Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde janeiro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
EBA
Escola de Belas Artes
Fundação 12 de agosto de 1816
Tipo de instituição Pública, Federal
Diretor(a) Prof. Carlos Gonçalves Terra
Vice-diretor(a) Prof. Helenise Monteiro Guimarães
Estado Rio de Janeiro
Página oficial www.eba.ufrj.br
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

A Escola de Belas Artes é, atualmente, uma unidade do Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Fundada oficialmente em 1816, a escola já foi chamada por diversos nomes e funcionou ora como instituição independente ora integrando outras instituições. Desde sua fundação, sua história reflete as transformações registradas pela história do Brasil, e a escola constitui um dos mais importantes organismos culturais deste país.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Durante o Brasil Colônia (1500-1822), o ensino de artes cabia às ordens religiosas católicas e era de caráter elementar e prático, aplicado ao uso cotidiano (artesanato, etc.), à catequização (teatro, etc.) e à atividade militar (desenho arquitetônico e de engenharia).

Em 20 de novembro de 1800, por carta régia, foi estabelecida no Rio de Janeiro, por ordem do Príncipe Regente, a Aula Prática de Desenho e Figura, a primeira medida concreta para a evolução do ensino de artes na Colônia, dada por meio de sua sistematização e pela difusão e fixação da arte em si.

Posteriormente, em 12 de agosto de 1816, D. João, já soberano do Reino Unido, por Decreto, criou a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, sob orientação da Missão Artística Francesa, sendo implantada oficialmente a educação artística no Brasil.

A partir de 8 de novembro de 1890, a antiga Academia Imperial foi transformada na Escola Nacional de Belas Antes.

No ano de 1931, a Escola passou a integrar a Universidade do Rio de Janeiro e, em 1937, a Universidade do Brasil.

Em 1965, a instituição passou a se chamar Escola de Belas Artes incorporando-se a Universidade Federal do Rio de Janeiro, constituindo-se através dos anos num verdadeiro organismo cultural, centro universitário e inovador que se dedica a renovar a cultura artística da época e desenvolver, de forma integral a harmoniosa, a capacidade e a criatividade dos seus alunos.

A Academia Imperial das Belas Artes[editar | editar código-fonte]

Com o advento da Independência do Brasil (1822), a antiga Escola Real passou a ser denominada como Academia Imperial das Belas Artes e, em 5 de novembro de 1826, configurou-se sua instalação definitiva. Esta nova fase do sistema de ensino artístico brasileiro moldou singularmente o desenvolvimento da arte no país.

A Escola Nacional de Belas Artes[editar | editar código-fonte]

Com a Proclamação da República (1889), a partir de 8 de novembro de 1890, a Academia Imperial de Belas Artes foi transformada em Escola Nacional de Belas Artes.

A Escola de Belas Artes[editar | editar código-fonte]

Em 1931, a escola passou a integrar a Universidade do Rio de Janeiro e, em 1937, a Universidade do Brasil. Em 1965, teve o seu nome novamente alterado, quando passou a chamar-se apenas Escola de Belas Artes, passando a fazer parte da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Atualmente a EBA é dirigida pelo professor Carlos Gonçalves Terra, tendo como vice-diretora, e Diretora Adjunta de Administração e Info-redes a professora Helenise Monteiro Guimarães.

Diversos artistas de diversas áreas importantes passaram pela Escola (Nacional) de Belas Artes, tais como:

O Projeto Memória EBA[editar | editar código-fonte]

O projeto de pesquisa Memória EBA foi criado no ano de 2006 pelo professor Murillo Mendes Guimarães e, é uma iniciativa sem fins lucrativos, cujo principal objetivo é resgatar e divulgar a memória artística e cultural da Escola de Belas Artes através de pesquisas que envolvem importantes nomes que já passaram pela EBA e que hoje são grandes referências no Brasil e no mundo.

Museu Dom João VI[editar | editar código-fonte]

O Museu da Escola de Belas Artes D. João VI da Universidade Federal do Rio de Janeiro (MEBADJVI) foi criado em 1979 com a finalidade de preservar a memória do ensino artístico oficial e de fomentar o estudo e a pesquisa da História da Arte Brasileira.

A criação do museu foi uma resposta à necessidade da criação de um espaço institucional de preservação do patrimônio e memória do ensino de arte, reunindo a produção da Academia Imperial de Belas Artes, da Escola Nacional de Belas Artes e parte da história recente da Escola de Belas Artes.

O museu abriga dois acervos distintos, sendo um de obras de arte e o outro de documentos, fontes primárias indispensáveis para o desenvolvimento de estudos e projetos de pesquisa em arte, quer no campo teórico quer no aplicado.

Ambos os acervos são o resultado do patrimônio acadêmico produzido pela Escola no período compreendido, principalmente, entre 1820 e 1920. Suas coleções reúnem a evolução e a produção artística dos séculos XIX e XX no Brasil e, em especial, no Rio de Janeiro, e reúne produções das escolas européias (Itália, França, Países Baixos, Espanha e Portugal) datadas a partir do século XVI.

Registro de direitos autorais[editar | editar código-fonte]

A seção de Direitos Autorais da Escola de Belas Artes funciona desde 1917 e reúne 45 mil obras registradas. Entre estas, encontram-se obras de grandes nomes como Walt Disney, Mauricio de Sousa e H. Stern.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]