Espasticidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Espasticidade
Classificação e recursos externos
CID-10 R25.2
DiseasesDB 20872
MedlinePlus 003297
eMedicine neuro/706 pmr/177
MeSH D009128
Star of life caution.svg Aviso médico

Espasticidade é quando ocorre um aumento do tônus muscular, envolvendo hipertonia e hiperreflexia, no momento da contração muscular, causado por uma condição neurológica anormal. Os músculos espásticos são mais resistentes à extensão e tendem à contração, porém, quando realizado o movimento passivo, tendem a oferecer uma certa resistência e, mantendo a força constante, do movimento passivo, os músculos espásticos tendem a ceder. É um dos distúrbios motores mais frequentes e incapacitantes que ocorrem em pacientes com lesões no sistema nervoso.[1] ik, Ela causa um déficit motor que compromete a realização das tarefas diárias e limita a funcionalidade dos membros afetados. É causada por uma condição neurológica anormal resultante de uma lesão no cérebro. A espasticidade pode ser observada nas lesões dos neurônio Córtico-retículo bulbo-espinhais. Quando não são tratadas podem agravar podendo levar a atrofia muscular e deformidades. Esta condição afeta adultos e crianças com uma grande variedade de patologias agudas e crônicas como acidente vascular encefálico, traumatismo raquimedular e crânio-encefálico, esclerose múltipla, paralisia cerebral entre outras. A espasticidade é o distúrbio motor que mais compromete e incapacita o indivíduo, pois dificulta o seu posicionamento confortável, prejudica as tarefas da vida diária como: alimentação, locomoção, transferência e os cuidados de higiene. Quando não tratada causa contraturas, rigidez, luxações, dor e deformidades.

Escala Modificada Ashworth[editar | editar código-fonte]

Usada na avaliação da gravidade da espasticidade, varia de 0 a 4:

  • 0 nenhum aumento no tônus muscular;
  • 1 Leve aumento do tônus muscular, manifestado por uma tensão momentânea ou por resistência mínima, no final da amplitude de movimento articular (ADM), quando a região é movida em flexão ou extensão;
  • 1+ Leve aumento do tônus muscular, manifestado por tensão abrupta, seguida de resistência mínima em menos da metade da ADM restante;
  • 2 Aumento mais marcante do tônus muscular, durante a maior parte da ADM, mas a região é movida facilmente;
  • 3 Considerável aumento do tônus muscular, o movimento passivo é difícil;
  • 4 Parte afetada rígida em flexão ou extensão.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A fisioterapia ajuda a aliviar os sintomas, diminuir a progressão, melhorar a coordenação motora e a funcionalidade sendo um dos tratamentos mais usados e eficazes contra os distúrbios motores com ou sem o auxílio de órteses.

Estimulação elétrica funcional também pode ser usada independente do tempo de lesão sendo mais eficazes em casos leves e moderados.

A terapia ocupacional pode ser usada para treinar o indivíduo em atividades práticas e funcionais trazendo diversos benefícios aos pacientes.

Vários tratamentos medicamentosos também são eficazes para reduzir o tônus muscular e controlar os reflexos e melhorar a qualidade de vida. Os remédios mais utilizados são Benzodiazepínicos como Diazepam e antiespasmódicos como Baclofeno. Ambos causam sonolência.

Injeção com fenol podem ser feitas para destruir a bainha de mielina das fibras sem danificar o tubo endoneural diminuindo assim o tônus muscular. Pode causar dor e dormência no local. Porém em 10 a 30% dos casos ela diminui a sensibilidade no local.

Caso outros tratamentos não resolvam podem usadas injeções de toxinas botulínicas(neurotoxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum) do tipo A (TBA) para bloquear a liberação da acetilcolina na terminação dos neurônios (pré-sináptica) provocando paresia muscular. Os efeitos levam entre 3 a 10 dias para serem sentidos. Esse tratamento é contra indicado no caso de haver outras doenças associadas no local, alergia ao botox e no caso de grávidas ou lactantes.O tratamento com TBA em pacientes espásticos possibilita uma reeducação neuromuscular, o que auxilia na ação da fisioterapia no processo da reabilitação. A fisioterapia tem como objetivo a inibição da atividade reflexa anormal para normalizar o tônus muscular e facilitar o movimento normal, com isso haverá uma melhora da força, da flexibilidade, da amplitude de movimento, dos padrões de movimento e, em geral, das capacidades motoras básicas para a mobilidade funcional. Com eficiência comprovada e poucos efeitos colaterais, a TBA vem se tornando a principal arma na terapia de reabilitação de pessoas com espasticidade.

Referências

  1. Leitão AV, Musse CAI, Granero LHM, Rossetto R, Pavan K, Lianza S. Espasticidade: Avaliação Clínica. Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação. 26 de junho de 2006

2.CAMPOS, Carmindo Carlos Cardoso. UTILIZAÇÃO DA TOXINA BOTULÍNICA E FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DA ESPASTICIDADE. http://www.wgate.com.br/fisioweb

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Guia médico de avaliação: http://www.projetodiretrizes.org.br/5_volume/18-Espasticid.pdf

Guia médico de diagnóstico e tratamento: http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/048.pdf