Esquizofrenia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esquizofrenia
Ouvir vozes, paranoia, ver algo que ninguém mais vê, crenças extremistas mal fundamentadas, descuido com si mesmo, hostilidade, fala incompreensível e mudança na personalidade são alguns dos possíveis sintomas de esquizofrenia.[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 F20
CID-9 295
OMIM 181500
DiseasesDB 11890
eMedicine med/2072 emerg/520
MeSH F03.700.750
Star of life caution.svg Aviso médico

Esquizofrenia (do grego σχιζοφρένεια, composto de σχίζειν, "dividir em dois", e φρήν, φρεν-, "mente") é considerada pela psicopatologia como um tipo de sofrimento psíquico grave, caracterizado principalmente pela alteração no contato com a realidade (psicose). Segundo o DSM-IV, é um transtorno psíquico severo caracterizado por dois ou mais dentre o seguinte conjunto de sintomas por pelo menos um mês: alucinações visuais, sinestésicas ou auditivas, delírios, fala desorganizada (incompreensível), catatonia ou/e sintomas depressivos.[2]

O tratamento é feito à base de medicação antipsicótica, que basicamente suprime a actividade dos receptores de dopamina. Aconselhamento, formação profissional e sobretudo reinserção social são alguns dos pontos também muito importantes no tratamento. Em casos de maior gravidade, onde há risco de danos psicológicos ou físicos para a própria pessoa ou para os que à sua volta vivem, é por vezes necessário o internamento involuntário. Com o passar dos anos, o tempo de internamento e o numero de internamentos têm vindo a reduzir.[3]

Juntamente com a paranoia (transtorno delirante persistente, na CID-10), o transtorno esquizofreniforme e o transtorno esquizoafetivo, as esquizofrenias compõem o grupo das psicoses. É hoje encarada não como doença, no sentido clássico do termo, mas sim como um transtorno mental, podendo atingir pessoas de qualquer idade, gênero, raça, classe social e país. Segundo estudos da OMS, atinge cerca de 1% da população mundial.

Classificação[editar | editar código-fonte]

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID), na CID-10, publicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), conclui que "num certo número de casos, que varia segundo as culturas e as populações, a evolução dirige-se para uma cura completa ou quase completa"[4] .

DSM-IV[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico da esquizofrenia, como sucede com a grande maioria dos transtornos mentais e demais psicopatologias, não se pode efetuar através da análise de parâmetros fisiológicos ou bioquímicos e resulta apenas da observação clínica cuidadosa das manifestações do transtorno ao longo do tempo. Quando do diagnóstico, é importante que o médico exclua outras doenças ou condições que possam produzir sintomas psicóticos semelhantes (uso de drogas, epilepsia, tumor cerebral, alterações metabólicas). O diagnóstico da esquizofrenia é por vezes difícil.

Para além do diagnóstico, é importante que o profissional identifique qual é o subtipo de esquizofrenia em que o doente se encontra. Atualmente, segundo o DSM IV, existem cinco tipos:[5]

  • Paranoide — é a forma que mais facilmente é identificada com a doença e na qual predominam os sintomas positivos. O quadro clínico é dominado por um delírio paranóide relativamente bem organizado. Os doentes de esquizofrenia paranóide são desconfiados, reservados, podendo ter comportamentos agressivos.[6]
  • Desorganizado — em que os sintomas afetivos e as alterações do pensamento são predominantes. As ideias delirantes, embora presentes, não são organizadas. Em alguns doentes pode ocorrer uma irritabilidade associada a comportamentos agressivos. Existe um contacto muito pobre com a realidade.[6]
  • Catatônico — caracterizado pelo predomínio de sintomas motores e por alterações da atividade, que podem variar desde um estado de cansaço e acinesia até à excitação.[6]
  • Indiferenciado — que apresenta habitualmente um desenvolvimento insidioso com um isolamento social marcado e uma diminuição no desempenho laboral e intelectual. Observa-se nestes doentes uma certa apatia e indiferença relativamente ao mundo exterior.[6]
  • Residual — em que existe um predomínio de sintomas negativos: os doentes apresentam um isolamento social marcado por um embotamento afetivo e uma pobreza ao nível do conteúdo do pensamento.[6]

Existe também a denominada esquizofrenia hebefrênica, que incide desde a adolescência, com o pior dos prognósticos em relação às demais variações da doença e com grandes probabilidades de prejuízos cognitivos e socio-comportamentais.

Estes subtipos não são estanques, em determinada altura da evolução do quadro, a pessoa pode apresentar aspectos clínicos que se identificam com um tipo de esquizofrenia e, ao fim de algum tempo, pode reunir critérios de outro subtipo. Outro critério de classificação muito usado é a CID-10 (Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde). A CID é usada no Brasil e foi adotada como referência para profissionais de saúde do SUS. Sua maior vantagem está na possibilidade de traçar perfis epidemiológicos que facilitam a tomada de decisões pelas esferas do governo no que se refere à formulação de políticas e a realização de investimentos na área de saúde mental.

Atualmente todos os tipos de esquizofrenia foram fundidos em um diagnóstico denominado de espectro esquizofrênico ( de acordo com o DSM 5 e organização mundial da saúde) .

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A esquizofrenia, talvez o transtorno mental de maior comprometimento ao longo da vida, caracteriza-se essencialmente por uma fragmentação da estrutura básica dos processos de pensamento, acompanhada pela dificuldade em estabelecer a distinção entre experiências internas e externas. Embora primariamente uma doença orgânica neuropsiquiátrica que afeta os processos cognitivos, seus efeitos repercutem também no comportamento e nas emoções.

Os sintomas da esquizofrenia podem variar de pessoa para pessoa, podendo aparecer de forma insidiosa e gradual ou, pelo contrário, manifestar-se de forma explosiva e instantânea. Podem ser divididos em duas grandes categorias: sintomas positivos e negativos.

Sintomas positivos[editar | editar código-fonte]

Os sintomas positivos estão presentes com maior visibilidade na fase aguda da doença e são as perturbações mentais "muito fora" do normal, como que "acrescentadas" às funções psíquico-orgânicas da pessoa. Entende-se como sintomas positivos

  • delírios (ideias delirantes, pensamentos irreais, "ideias individuais do doente que não são partilhadas por um grande grupo",[7] como, por exemplo, um indivíduo que acha que está a ser perseguido pela polícia secreta e acha que é o responsável pelas guerras do mundo);
  • alucinações, percepções irreais de audição, visão, paladar, olfato ou tacto, sendo mais frequentes as alucinações auditivas e visuais;
  • pensamento e discurso desorganizado (confusão mental), elaboração de frases sem qualquer sentido ou invenção de palavras;
  • alterações visíveis do comportamento, ansiedade excessiva, impulsos ou agressividade constante na fase de crise.

Sintomas negativos[editar | editar código-fonte]

Os sintomas negativos são o resultado da perda ou diminuição das capacidades mentais, "acompanham a evolução da doença e refletem um estado deficitário ao nível da motivação, das emoções, do discurso, do pensamento e das relações interpessoais (não confundir com esquizoidia",[7] ) como a falta de vontade ou de iniciativa; isolamento social (não confundir com a esquizoidia); apatia; indiferença emocional total e não transitória; pobreza do pensamento".

Estes sinais não se manifestam todos da mesma forma, na pessoa esquizofrênica. Algumas pessoas vêem-se mais afetadas do que outras, ao ponto de muitas vezes impossibilitar-lhes uma vida normal. No entanto, alguns sintomas podem oscilar, aparecer e desaparecer em ciclos de recidivas e remissões.

"Não há, contudo, sinais nem sintomas patognomônicos da doença, podendo-se de alguma forma fazer referência a um quadro prodrómico que são em grande parte sintomas negativos, como, por exemplo, inversão do ciclo de sono, isolamento, perda de interesse por atividades anteriormente agradáveis, apatia, descuido com a higiene pessoal, ideias bizarras, comportamentos poucos habituais, dificuldades escolares e profissionais, entre outras. Posteriormente a esta fase inicial, surgem os sintomas positivos".[8]
"Diz-se que os primeiros sinais e sintomas de esquizofrenia são insidiosos. O primeiro sintoma de sossego/calma e afastamento, visível num adolescente, normalmente passa despercebido como tal, pois se remete o facto para "é uma fase". Pode inclusivamente ser um enfermeiro de saúde escolar ou um conselheiro a começar a notar estas mudanças. (…) É importante dizer-se que é muito fácil interpretar incorretamente estes comportamentos, associando-os à idade.".[9]

Causas[editar | editar código-fonte]

Em pessoas com esquizofrenia, o córtex frontal, responsável pela atenção e raciocínio, era menos ativado, enquanto o corpo estriado, responsável por sensações, com grande número de receptores dopaminéricos, estava superativado.[10]

existe uma causa única para o desencadear deste transtorno. Assim como o prognóstico é incerto para muitos quadros, a etiologia das psicoses, principalmente da esquizofrenia, é incerta, ou melhor, de causação multifatorial. Admite-se hoje que várias causas concorrem entre si para o aparecimento, como: quadro psicológico; o ambiente; histórico familiar da doença e de outros transtornos mentais; e mais recentemente, tem-se admitido a possibilidade de uso de substâncias psicoativas poderem ser responsáveis pelo desencadeamento de surtos e afloração de quadros psicóticos.

Sin título1mqgj.jpg

A esquizofrenia afeta tanto homens quanto mulheres. Ela geralmente começa na adolescência ou na fase adulta jovem, mas pode começar em idade mais avançada. Nas mulheres, a esquizofrenia tende a começar mais tarde e ser mais branda.

Teoria genética[editar | editar código-fonte]

A teoria genética admite que genes podem estar envolvidos, contribuindo juntamente com os fatores ambientais para o desencadear do transtorno. Sabe-se que a probabilidade de um indivíduo vir a sofrer de esquizofrenia aumenta, se houver um caso desta doença na família. "No caso de um dos pais sofrer de esquizofrenia, a prevalência da doença nos descendentes diretos é de 12%. É o caso do matemático norte-americano John Nash, que divide com o filho, John Charles Martin, a mesma doença. Na situação em que ambos os pais se encontram atingidos pela doença, esse valor sobe para 40%".[11] No entanto, mesmo na ausência de história familiar, a doença pode ainda ocorrer.".[7] Segundo Gottesman (1991), referenciado por Pedro Afonso (2002), sabe-se que cerca de 81% dos doentes de esquizofrenia não têm qualquer familiar em primeiro grau atingido pela doença e cerca de 91% não têm sequer um familiar afetado. Portanto, a causalidade genética ainda não é comprovada, e as pesquisas têm demonstrado discrepâncias muito grandes quando se trata de investigar a predisposição para a doença.

Outro argumento importante é que a concordância em gêmeos monozigóticos (48%) é significativamente maior do que a encontrada em gêmeos dizigóticos (17%). Os estudos indicam a presença de múltiplos genes responsáveis pela esquizofrenia e suas variações.[12]

Teoria neurobiológica[editar | editar código-fonte]

As teorias neurobiológicas defendem que a esquizofrenia é essencialmente causada por alterações bioquímicas e estruturais do cérebro, em especial com uma disfunção dopaminérgica, embora alterações em outros neurotransmissores estejam também envolvidas. A maioria dos neurolépticos (antipsicóticos) atua precisamente nos receptores da dopamina no cérebro, reduzindo a produção endógena deste neurotransmissor. Exatamente por isso, alguns sintomas característicos da esquizofrenia podem ser desencadeados por fármacos que aumentam a atividade dopaminérgica (ex: anfetaminas).[8] Esta teoria é parcialmente comprovada pelo fato de a maioria dos fármacos utilizados no tratamento da esquizofrenia (neurolépticos) atuarem através do bloqueio dos receptores (D2) da dopamina.

Teorias psicanalíticas[editar | editar código-fonte]

As teorias psicanalíticas (ou de relação precoce) têm como base a teoria freudiana da psicanálise, e remetem para a fase oral do desenvolvimento psicológico, na qual "a ausência de gratificação verbal ou da relação inicial entre mãe e bebê conduz igualmente a personalidades "frias" ou desinteressadas (ou indiferentes) no estabelecimento das relações".[9] A ausência de relações interpessoais satisfatórias estaria assim na origem da esquizofrenia.

Para além da abordagem freudiana também encontramos textos de inspiração winnicottiana nas teorias explicativas a respeito da esquizofrenia.

Teorias familiares[editar | editar código-fonte]

Assim como a abordagem psicanalítica, outras abordagens responsabilizam a família, mas apesar de terem bastante impacto histórico, tiveram pouco embasamento empírico. Surgiram na década de 1950, umas baseadas no tipo de comunicação entre os vários elementos da família, e outras aparecendo mais ligadas à estrutura familiar. Dos estudos desenvolvidos surge o conceito de mãe esquizofrenogénica - a mãe possessiva e dominadora dos seus filhos como geradora de personalidades esquizofrénicas. Estudos posteriores vieram contudo desconfirmar esta hipótese, relacionando esse comportamento mais com etiologias neuróticas e não com a psicose.

Atualmente as abordagens familiares procuram apoiar a família, em vez de culpá-la, reconhecendo as dificuldades em lidar com um membro da família em grave sofrimento psíquico.[13]

Teoria dos neurotransmissores[editar | editar código-fonte]

Têm-se um excesso de dopamina na via mesolímbica e falta dopamina na via mesocortical.

Apesar de existirem todas estas hipóteses para a explicação da origem da esquizofrenia, nenhuma delas individualmente consegue dar uma resposta satisfatória às muitas dúvidas que existem em torno das causas da doença, reforçando assim a ideia de uma provável etiologia multifatorial.

Etiologia[editar | editar código-fonte]

Gatos de Wain conforme os sintomas de esquizofrenia avançavam.

A esquizofrenia (do grego antigo σχιζοφρενία: formado por σχίζειν, skízein, 'separar, dividir', e φρήν, phrēn, phrenós, 'diafragma',[14] a parte do corpo identificada com a ligação entre o corpo e a alma.[15] [16] O termo significa mais propriamente "cisão das funções mentais", considerando-se a sintomatologia da doença.[17]

É hoje encarada não como doença, no sentido clássico do termo, mas sim como um transtorno mental, podendo atingir pessoas de qualquer idade, gênero, nacionalidade ou classe social.

Diagnóstico e questões polêmicas[editar | editar código-fonte]

A validade do diagnóstico de esquizofrenia tem sido criticada - no quadro de críticas mais amplas à validade dos psicodiagnósticos em geral - sob a alegação de ser carente de validade científica .[18] [19] A categoria de esquizofrenia usada pelo DSM tem sido igualmente criticada.[20]

Em 2006, um grupo de pacientes e profissionais de saúde mental do Reino Unido, no âmbito de uma campanha pela abolição do "rótulo" de esquizofrenia, defendeu a rejeição do diagnóstico de esquizofrenia, tendo em vista a sua heterogeneidade e o estigma que lhe está associado, e defenderam a adoção de um modelo biopsicossocial. Outros psiquiatras britânicos, porém, opuseram-se à mudança, argumentando que 'esquizofrenia' ainda é um conceito útil, embora provisório.[21] [22]

Assim como no caso de outros distúrbios psiquiátricos, alguns psiquiatras alegam que os diagnósticos seriam mais adequados se fosse levado em conta que as variações ocorrem dentro de um espectro ou de um continuum,[23] [24] não havendo propriamente um corte entre o normal e o patológico. Essa abordagem parece coerente com pesquisas sobre esquizotipia, que têm mostrado que a ocorrência de crenças delusionais ou alucinatórias entre indivíduos da população em geral é muito frequente, o que sugere a existência de um continuum de sintomas, entre os indivíduos considerados normais e os considerados psicóticos.[25] [26] [27]

Outra crítica é que falta coerência nas definições e critérios utilizados. Particularmente relevante para a avaliação das delusões é a desordem no pensamento, e sintomas psicóticos não seriam uma boa base para a elaboração de um diagnóstico de esquizofrenia: a psicose seria como a 'febre' da doença mental - um indicador que pode ser grave mas é inespecífico.[28] [29] [30]

Estudos sobre o diagnóstico da esquizofrenia, como os de David Rosenhan, feitos em 1972, geralmente têm mostrado que o nível de confiabilidade é relativamente baixo, e o diagnóstico de esquizofrenia muitas vezes é subjetivo.

Em 2004, no Japão, o termo japonês para esquizofrenia foi alterado de Seishin-Bunretsu-Byo (doença da mente dividida) para Togo-shitcho-sho (desordem de integração).

Alternativamente, outros proponentes apontaram a presença de déficits neurocognitivos específicos como elementos do diagnóstico. Estes assumem a forma de uma redução ou comprometimento de funções psicológicas básicas, como memória, atenção, função executiva e capacidade de resolver problemas. É este tipo de dificuldade, em vez dos sintomas psicóticos (que, em muitos casos, podem ser controlados por medicamentos antipsicóticos), que parece ser a causa da maioria das deficiências apresentadas nos quadros de esquizofrenia. No entanto, este argumento é relativamente novo e é pouco provável que o método de diagnóstico de esquizofrenia vá mudar radicalmente no futuro próximo.

O diagnóstico de esquizofrenia foi usado para fins políticos na União Soviética e mais uma sub-classificação - "esquizofrenia que progride lentamente" - foi criada. Particularmente na República Socialista Federativa Soviética Russa, este diagnóstico foi utilizado com a finalidade de silenciar os dissidentes políticos ou levá-los a desistir de suas ideias através da utilização de confinamento e tratamento forçado. Em 2000, foram usados expedientes semelhantes pelo governo chinês, quando da detenção e 'tratamento' dos praticantes de Falun Gong.[31]

A interação com pacientes[editar | editar código-fonte]

O matemático norte-americano John Nash, com diagnóstico de esquizofrenia, ganhador do Prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel em 1994.

A doença mental é com frequência relacionada com o mendigo que perambula pelas ruas, falando sozinho, ou com a mulher que aparece na TV dizendo ter 16 personalidades ou ainda com o maníaco homicida que aparece nos filmes. De fato, a doença mental é, há séculos, sinónimo de exclusão social, e o diagnóstico de esquizofrenia, significou por muito tempo um destino certo: os hospitais psiquiátricos ou asilos, onde os pacientes ficavam internados durante anos - às vezes, pela maior parte de suas vidas.

Em muitos casos, os indivíduos diagnosticados como esquizofrênicos foram crianças tímidas, introvertidas, com dificuldades de relacionamento e com pouca interacção emocional, eventualmente também com dificuldades de atenção. Durante a adolescência o isolamento vai se tornando cada vez maior e o rendimento escolar vai diminuindo. Estas modificações são frequentemente associadas à crise da adolescência. "Para o adolescente, este é um período de confusão, sente-se desconcentrado, não sabe o que se está a passar com ele. O jovem começa a passar grandes períodos frente ao espelho, a observar o seu corpo, revelando a presença de alterações do seu esquema corporal que podem surgir associadas à vivência psicótica. Isto não acontece só ao nível do corpo, mas também na consciência de si próprio (perturbação da vivência do "eu") apresentando neste caso sentimentos de despersonalização".[7]

Uma crise psicótica pode ser precipitada por vários factores, como, por exemplo, mudança de casa, perda de um familiar, rompimento com um(a) namorado(a), ingresso na universidade. É raro o indivíduo ter consciência de que está realmente doente, o que torna difícil a adesão ao tratamento. Um dos maiores medos da pessoa é o de ser estigmatizada pelos preconceitos sociais que cercam a doença mental, tais como a associação da doença à violência - ideia essa que estudos recentes põem completamente de parte, mostrando que a incidência de comportamento violento nesses doentes é idêntico, se não mesmo inferior, ao da população em geral.

"Quero que as pessoas entendam que sou como os outros. Sou um indivíduo e deveria ser tratada como tal pela sociedade. Não deveriam fechar-me numa caixa com a etiqueta de esquizofrenia"[32] (Jane).
"As pessoas com esquizofrenia têm muitas vezes dificuldade em satisfazer as suas necessidades devido à sua doença".[32]

É importante que o processo de reabilitação seja contínuo, para que possa proporcionar melhor qualidade de vida, maior autonomia e realização pessoal. Para isso, o indivíduo deve ter acesso a estruturas de apoio, alternativos à estrutura manicomial, como os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial), centros de convivência, oficinas, hospitais dia (serviços de internação parcial), serviços terapêuticos residenciais, empregos apoiados, fóruns sócio-ocupacionais. Uma das maiores dificuldades desses doentes é a sua integração no mundo do trabalho. Daí ser relevante o acompanhamento no período de adaptação.[carece de fontes?]

É bastante útil que o paciente tenha conhecimentos sobre os sintomas e possíveis sofrimentos ao longo da vida, e que possa ter um papel ativo no seu tratamento e controle sobre o seu estado, sendo por isso vantajoso que estes sigam alguns cuidados, nomeadamente:

  • Se achar que a medicação não está a ajudar ou sentir efeitos não desejáveis deve avisar o seu médico psiquiatra;
  • Fazer psicoterapia e ter consultas regulares com seu psicólogo;
  • Ter o cuidado de conservar um ritmo de sono e vigília correto, com as horas de sono necessárias;
  • Evitar o stress;
  • Manter rotinas normais de higiene, alimentação, atividades físicas e de lazer;
  • Evitar substâncias psicoativas que possam interferir prejudicialmente no tratamento - como álcool e outras drogas;
  • Procurar ter horas para dormir, comer, trabalhar - ou seja, criar rotinas;
  • Permanecer em contato com as outras pessoas, não buscar o isolamento;
  • Manter o contato com o psiquiatra, psicólogo e a equipe de saúde mental;
  • Praticar desporto pelo menos uma vez por semana;
  • A participação da família é fundamental: reuniões dos psicólogos com os familiares são muito importantes porque a residência é o ambiente cerne da busca da sanidade mental.

Os doentes podem apresentar também sintomas depressivos, que nem sempre têm origem biológica ou neuroquímica. "O desapontamento e a desilusão vividos por alguns deste doentes perante os repetidos fracassos em manterem um emprego, em conseguirem voltar a estudar ou terem um grupo de amigos torna-se uma realidade incontornável",[7] levando a sentimentos de frustração.

Um outro aspecto associado à depressão na esquizofrenia é a questão do suicídio, que pode ter origem em vários factores, notadamente o sofrimento psíquico associado à própria vivência psicótica e o aspecto crónico e recorrente da doença. O papel ativo da família é essencial para o tratamento, reabilitação e reinserção social da pessoa que sofre de doença mental. Muitas famílias procuram o apoio junto aos técnicos de saúde. No entanto, há aquelas que não o fazem, embora não consigam lidar com as crises do familiar.[33]

A família deve estar preparada para a possibilidade de o doente ter recaídas ao longo do tempo, o que pode requerer internamento hospitalar. Neste caso, é importante o apoio da família durante a permanência do doente no hospital, através de reforço positivo, comunicação, visitas, mostrando interesse sobre a evolução do seu estado. É natural que muitas dúvidas surjam na família quanto ao comportamento a ser adotado em cada situação. [carece de fontes?]

Os problemas que geralmente ocorrem na família do esquizofrénico são os seguintes:

  • Medo… "Ele poderá fazer mal a si ou às outras pessoas?"
  • Negação da gravidade… "Isso daqui a pouco passa", "Você não é como esse cara da televisão"
  • Incapacidade de falar ou pensar em outra coisa que não seja a doença… "Toda a nossa vida gira em torno do nosso filho doente"
  • Isolamento social… "As pessoas até nos procuram, mas não temos como fazer os programas que nos propõem"
  • Constante busca de explicações… "Ele está assim por algo que fizemos?"
  • Depressão… "Não consigo falar da doença do meu filho sem chorar".

Em suma, o impacto que uma pessoa com diagnóstico de esquizofrenia tem na família e a forma como esta última se adapta face à situação depende da singularidade de cada um dos seus membros, mas também da forma como a doença surge (insidiosa ou abrupta), do seu curso, das suas consequências, da existência ou não de risco de morte (fase de crise ou fase crónica) e do grau de incapacidade provocada pela doença. Todos esses fatores têm de ser vistos numa perspectiva psicossocial e não isoladamente. Deve ser dada atenção extrema ao fato de que o próprio esforço de adaptação por parte da família pode ter, como consequência, um estado de exaustão da parte dos famíliares, como é referido por Freitas et al..

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

Tratamento farmacológico[editar | editar código-fonte]

Neurolépticos conseguem fazer os sintomas desaparecerem completamente em 25% dos casos, reintegrando o paciente a família, ao trabalho e a sua vida social.[34]

Uma referência importante para os psiquiatras é o Manual de Psiquiatria Clínica, de Harold Kaplan e Benjamin Sadock, que sistematiza os vários fatores que compõem a esquizofrenia, lembrando que "devido à heterogeneidade das apresentações sintomáticas e prognósticas da esquizofrenia, nenhum fator etiológico isolado é considerado como causador." Segundo o modelo estresse-diátese, usado com maior freqüência, a pessoa que desenvolve esquizofrenia tem uma vulnerabilidade biológica específica, ou diátese, que, ativada pelo estresse, leva a sintomas esquizofrênicos. Os fatores etiológicos são classificados pelos autores em genéticos, biológicos, psicossociais e ambientais. Os fatores biológicos se subdividem e são apresentados como hipóteses:

Jucá (2005) observa que, mesmo considerando que se trata de "hipóteses" sobre as quais há muita controvérsia, "não se abala a firme convicção de que, na raiz do sofrimento mental, reside uma susceptibilidade biológica".[35]

De fato, considera-se que os antipsicóticos são eficazes no alívio dos sintomas da esquizofrenia em 70% dos casos.[carece de fontes?] Alguns desses fármacos, conhecidos como antipsicóticos típicos, inibem fortemente os receptores D2 da dopamina das vias dopaminérgicas, ligadas ao sistema límbico do cérebro, e o seu sucesso constitui uma forte evidência da importância das alterações bioquímicas na patogenia da doença, segundo a chamada hipótese dopamínica[36] Essas alterações bioquímicas talvez sejam uma resposta secundária aos eventos causadores da doença, assim como o são as alterações comportamentais. Os exemplos mais usuais de antipsicóticos típicos são o haloperidol e a clorpromazina. No entanto, esses dois antipsicóticos são os chamados de primeira geração e apresentam sérios efeitos colaterais indesejáveis. Segundo a literatura da psiquiatria, o haloperidol e a clorpromazina foram muito usados nas décadas de 1940 e 1950, nos primeiros experimentos com esquizofrênicos. O haloperidol pode causar rigidez muscular no paciente, locomoção motora desordenada, expelição de substâncias do organismo do paciente, movimentos involuntários e morte súbita, estando quase que completamente em desuso pelos seus efeitos deletérios.

Quando há predominância dos sintomas depressivos, a escolha pode recair nos novos neurolépticos: risperidona, olanzapina, quetiapina, ziprasidona, amisulprida etc. Esses e a tioridazida são indicados para os pacientes que não responderam aos antipsicóticos convencionais ou apresentaram efeitos colaterais indesejáveis. Para os casos refratários, existem evidências de que a clozapina é eficaz.[37]

Esses medicamentos inibem pouco os receptores D2 da dopamina e têm, simultaneamente, ação inibidora serotoninérgica, sendo por isso conhecidos como antipsicóticos atípicos. Estes têm um sucesso maior nos casos refratários ao tratamento com antipsicóticos típicos ou nos casos onde a sintomatologia negativa é predominante. Como o medicamento leva a agranulocitose em cerca de 1% dos casos, devem ser feitos hemogramas periódicos, enquanto durar a administração da droga. A nova geração de antipsicóticos atípicos, como a risperidona e a olanzapina não provoca agranulocitose, sendo assim deveriam ser utilizadas como primeira escolha pelos pacientes psicóticos, porém são muito caras.

Os antipsicóticos atípicos, justamente por agirem fracamente sobre os receptores D2, são uma evidência contrária à hipótese dopamínica.

Tratamento não farmacológico[editar | editar código-fonte]

Existem várias abordagens terapêuticas do paciente esquizofrênico, o qual, na maioria dos casos, tem indicação de um tratamento interdisciplinar, envolvendo o acompanhamento médico (incluindo o uso de fármacos), a psicoterapia, a terapia ocupacional (individual ou em grupos), a intervenção familiar, a musicoterapia e a psicopedagogia.

O tratamento pode ajudar muito a tratar os sintomas, permitindo que os doentes possam viver com melhor qualidade de vida e mais produtivamente. A experiência clínica indica que o melhor momento para iniciar o tratamento da esquizofrenia é logo após o aparecimento dos primeiros sintomas. Se a sintomatologia psicótica permanecer sem tratamento por longos períodos, o prognóstico do tratamento é menos favorável. Assim, é vital o reconhecimento precoce dos sinais da esquizofrenia para que se possa procurar uma ajuda rápida.[38]

Bruscato[39] considera que os principais objetivos da psicoterapia dentro do tratamento da esquizofrenia são:

  1. Interromper a perda da capacidade mental, preservando o contato com a realidade;
  2. Restaurar a capacidade de cuidar de si e de administrar sua vida, e manter o máximo de autonomia para promover o melhor ajustamento pessoal, psicológico e social possível;
  3. Diminuir o isolamento;
  4. Reconhecer e reduzir a natureza ameaçadora dos eventos da vida, para os quais existe uma sensibilidade particular;
  5. Conscientizar o portador sobre a realidade de seus recursos e limitações, tanto ajudando a descobrir e realizar seu potencial, quanto ajudando na aceitação de suas limitações;
  6. Aumentar suas defesas diante de situações estressantes, liberando recursos que, eventualmente, estejam obstruídos pela psicose e desenvolver fontes alternativas para a solução de seus problemas;
  7. Recuperar e promover a autoestima, a autoimagem e a autoconfiança, proporcionando contínuo progresso;
  8. Estimular a independência, os cuidados consigo mesmo em questões de higiene e capacitar o paciente para as atividades da vida diária.

Os centros de atenção psicossocial (CAPS) ou os núcleos de atenção psicossocial (NAPS), centros de convivência e algumas associações de portadores e familiares estão organizados para atividades de reabilitação social do portador.[37]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Segundo a OMS atinge cerca de 1%, sendo mais comum nos países de terceiro mundo.

De acordo com algumas estatísticas, a esquizofrenia atinge entre 0,6% e 3% da população mundial, dependendo dos critérios, manifestando-se habitualmente entre os 15 e os 30 anos, em proporções semelhante entre homens e mulheres, costuma aparecer em mais cedo nos homens e dificilmente começa após os 50 anos.[40]

Casos notáveis[editar | editar código-fonte]

Algumas pessoas acometidas da esquizofrenia se destacaram e se destacam no meio acadêmico, artístico e social. Um exemplo famoso é o do matemático norte-americano John Forbes Nash, que, apesar do desafio de conviver por toda a vida com os sintomas psicóticos típicos, é um intelectual importante, com grandes contribuições às áreas de economia, biologia e teoria dos jogos.

Referências

  1. [1]
  2. [2]
  3. Becker T, Kilian R. (2006). "Psychiatric services for people with severe mental illness across western Europe: what can be generalized from current knowledge about differences in provision, costs and outcomes of mental health care?". Acta Psychiatrica Scandinavica Supplement 113 (429): 9–16. DOI:10.1111/j.1600-0447.2005.00711.x. PMID 16445476.
  4. The ICD-10 Classification of Mental and Behavioural Disorders. Clinical descriptions and diagnostic guidelines. World Health Organization, Genève, 1992 ; p. 87
  5. Saúde mental e esquizofrenia. Medcenter.
  6. a b c d e ABC da Saúde - ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS. Página visitada em 25/01/2009.
  7. a b c d e Afonso, Pedro (Agosto 2002), Esquizofrenia: Conhecer a Doença, Lisboa, Climepsi Editores.
  8. a b Freitas, Carlos; Luís, Helena e Ferreira, Luís (2000), Vivências dos pais enquanto cuidadores de um filho com esquizofrenia, Lisboa, Dissertação apresentada à Escola Superior de Enfermagem Maria Fernanda Resende, no âmbito do 2 °Curso de estudos superiores Especializados em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica.
  9. a b Neeb, Kathy (1997), Fundamentos de Enfermagem de Saúde Mental, Loures, Lusociência.
  10. [3]
  11. Kaplan, Harnold; Sadock, Benjamin (1990), Compêndio de Psiquiatria, Porto Alegre, Editora Artes Médicas.
  12. A epidemiologia da esquizofrenia, por Jair J. Mari e Raquel J Leitão. Revista Brasileira de Psiquiatria, vol. 22 s.1. São Paulo, maio de 2000.
  13. Abordagem familiar em esquizofrenia, por Marcia Scazufca. Revista Brasileira de Psiquiatria. São Paulo, 2010. doi: 10.1590/S1516-44462000000500017.
  14. Dicionário Houaiss. Verbetes: 'esquizo(o)' e '-frenia'
  15. Apesar da etimologia do termo, a esquizofrenia não implica uma cisão do eu ou em transtorno de personalidade múltipla (conhecido atualmente como transtorno dissociativo de identidade), uma condição com a qual é frequentemente confundida, na percepção do público.
  16. Picchioni MM, Murray RM. Schizophrenia. BMJ. 2007;335(7610):91–5. doi:10.1136/bmj.39227.616447.BE. PMID 17626963.
  17. A palavra φρήν, na literatura poética e filosófica do período arcaico, de grande riqueza polissêmica, relacionava-se com tudo o que dizia respeito às coisas do coração, da alma. Articulada intimamente à palavra psyché, que significa 'alma', φρήν era usado para se referir igualmente às profundezas da interioridade humana, onde estão as raízes do intelecto e do afetivo. Psyché, como princípio de vida, de inteligibilidade e de afetividade, é o próprio conceito que os gregos criaram para alma. Mais tarde, o termo foi traduzido por 'mente'. Portanto, a alma, psyché, enquanto princípio vital de inteligibilidade, não pode ser entendida somente por inteligência intuitiva, racional e cognitiva, mas também em sua dimensão afetiva, próprio da palavra φρήν, phrén. A palavra alma abrange tudo que é da ordem do querer e do desejar, tudo que é da ordem do coração. ROCHA (2001)
  18. Boyle, Mary. Schizophrenia: a scientific delusion?. New York: Routledge, 2002. ISBN 0-415-22718-6
  19. Bentall, Richard P.; Read, John E; Mosher, Loren R.. Models of Madness: Psychological, Social and Biological Approaches to Schizophrenia. Philadelphia: Brunner-Routledge, 2004. ISBN 1-58391-906-6
  20. Tsuang MT; Stone WS, Faraone SV. (2000). "Toward reformulating the diagnosis of schizophrenia". American Journal of Psychiatry 157 (7): 1041–50. DOI:10.1176/appi.ajp.157.7.1041. PMID 10873908.
  21. "Schizophrenia term use 'invalid'", BBC News online, 9 de outubro de 2006.
  22. CASL Biography. Página visitada em 2009-02-01. and CASL History.
  23. Tienari P, Wynne LC, Läksy K, et al.. (September 2003). "Genetic boundaries of the schizophrenia spectrum: evidence from the Finnish Adoptive Family Study of Schizophrenia". The American Journal of Psychiatry 160 (9): 1587–94. DOI:10.1176/appi.ajp.160.9.1587. PMID 12944332.
  24. NIMH Schizophrenia Spectrum Disorders Research Program
  25. Verdoux H; van Os J. (2002). "Psychotic symptoms in non-clinical populations and the continuum of psychosis". Schizophrenia Research 54 (1–2): 59–65. DOI:10.1016/S0920-9964(01)00352–8. PMID 11853979.
  26. Johns LC; van Os J. (2001). "The continuity of psychotic experiences in the general population". Clinical Psychology Review 21 (8): 1125–41. DOI:10.1016/S0272-7358(01)00103–9. PMID 11702510.
  27. Peters ER; Day S, McKenna J, Orbach G. (2005). "Measuring delusional ideation: the 21-item Peters et al. Delusions Inventory (PDI)". Schizophrenia Bulletin 30 (4): 1005–22. PMID 15954204.
  28. Edgar Jones. (1999). "The Phenomenology of Abnormal Belief: A Philosophical and Psychiatric Inquiry". Philosophy, Psychiatry and Psychology 6 (1): 1–16. DOI:10.1353/ppp.1999.0004.
  29. David AS. (1999). "On the impossibility of defining delusions". Philosophy, Psychiatry and Psychology 6 (1): 17–20. DOI:10.1353/ppp.1999.0006.
  30. S. Nassir Ghaemi. (1999). "An Empirical Approach to Understanding Delusions". Philosophy, Psychiatry and Psychology 6 (1): 21–24. DOI:10.1353/ppp.1999.0007.
  31. Judicial Psychiatry in China and its Political Abuses, por Robin Munro. Columbia Journal of Asian Law, vol. 14, 2000 n° 1.
  32. a b Organização Mundial de Saúde, Genebra – Divisão de Saúde Mental (1998), A Esquizofrenia – Informação para as famílias, Lisboa, Associação Comunitária de Saúde de Loures Ocidental.
  33. A trajetória da família do portador de sofrimento psíquico, por Vânia Moreno e Márcia Bucchi Alencastre. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 2003; 37(2):43-50.
  34. Bechelli, Luiz Paulo de C. Impacto e evoluçäo do emprego dos neuropépticos no tratamento da esquizofrenia. J. bras. psiquiatr;49(5):131-47, maio 2000. ilus, tab. http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=275818&indexSearch=ID
  35. A multivocalidade da cura na saúde mental: uma análise do discurso psiquiátrico, por Vládia Jamile dos Santos Jucá. Ciência & Saúde Coletiva, vol.10 n° 3 . ISSN 1413-8123 Rio de Janeiro, jul.-set. 2005
  36. Neurolépticos - Esquizofrenia
  37. a b SHIRAKAWA, Itiro. Aspectos gerais do manejo do tratamento de pacientes com esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2000, vol.22, suppl.1 [cited 2012-08-25], pp. 56-58 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000500019&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1516-4446. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000500019.
  38. Psiqweb - Perguntas mais comuns sobre esquizofrenia. Página visitada em 25/01/2009.
  39. Bruscato WL. Psicoterapia individual na esquizofrenia. In: Shirakawa I, Chaves AC, Mari JJ, editores. O desafio da esquizofrenia. São Paulo: Lemos Editorial; 1998. p. 149-64.
  40. MARI, Jair J and LEITAO, Raquel J. A epidemiologia da esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2000, vol.22, suppl.1, pp. 15-17. ISSN 1516-4446.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Júlio Leonel(Setembro, 1998), "O Doente Mental e a Família Perante a Alta", Sinais Vitais, nº20, p. 45.
  • Atkinson, Jacqueline M. e Coia (1995), Families coping with schizophrenia – A practitioner’s guide to family groups, England, Wiley – University of Glasgow.
  • Hatfield, Agnes B. (1990), Family education in mental illness, New York, The Guilford Press.
  • Santos, José Carlos (Setembro 1997), O Enfermeiro de Saúde Mental no Hospital Geral, Sinais Vistais, nº 14, p. 33-36.
  • Taylor, Cecília Monat (1992), Fundamentos de Enfermagem Psiquiátrica, Porto Alegre, Artes Médicas.
  • Teschinsky, Ursula (2000), "Living with schizophrenia: The family illness experience", Mental Health Nursing, nº 21, p. 387-396.
  • Pereira, Manuel Gonçalves (1996), Repercussões da Doença Mental na Família – Um estudo de Familiares de Doentes Psicóticos, Lisboa, Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa.
  • Freitas, Luís (Set./Out. 2002), "Destigmatizando a Doença Mental", Servir, vol. 50, nº 5, p. 250-253.
  • A, Delmina (Jan. 2000), "A Esquizofrenia", Sinais Vitais, nº 28, p. 46-47.
  • Milheiro, Jaime (2000), Loucos são os outros, Lisboa, Edições Fim de Século.
  • MG. Secretaria de Estado de Saúde. "Atenção em Saúde Mental". 2ª ed. Belo Horizonte, 2007. 238p
  • Minuchin, Salvador (1990), Famílias: funcionamento e tratamento, Porto Alegre, Artes Médicas.
  • Rocha, Zeferino (2001). "Psyché - Os caminhos do acontecer psíquico na Grécia Antiga". Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, IV, 2, 67-91. Disponível para acesso em: www.fundamentalpsychopathology.org/art/jun1/6.pdf..
  • Francesco Blasi : "Scissioni parallele. L'estinzione della schizofrenia". Prefazione apocrifa di Sergio Piro. Istituto Italiano per gli Studi Filosofici, Napoli 2011 - ISBN 978-88-7723-104-8 . Download http://www.iisf.it/pubblicazioni/Blasi_S_P.pdf.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]