Esquadrão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esquadrão de cavalaria do Exército Suíço.

O esquadrão é um tipo de pequena unidade militar. Normalmente, a designação "esquadrão" é aplicada às subunidades de cavalaria de escalão equivalente ao da companhia, sob o comando de um capitão e divididas em pelotões. Nas forças armadas de diversos países, o termo "esquadrão" também é aplicado a unidades aéreas, navais e de outras armas terrestres.

História[editar | editar código-fonte]

Terço espanhol do século XVII, formado em esquadrão.
Esquadrão de cavalaria pesada do Exército Bávaro, no início do século XX.

Até meados do século XVII, designava-se "esquadrão" a formação tática de infantaria que adoptavam os terços dos exércitos ibéricos em combate. Os esquadrões eram blocos geométricos, normalmente em forma de quadrado, que podiam englobar até 8000 piqueiros, arcabuzeiros e mosqueteiros. Os esquadrões podiam, além disso, ser apoiados por cavalaria e por artilharia. Nos flancos dos esquadrões, formavam-se as mangas (pequenos quadrados de arcabuzeiros ou mosqueteiros) que os apoiavam e defendiam.

A partir do século XVIII, a designação "esquadrão" passou a ser aplicada às unidades de cavalaria aproximadamente equivalentes ao batalhão de infantaria. Na maioria dos exércitos europeus, cada esquadrão formava a quarta parte de um regimento de cavalaria, englobando, por sua vez, duas ou três companhias de cavalaria.

No final do século XIX, a grande maioria dos exércitos europeus ou de inspiração europeia deixou de usar o termo "companhia" na arma de cavalaria, substituindo-o pelo termo "esquadrão". O esquadrão passou, então, a ser a subunidade de cavalaria equivalente à companhia de infantaria. Por sua vez, a unidade de cavalaria equivalente ao batalhão passou a ser designada "grupo de esquadrões" ou "regimento".

No século XX, com a transformação progressiva das unidades de cavalaria hipomóvel em unidades motorizadas ou blindadas, a designação "esquadrão" manteve-se por tradição como designação das unidades deste tipo.

Hoje em dia, em grande parte dos exércitos do mundo, a designação "esquadrão" é aplicada às subunidades da cavalaria ou das armas que são herdeiras das tradições da antiga cavalaria. Assim, além de esquadrões a cavalo - hoje em dia, praticamente cerimoniais - existem esquadrões de carros de combate, esquadrões de reconhecimento blindado, esquadrões de helicópteros e outros. Conforme o exército, dentro de cada unidade, cada esquadrão é identificado por um número (Nº.1, Nº.2, Nº.3, etc.), por uma letra (A, B, C, etc.) ou por um ordinal (1º, 2º, 3º, etc.).

O esquadrão por países[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos da América[editar | editar código-fonte]

No Exército dos EUA, o esquadrão é a unidade de cavalaria equivalente ao batalhão nas outras armas. Cada esquadrão está dividido em tropas (troops) equivalentes a companhias. Até 1883, a cavalaria dos EUA organizava-se em companhias que se agrupavam diretamente em regimentos, não existindo nem tropas nem esquadrões. Hoje em dia, a designações "tropa" e "esquadrão" são aplicadas a algumas unidades de blindados e de aviação do exército, associadas historicamente à cavalaria.

França[editar | editar código-fonte]

No Exército de Terra francês, o esquadrão é a subunidade da Arma Blindada e Cavalaria (ABC), equivalente à companhia e agrupando, tipicamente, 13 blindados. Na ABC, cada esquadrão é comandado por um capitão que, por isso é também designado "chefe de esquadrão". O seu superior - equivalente ao major em outros exércitos - é designado "chefe de esquadrões", em virtude de comandar um grupo de dois ou mais esquadrões.

No passado, o esquadrão era a unidade de artilharia do Exército Francês equivalente ao batalhão. Por isso mesmo, na artilharia, o posto de oficial de patente equivalente a major é designado "chefe de esquadrão" que é, portanto, hierarquicamente superior ao chefe de esquadrão da ABC.

Portugal[editar | editar código-fonte]

No Exército Português, o esquadrão é a unidade de cavalaria equivalente à companhia e à bateria. Os esquadrões operacionais podem ser independentes ou estar agrupados em grupos, existindo atualmente:

  • Esquadrões de reconhecimento: cada um incluindo três pelotões de reconhecimento e um de morteiros;
  • Esquadrões de carros de combate: cada um incluindo três pelotões de carros de combate;
  • Esquadrões de Polícia do Exército: no Regimento de Lanceiros Nº 2;
  • Esquadrões de comando e serviços: um em cada regimento de cavalaria e no Grupo de Carros de Combate, incluindo pelotões de manutenção, de transporte, de saúde, de obras, de transmissões e de sapadores;
  • Esquadrões de apoio de combate: no Grupo de Carros de Combate, incluindo pelotões anticarro e de morteiros.

Na Guarda Nacional Republicana, o esquadrão também é a unidade de cavalaria equivalente à companhia. Na GNR existem:

  • Esquadrões a cavalo: montados a cavalo, usados como força cerimonial, para policiamento em parques urbanos e zonas rurais ou para manutenção e reposição da ordem pública;
  • Esquadrões motoblindados: equipados com veículos blindados e motociclos, usados como força de intervenção ou de escolta motorizada;
  • Esquadrão Presidencial: usado para guarda do Presidente da República.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Na cavalaria do Exército Brasileiro o esquadrão também é uma unidade equivalente à companhia e à bateria da infantaria e artilharia respectivamente. Os esquadrões de combate podem ser independentes quando subordinados diretamente a uma brigada de infantaria ou de cavalaria, ou serem orgânicos de um regimento de cavalaria, que por sua vez sempre são subordinados a uma brigada de cavalaria, alguns exemplos são:

  • Esquadrão de Cavalaria Paraquedista (independente de um regimento de cavalaria, se subordina diretamente ao comando da Brigada de Infantaria Paraquedista);
  • Esquadrões de fuzileiros (orgânicos dos regimentos de cavalaria blindados);
  • Esquadrões de blindados (orgânicos dos regimentos de cavalaria mecanizados);
  • Esquadrões de carros de combate (orgânicos dos regimentos de carros de combate).

Já na aviação do Exército Brasileiro, há uma peculiaridade onde os esquadrões não são equivalentes a subunidades, como a companhia e à bateria, na aviação do Exército Brasileiro os esquadrões são unidades equivalentes aos regimentos da cavalaria, grupos da artilharia e batalhões das demais armas do Exército Brasileiro. Apesar de oficialmente serem denominados batalhões de aviação do Exército, recebem denominações históricas de esquadrões, como os:

Na Força Aérea Brasileira também há esquadrões para designar as unidades aéreas, como o Esquadrão Jaguar que opera aviões caças a partir da Base Aérea de Anápolis. Mas a Infantaria da Aeronáutica também possuem seus esquadrões, sendo o mais conhecido o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR), unidade de elite da Força Aérea Brasileira que está baseado atualmente na Base Aérea de Campo Grande.

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

No Exército Britânico e, em muitos exércitos da Commonwealth, a designação "esquadrão" - além de ser aplicada às subunidades de Cavalaria equivalentes à companhia na Infantaria - também é aplicada às subunidades, equivalentes, de aviação do exército, engenharia, transmissões, saúde militar, logística e transportes. O esquadrão é, também, a subunidade operacional dos regimentos do SAS. Por tradição, alguns esquadrões britânicos são baptizados com o nome de uma batalha em cujo regimento tenha tido uma participação notável.

Esquadrão naval[editar | editar código-fonte]

As marinhas dos países anglo-saxónicos usam o termo "esquadrão" (em Inglês: squadron) como equivalente e em vez do termo "esquadra". Nessas marinhas, um esquadrão naval é um agrupamento de navios de grandes dimensões (tradicionalmente couraçados, cruzadores de batalha e cruzadores), normalmente, sob o comando de um oficial general. Hoje em dia, existem também esquadrões de porta-aviões, contratorpedeiros, fragatas e submarinos.

Esquadrão aéreo[editar | editar código-fonte]

O esquadrão é a unidade básica de voo de diversas forças aéreas. Em outras forças aéreas - como na Força Aérea Portuguesa - a unidade equivalente é designada "esquadra". Tipicamente, cada esquadrão inclui entre 12 e 25 aeronaves, sendo comandado por um tenente-coronel ou major. Cada esquadrão pode estar dividido em, entre, duas a quatro esquadrilhas. Vários esquadrões podem agrupar-se num grupo ou numa ala.

Por extensão e por tradição, muitas das forças aéreas, que usam o termo "esquadrão" para designar as suas unidades de voo, também o usam para designar as suas unidades de apoio no solo.

Fontes[editar | editar código-fonte]