Escorço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Andrea Mantegna, A Lamentação sobre o Cristo Morto .
Rembrandt, Lição de anatomia do Dr. Joan Deyman, 1656.
Epimetheus (à esquerda) e Janus. As duas luas parecem perto uma da outra por causa do escorço; na realidade, Janus está aproximadamente 40.000 km distante de Epimetheus. No Espaço sideral as tonalidades e as cores permanecem inalteradas, diferentemente do que acontece na perspectiva atmosférica.

Escorço é uma técnica de representação gráfica, na qual um objeto ou uma distância parecem mais curtos do que são na realidade. O termo deriva do verbo italiano scorciare que significa encurtar. Isso ocorre em função do ângulo adotado em relação ao espectador, sendo um exemplo extremo da perspectiva linear.[1]

O escorço da figura humana foi aperfeiçoado no Renascimento italiano. A pintura Lamentação sobre o Cristo Morto, de Andrea Mantegna (1480), é um dos mais famosos exemplos de obras que mostram a nova técnica do período, a qual foi incorporada no currículo padrão para a formação dos artistas.[1]

Abordagens[editar | editar código-fonte]

O escorço de um modelo pode ser desenhado, imaginando-o dentro de uma caixa. No entanto o desenho dessa caixa pode ser de natureza cônica ou cilíndrica.

Cônica[editar | editar código-fonte]

No Renascimento o escorço parecia surpreender mais os espectadores. Com o desenvolvimento da perspectiva com pontos de fuga, os objetos passaram a ser posicionados no campo visual em tamanhos muito precisos, o que fez com a técnica fosse sendo cada vez menos utilizada.[1]

Cilíndrica[editar | editar código-fonte]

Posteriormente definiram-se coeficientes de redução para os elementos que se afastavam do observador, para que a impressão visual fosse a mais correta possível. Esses coeficientes são frequentemente aplicados nas perspectivas em projeção cilíndrica oblíqua (paralela).[2]

Referências

  1. a b c Andrew Graham-Dixon. Arte, o guia visual definitivo. [S.l.]: Publifolha, 2012. 612 pp. p.20.
  2. Machado, Ardevan - Perspectiva. São Paulo: Grêmio Politécnico, 1983, p. 252.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.