabilidade e projecção pública do Liceu, indicada sobretudo pelo aumento de número de alunos e de alunas. Este aumento de alunos foi de tal maneira notório que, se no ano lectivo de 1925/26 o Liceu funcionou com 29 turmas, no ano seguinte eram 43 as turmas, o que obrigou ao primeiro desdobramento em dois turnos. No mesmo ano de 1927, foram construídos os dois gabinetes de Física e Química, procurando solucionar três problemas: corresponder melhor aos objectivos das últimas reformas de ensino, principalmente no aspecto da experimentação; aumentar a disponibilidade das salas de aula face à súbita procura social do ensino secundário; afastar do edifício principal instalações mais atreitas a acidentes.

Um dos factores de prestígio do liceu foi, sem dúvida, a cantina escolar criada em 1931 e que incorpora desde logo quatro secções: refeitórios, pastelaria, livraria e papelaria. A Cantina Escolar foi um dos maiores contribuintes para a desenvolvimento do liceu, quer apadrinhando os prémios resultantes do Quadro de Honra, dotando o liceu de dois campos de golfe, quer sustentando em parte as despesas do cinema educativo ou subsidiando a execução de jardins. No entanto, com a entrada nos anos 30, ocorre uma profunda mudança na filosofia da instituição que "aponta no sentido de práticas mais liberais e mais consentâneas com o ideário do regime político vigente". Na prática, além da extinção da Associação Académica, esta viragem traduziu-se numa consolidação da estrutura hierárquica do reitor e numa perda de autonomia do corpo docente sendo no entanto deixada uma margem de manobra no que respeita à pedagogia, quer seja pela aquisição de material didáctico apropriado e actualizado, pela compra de novos livros para a biblioteca, seja apoiando as visitas de estudo, as festas e as viagens de finalistas ou promovendo sessões culturais e "acções pedagógicas" para os professores, sendo inclusive criado pelos alunos um posto de rádio, em 1961.

No final da década de 1950, o liceu conhece um momento de expansão com a abertura de duas secções: a de Alvalade (1957/58), actual Escola Secundária Padre António Vieira; e a do Areeiro (1958/59), hoje em dia, a Escola E. B. 2,3 Luís de Camões. Esta expansão vem como parte da solução ao combate ao sempre crescente número de alunos. No ano lectivo de 1972/73, o liceu, inicialmente previsto acolher 600 alunos, suportava mais de 2200, sem contar com o ciclo nocturno.

Actualidade[editar | editar código-fonte]

Ainda hoje a escola mantém o ensino nocturno e continua a ser uma das melhores escolas secundárias do país. Nos últimos anos, tem sido alvo de obras de remodelação e expansão, tendo sido criados de raiz um refeitório, um auditório, uma sala de musculação, um novo espaço para o museu da escola e um pavilhão gimnodesportivo. Dispõe igualmente de um centro de recursos escolares, de uma biblioteca, salas de informática e desenho, uma papelaria, um bar de alunos e professores, os laboratórios de Física, Química e Biologia, a sala da Associação de Estudantes, dois campos de futebol, mesas de pingue-pongue e de matraquilhos.

A 21 de Agosto de 1990 foi feita Membro-Honorário da Ordem da Instrução Pública.[2]

Recentemente, um incêndio nas caves atingiu grande parte do arquivo da escola e da secretaria destruindo registos de alunos, professores, exames e contas; de modo a proceder à recuperação e reorganização do material afectado, o antigo ginásio esteve encerrado durante alguns meses, mas foi reaberto no ano lectivo de 2006/2007.

A requalificação da escola secundária, a cargo da Parque Escolar, chegou a ter início marcado para Agosto de 2011 mas foi suspensa, sem data para avançar. Para executar o projecto da autoria do arquitecto Falcão de Campos são precisos 18 milhões de euros.

Em novembro de 2013, o Coliseu dos Recreios em Lisboa será palco de uma gala cujo objectivo é angariar pelo menos 20 mil euros para a reparação urgente das janelas e do escudo que está sobre a porta principal, cheio de fissuras, em risco de queda[3] .

Professores e alunos famosos[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Políticos[editar | editar código-fonte]

Medicina[editar | editar código-fonte]

Desporto[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Filologia[editar | editar código-fonte]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Historiadores[editar | editar código-fonte]

Intelectuais[editar | editar código-fonte]

Atores[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Adamopoulos, Sarah; Vasconcelos, José Luís Falcão; Nóvoa, António (pref.); Cardal, Nuno (fot). Liceu de Camões: 100 Anos, 100 Testemunhos. Lisboa: Quimera, 2009. ISBN 978-972-589-203-9
  • Santana, Francisco (dir.); Sucena, Eduardo (dir.). Dicionário da História de Lisboa. Sacavém: Carlos Quintas & Associados - Consultores, 1994. ISBN 972-96030-0-6

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.