Esquizoanálise

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O termo esquizoanálise vem do germânico skhízein (esquizo) que significa fender, dividido, dual, dualidade, e análise, que significa a divisão do todo em partes, exame de cada parte de um todo, processo filosófico por meio das relações entre os efeitos e as causas, o particular e o geral, o simples e o composto. A esquizoanálise também preocupa-se com os sujeitos, os grupos e as instituições, na sua composição com o mundo1 .

Conceituação[editar | editar código-fonte]

A cada momento, o ser humano é controlado por forças que se disputam suas intensidades na imanência biopolítica, as quais promovem encontros que ora cristalizam o sujeito nos seus valores e enunciados.

Desenvolvida por Gilles Deleuze e Felix Guattari, a Esquizoanálise é uma concepção da realidade em todas suas superfícies, processos e entes, e também nas suas individuações inventivas como acontecimentos-devires. Para esta concepção, a produção, o registro e o desejo revolucionários são imanentes e produtores de toda a realidade. Consiste em uma leitura da realidade, tanto natural, quanto social, subjetiva e industrial-tecnológica.

Vertentes[editar | editar código-fonte]

Esquizodrama[editar | editar código-fonte]

Baseado na Esquizoanálise de G. Deleuze e F. Guattari, assim como em filosóficas e artísticas de diversos autores, especialmente de Antonin Artaud, o Esquizodrama foi criado por Gregorio F. Baremblitt e colaboradores já faz quarenta anos, de acordo com um paradigma político-estético. Trata-se de um procedimento que pode ser utilizado em organizações, estabelecimentos e grupos , com finalidades terapêuticas, pedagógicas e organizativas, consubstanciadas em um propósito inventivo.

Doença x Saúde[editar | editar código-fonte]

A esquizoanálise é muito mais que uma prática clínica, sua intenção é romper com as barreiras da estrutura linguística dos saberes instituídos em troca de um saber subterrâneo ao qual Deleuze e Guattari chamaram de rizoma, termo extraído da botânica2 . Daí que a esquizoanálise tem lugar somente em modelos de estudos que pretendam romper com o diagnóstico médico que através de códigos de doenças formam a base do padrão clínico da medicina e psicologia clássicas, "enquadrando" o sujeito em categorias básicas que o impedem de trocar informações com outros territórios e o cristalizam em uma subjetividade natural que não o pertence3 .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Autores relacionados

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. DELEUZE, G. e GUATTARI, F. Mil platôs, capitalismo e esquizofrenia volume 1. Editora 34: São Paulo. 2000
  2. DELEUZE, G. e GUATTARI, F. O anti édipo, capitalizmo e esquizofrenia 1. Assírio & Alvim: Lisboa. 2004
  3. GUATTARI, F. Caosmose, um novo paradigma estético. Editora 34: Rio de Janeiro. 2006