Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Escola de Administração da
Universidade Federal da Bahia
EAUFBA
Universidade Universidade Federal da Bahia
Tipo de Instituição Unidade universitária
Localização Salvador , Bahia Brasil
Campus Canela
Site www.adm.ufba.br

A Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (EAUFBA) é uma das unidades de ensino que integram o Campus do Canela da UFBA na cidade de Salvador, capital do estado brasileiro da Bahia, fundado no ano de 1959, e situada no Vale do Canela.

Formada pelos cursos de graduação em Administração e em Secretariado Executivo, além de cursos de Pos-Graduação como especializações, mestrados profissionais e acadêmicos e doutorado.

História[editar | editar código-fonte]

A Escola foi composta inicialmente por professores estadunidenses ou brasileiros formados nos Estados Unidos da América e que lecionavam em Harvard, sendo a unidade pioneira no estado da Bahia e no Nordeste na formação de programas modernizadores da administração.[1]

Nos anos 1970 atuou na modernização das administrações públicas da região, e ainda na instalação do Centro Industrial de Aratu e no Pólo Petroquímico de Camaçari.[1] Assim, desde a sua criação, a Escola pôde contar com um corpo docente de alta qualificação, o que lhe permite oferecer um ensino de elevado nível e atuar, pioneiramente em programas de modernização administrativa no Estado e na região Nordeste.

Na década de 70, o corpo docente da escola teve destacada atuação na implantação de Reformas Administrativas estaduais e municipais em todo o Nordeste, bem como no apoio à implantação do Centro Industrial de Aratu e ao Pólo Petroquímico de Camaçari.

A Escola de Administração desfruta de um grande prestígio no âmbito regional e nacional como principal centro acadêmico na área de Administração no Nordeste, colaborando com a atuação direta de seus professores ou com a formação de profissionais altamente qualificados, nas mudanças e melhorias das práticas administrativas e gerenciais das instituições públicas e privadas. O binômio ensino de qualidade e assessoramento técnico voltado para o aperfeiçoamento das instituições e da sociedade marca a atuação da Escola desde a sua criação.

Na década seguinte, passa a atuar também na pós-graduação e pesquisa.[1] Em 1989, com apoio da Fundação Getúlio Vargas, estudantes do curso fundam a Empresa Júnior, com objetivo de dotar de conhecimentos práticos a todos os universitários.[2]

Atualmente a Escola oferece em nível de graduação os cursos de Bacharelado em Administração e de Secretariado Executivo. O curso obteve notas máximas nos programas de avaliação dos cursos superiores (extinto "Provão") e suas pós-graduações possuem conceito 5[3] na avaliação do CAPES.[1]

O curso de Bacharelado em Administração obteve conceito A na última avaliação do Provão. Os cursos oferecidos em nível de pós- graduação - Doutorado, Mestrado Acadêmico, Mestrado Profissional, vêm mantendo conceito máximo da área na avaliação CAPES, desde 1993, situando-se entre os melhores do País.

Ex-alunos[editar | editar código-fonte]

Dentre os seus ex-alunos destacam-se:

Professores e ex-professores[editar | editar código-fonte]

A Escola de Administração da UFBA teve em seu corpo docente grandes nomes da administração pública e empresarial da Bahia, entre eles:

  • Antônio Carlos Magalhães Júnior, presidente da Rede Bahia e senador da república (desde 2003);
  • Eraldo Tinoco, deputado federal por 5 mantatos, secretário da Educação e Cultura da Bahia (1979-1982), Secretário da Educação da Bahia no governo de César Borges (1999 a 2002), por 2 vezes Ministro da Educação (governo Sarney e governo Collor), vice-governador da Bahia e Secretário do Planejamento da Bahia.
  • Carlos Milani, formado pelo Instituto Rio Branco, foi funcionário internacional da UNESCO junto ao Setor de Ciências Sociais e Humanas (Paris, 1995-2002), professor no IEP de Paris (1997-2002) e professor convidado em várias universidades (Montreal, Colima, UFRGS, UCM, IEP/Paris);
  • Edilson Souto Freire, ex-secretário de Administração do Estado da Bahia;
  • Marcus Alban, pesquisador, parecerista da RAC (Revista de Administração Contemporânea) e da O&S - Organizações e Sociedade, membro da câmara de assessoramento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), foi Diretor Presidente da Secretaria de Planejamento Ciência e Tecnologia da Bahia, Diretor da DIvisão de Estudos e Pesquisas Secretaria de Indústria Comércio e Turismo da Bahia;
  • Francisco Teixeira, consultor da CAPES e da CNPq.
  • Sandro Cabral, colaborador da ANPAD, professor da USP, professor convidado da Penn State University, PSU, Estados Unidos, Universidade Paris 1 (Panthéon-Sorbonne), SENAI e com larga experiência profissional em multinacionais.

Referências

  1. a b c d Histórico da EAUFBA, institucional (acessado em 19 de outubro de 2009)
  2. Histórico "Empresa Júnior", institucional da iniciativa (acesso em 19 de outubro de 2009)
  3. Conceitos do CAPES para os cursos de pós-graduação da UFBA.
  4. GILBERTO GIL: DA POLÍTICA MUSICAL ÀS POLÍTICAS CULTURAIS. Andréa Coutinho Cavalcante (ensaio - download - efetuado em 19 de outubro de 2009)