Esquemas táticos do futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Este artigo sobre futebol não cita fontes fiáveis e independentes. (desde março de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

No futebol, os esquemas táticos (ou formações) são as formas de um técnico escalar sua equipe dentro de campo. As duas posições são: goleiro (ou guarda-redes) e os jogadores de linha. Mas, com o desenrolar da história desse esporte, foram criados vários tipos de posições, e conseqüentemente, esquemas táticos, alguns mais ofensivos, outros mais defensivos e com diferentes formas de se tornar equilibrado (atacar e defender com a mesma eficiência).

Todos os esquemas possuem diferenças em sua configuração (principalmente no meio-campo), e também na forma de como cada jogador é orientado. Os esquemas são tipicamente identificados por três números, que indicam o número de jogadores na defesa, meio-campo e ataque, respectivamente.

O primeiro esquema tático lógico foi o 4-2-4, quando se acreditava que o objetivo do futebol era marcar gols. Hoje em dia, o futebol se preocupa cada vez mais em não sofrer gols, por isso há muito tempo não se vê uma equipe jogando nesse esquema, que começou a perder espaço para o 3-4-3 e 4-3-3, até que foi extinto pelos treinadores e especialistas. Atualmente, os esquemas táticos mais usados são o 4-4-2 e o 3-5-2.

A FIFA reconhece apenas seis sistemas táticos (1-1-8; W.M; 4-2-4; 4-3-3 4-4-2; 3-5-2). Os demais são considerados variações destes já existentes[1] . Segundo Carlos Alberto Parreira "os sistemas de jogo não são a coisa mais importante, mas fazem a diferença. Sem o mínimo de organização, não dá para jogar futebol profissional."[2]

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Líbero, 2º volante, meia de ligação, ala, centro-avante fixo, ponta-de-lança são alguns dos termos usados no contexto de formações táticas específicas. O termo centro-avante, por exemplo, gera alguma confusão com o termo atacante: atualmente, centro-avante é o atacante que tem presença de área, que vem de trás para pegar o rebote e que joga entre os zagueiros. Alguns jogam frequentemente de costas para a meta, se tornando uma espécie de pivô no futebol.

Lista de esquemas táticos[editar | editar código-fonte]

"Carrossel" ou "Futebol Total"[editar | editar código-fonte]

É um esquema tático criado pelo técnico holandês Rinus Michels tem como finalidade que cada jogador assuma uma posição no campo aleatoriamente, ou seja sem posição fixa, menos o goleiro, é claro, e é considerado a maior demonstração de futebol total com todos atacando e defendendo.

Na copa do Mundo na Alemanha em 1974, a Holanda de Johan Cruyff mostrou ao mundo a grande inovação tática, mas caiu perante a Alemanha Ocidental de Franz Beckenbauer perdendo de 2 a 1 na final.

1-1-8[editar | editar código-fonte]

Essa foi a primeira estratégia que apareceu no futebol. Tem-se registro dela em 1863. Usada até 1871, essa tática continha apenas um homem de defesa e um meio-campista, enquanto formava-se uma linha de oito jogadores de frente.

1-2-7[editar | editar código-fonte]

A tática primeiramente usada no futebol inglês, delegava outro atleta para o meio campo, que atuavam como armadores e/ou volantes

2-2-6[editar | editar código-fonte]

Marcou o período de 1872 a 1883. Tinha maior preocupação com a defesa, com dois backs e dois meias, ainda tinham 6 homens de frente, mas eles tinham funções ofensivas. Eram dois pontas, dois atacantes internos e dois centroavantes.

2-3-5, ou Pirâmide[editar | editar código-fonte]

A partir de 1883, a formação adotada por praticamente todo mundo do futebol foi o 2-3-5, conhecida como “Pirâmide”, ou “Sistema Clássico” por ser o esquema tático que vigorava na época em que o futebol começa a ser 'exportado' da Grã-Bretanha para o mundo. Possuía dois zagueiros, três meias ofensivos e cinco atacantes, sendo dois nas pontas, dois segundos atacantes e um centro-avante, o que denota o início da preocupação dos técnicos em povoar a parte central do campo. O esquema 2-3-5 foi muito utilizado até a Copa de 1938.

WM[editar | editar código-fonte]

Com a mudança na lei de impedimento no fim dos anos 20 (a partir daquele momento um atacante teria de ficar atrás de dois homens de defesa e não de três como era anteriormente) o professor de geometria e treinador do Arsenal Herbert Chapman armou um esquema que mudaria o futebol e seria base de praticamente todas as equipes do mundo. O WM (3-2-2-3 ou até 3-4-3) consistia em três defensores - sendo dois laterais e um zagueiro -, dois meias de arranque, algo como os volantes, e dois enganches ou meias armadores. Na frente, dois pontas e um centroavante, a colocação dos atletas lembrava um W e um M, por isso o nome da formação. Ainda mais interessante foi que nessa estratégia foi colocado um quadrado mágico no meio, não pelos atletas serem excepcionais, e sim por que a forma do meio campo poderia ser mudada de acordo com a necessidade do time, um meia de arranque poderia ir ajudar na armação e vice-versa.

3-3-3-1[editar | editar código-fonte]

"Inventado" por El Loco Marcelo Bielsa na boa seleção chilena de 2010, foi uma das bases usadas por Guardiola no Super-Barcelona. O time constava com três defensores, sendo que os dois do lado podem sair para jogar, um volante, dois meias abertos, uma linha de três meias-atacantes e um centroavante fixo.

3-3-4[editar | editar código-fonte]

Neste sistema é utilizado dois zagueiros e um dos laterais na defesa. Compondo o meio-campo, outro lateral fica como meio-campo defensivo, enquanto o volante fica como meio-campo central junto a um dos meias-armadores. O outro meia-armador fica como atacante junto com os três atacantes.

3-4-3[editar | editar código-fonte]

3-4-3.

A sua primeira aparição foi na Copa do Mundo de 1962, na sua defesa existe um líbero que faz a cobertura das jogadas, nos lados do meio-campo, um ala defensivo, e um ponteiro. Além de três atacantes, sendo dois pontas de lança e um centro avante.

3-5-2[editar | editar código-fonte]

O segundo mais utilizado atualmente, possui um meio-campo com dois volantes e 2 laterais avançados e sem obrigação de marcar, assim denominados alas. Com dois centro-avantes que recebem bolas cruzadas na área pelos alas.

O 3-5-2 é um esquema tático com três jogadores na defesa, cinco jogadores no meio-campo e dois jogadores no ataque.

Este esquema surgiu na Europa, como opção menos defensiva que o 4-4-2. Na defesa, foi adicionado um zagueiro e o último jogador da defesa é conhecido como líbero. Os laterais foram colocados mais à frente, e passaram a ser chamados de alas.

O líbero tem importância fundamental neste esquema. É ele o jogador que orienta a defesa, desarma adversários e cria as jogadas de ataque. Para este ataque funcionar, o meio-campo deve ter jogadores com capacidade de marcação.

No lado defensivo do esquema, cada zagueiro fica incumbido de marcar um atacante, enquanto o líbero, que pode se posicionar na frente ou atrás da defesa, "na sobra", auxiliando o setor defensivo. Os meias protegem a entrada da área e os alas cuidam das laterais.

3-5-2 Dinamarquês[editar | editar código-fonte]

Sepp Pionek, o alemão que treinava a Dinamarca semifinalista da Euro 84 inovou num esquema de três zagueiros que não era defensivo. O líbero saía para o jogo quando o time estava com a posse de bola, chegando a incorporar o meio campo e, em alguns casos, o ataque. O esquema era composto por um linha de três defensores, no meio campo havia um volante, dois alas, e dois meias armadores; e dois centroavantes um pouco abertos. O sistema foi muito utilizado na Europa nos anos 90.

3-6-1[editar | editar código-fonte]

3-6-1.

O 3-6-1, é um esquema tático com três jogadores na defesa, dois como volante, dois no meio-campo, um na lateral-direita, um na lateral-esquerda e somente um atacante.

É uma tática muito rara em partidas de futebol, pois várias equipes já adotaram o 4-4-2, 3-5-2 e 4-5-1.

No lado ofensivo, ambos os meias e os laterais sobem ao ataque, um volante fecha o meio-campo e o outro fica de sobra na intermediária. No lado defensivo, os laterais e os volantes voltam, e os meias ficam na intermediária de seu clube.

4-1-3-2[editar | editar código-fonte]

Formação que consiste em atacar, pois e composta por dois pontas-de-lança, um médio ofensivo e ainda dois médios laterais o que faz com que o jogo corra muito pelas alas.

4-2-4[editar | editar código-fonte]

4-2-4.

O 4-2-4 é composto por 4 defensores, 2 meio-campo e 4 atacantes. Foi um esquema popular nas décadas de 1940 e 50.

O esquema funciona com os laterais atuando na defesa além dos zagueiros, então os laterais não avançam muito.No meio-campo, só direita e esquerda onde ambos ficam de sobra, pois na área já tem os 4 atacantes, além disso, eles precisam cuidar para impedir um contra-ataque do oponente. No ataque, ambos avançam, quando seu time não ataca, 2 deles voltam para o meio-campo e dois ficam mais avançados.

4-3-3[editar | editar código-fonte]

4-3-3.

O 4-3-3 é conhecido como um esquema tático com quatro jogadores na defesa, três jogadores no meio-campo (com um ou dois volantes) e três jogadores no ataque (dois pontas e um atacante).

Este esquema foi popular no final da década de 1960 e início da década de 1970, tendo sido usado pela Holanda na Copa de 1974.

Do lado ofensivo do esquema, os pontas e os laterais sobem para o ataque, acabando por desarmar a defesa adversária --- já que o lateral adversário se vê obrigado a marcar dois jogadores. E, no aspecto defensivo, os três homens de frente auxiliam na marcação dos laterais/volantes adversários.

O esquema 4-3-3 mostrou-se mais eficiente nas equipes em que os jogadores de ataque, especialmente os que atuavam pelos flancos do campo, eram velozes, dinâmicos e capazes de ajudar na marcação. O fato de o meio-campo, teoricamente, ser composto por três jogadores faz com que a equipe dependa muito de um meia de ligação talentoso, pois se os outros dois homens de meio forem mais marcadores do que técnicos, as jogadas de ataque, em sua maioria, dependerão do jogador de criação. No entanto, muitas das equipes que adotam o esquema na atualidade apresentam volantes (também conhecidos como "volantes modernos"), polivalentes, versáteis e capazes de auxiliar na criação de jogadas ofensivas. Ainda no aspecto ofensivo, é muito conhecida a possibilidade de triangulação entre laterais e atacantes que atuem pelos flancos, criando jogadas de grande eficiência se efetuadas com velocidade e inteligência.

4-3-2-1[editar | editar código-fonte]

O 4-3-2-1, ou árvore de natal, é considerado uma variação ofensiva do 4-3-3, utilizado principalmente a partir da Copa do Mundo de 2010. A defesa consiste em uma linha de quatro (dois laterais e dois zagueiro), protegida por dois volantes. A linha de meio campo é composta por um meia armador centralizado e dois meia-atacantes pelos flancos, que podem tanto ajudar na marcação (ao compor a linha de meio campo junto dos volantes) como no apoio (ao posicionarem-se como os pontas do esquema 4-3-3), ao lado do centro-avante.

4-4-2[editar | editar código-fonte]

O mais utilizado atualmente, começou a ser usado nos anos 70. É o modo 4-4-2

4-4-2 Inglês[editar | editar código-fonte]

O 4-4-2 Inglês, criado pelo Sir Alf Ramsey, utilizou como base o 4-2-4 básico, onde os pontas foram recuados e criou os Wingers - o meia de lado que está em praticamente todos os times da Premier League e na seleção inglesa até hoje. O esquema consistia numa linha defensiva de quatro, outra linha de quatro no meio campo, com dois meias abertos, um volante e um central que armava o jogo. Na frente, dois centroavantes fixos -geralmente altos e fortes. Foi aí que começou o show de cruzamentos que era habitual no futebol inglês.

4-5-1[editar | editar código-fonte]

4-5-1.

O 4-5-1 é um esquema de jogo razoavelmente moderno dentro do mundo do futebol.

Esse esquema de jogo consiste em utilizar 4 defensores (2 zagueiros centrais e 2 laterais), 5 jogadores de meio-campo e apenas 1 atacante, além do goleiro. Muitas equipes utilizam um desdobramento do 4-5-1, o 4-4-1-1, que ao invés de jogar com uma linha de 5 jogadores no meio-de-campo, utilizam uma linha de 4 jogadores no meio-de-campo e 1 meia-atacante(como atuou Zidane na Copa do Mundo Fifa de 2006).

Esse esquema permite uma melhor distribuição dos jogadores em campo na marcação, quando o time não tem a bola. Normalmente é usado o sistema de "back line", isto é: todos os jogadores atrás da linha da bola participando diretamente da marcação, às vezes com exceção do atacante.

Jogar desta forma também permite às equipes uma transição rápida para o ataque. O meio-campo normalmente se distribui com dois jogadores pelos lados e três mais centralizados. Assim, geralmente quando o time retoma a bola, os meio-campistas das pontas encostam no atacante se tornando praticamente pontas. Os outros três meio-campistas saem com a bola e organizam o jogo na tentativa de chegar ao ataque.

Assim, o sistema ofensivo de jogo se torna praticamente um 4-3-3 à moda antiga, podendo variar a um 3-4-3 com a subida de um lateral. O sistema defensivo varia entre o 4-5-1, o 4-6-0 (quando o atacante entra no "back line") e um 5-4-1 ou 5-5-0 (se um meio-campista voltar para fazer a função de líbero)

Os melhores exemplos de equipes que atuam ou atuaram no 4-5-1 são a França, Portugal a Itália e a Noruega, cada uma dentro das suas características próprias de sistemas ofensivo e defensivo.

Uma variação frequente do 4-5-1 se caracteriza por um meio-campo constituído de 2 volantes e 3 meias ofensivos, sendo dois abertos e um centralizado. A seleção brasileira, vencedora da Copa das Confederações 2013, utilizou esse esquema.

4-6-0[editar | editar código-fonte]

O 4-6-0 é um esquema tático com quatro defensores, 6 meio-campo e nenhum atacante.

É usado quando seu time está sendo pressionado pelo adversário no esquema 4-5-1, sendo que o atacante volta ao meio-campo para ajudar a marcação. Uma tática muito nova, foi criada no final dos anos 90. Ainda é pouco usado, pois as equipes usam o 4-5-1 ou o 5-4-1, para táticas muito defensivas. Tática bastante defensiva usada para combater o favoritismo de uma equipa, para reduzir o poderio ofensivo de uma equipa.

5-3-2[editar | editar código-fonte]

5-3-2.

Uma tática muito defensiva no futebol, que é nova, criada nos anos 90.

Uma tática usada apenas quando seu time está na defesa para segurar algum resultado. Mas também é usada por alguns clubes quando se tem um jogo difícil de ganhar ou de empatar. Funciona assim: os defensores contam com os laterais, que ficam mais atrás, há o líbero, e mais dois zagueiros. Os meias, todos avançam junto com os atacantes, porém os meias também voltam, os atacantes não. Nunca os dois laterais avançam, é costume nenhum avançar.

5-4-1[editar | editar código-fonte]

Formação de caráter extremamente defensivo, é constituída por três zagueiros, dois laterais, dois meias-ofensivos/armadores (normalmente), dois volantes e somente um atacante.

5-5-0[editar | editar código-fonte]

O 5-5-0 é uma tática com cinco defensores (2 laterais, 2 zagueiros e um líbero) e cinco no meio-campo (2 volantes e três meias), é uma das mais defensivas táticas de uma equipe, uma tática muito usada para segurar o ataque da equipe adversária(quando sua equipe está ganhando uma partida complicada e com o adversário tentando empatar a partida).

Tudo acontece quando sua equipe está ganhando a partida por um gol de diferença, na tática 5-4-1 e o adversário pressiona para tentar empatar, então o único atacante de sua equipe fica no "back line", isto é, volta para ajudar na marcação no meio-campo, deixando assim de ser atacante.

Caso sua equipe sofra o empate, aí o técnico terá que mudar o 5-4-1, para o 4-3-3, 3-4-3, 3-3-4 ou até mesmo o 4-2-4.

5 x 5 reversível[editar | editar código-fonte]

Tática adotada pela equipe do Entrerriense FC no Campeonato Carioca na década de 1990.[3]

Catenaccio[editar | editar código-fonte]

Gioco all'italiana[editar | editar código-fonte]

Futebol Científico[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. clicrbs.com.br/ Tática no futebol
  2. veja.abril.com.br/ Para entender a sopa de números e letras
  3. entreriosjornal.com.br/ “Nosso futebol profissional, dividido, não chegará a lugar nenhum”

Ligações externas[editar | editar código-fonte]