Terminal Intermodal Pinheiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estação Pinheiros)
Ir para: navegação, pesquisa


Pinheiros

4yellow.png 9greenturquoise.png

Plataforma da Linha 4 em 2011.
Uso atual Estação ferroviária
Estação de metropolitano
Terminal urbano
Localização R. Capri
Código PIN
Linhas 4yellow.png   Amarela9greenturquoise.png   Esmeralda
Tipo de estação Superfície e Subterrânea
Plataformas 2 (Laterais) - Linha 4
1 (Central) - Linha 9
Administração ViaQuatro logo.png ViaQuatro

CPTM red symbol.gif CPTM

SPTrans

Inauguração 4 de abril de 1981 (33 anos) (Trem)
16 de maio de 2011 (3 anos) (Metrô)
1 de julho de 2013 (1 anos) (Terminal urbano)
Serviços Ônibus Escada rolante Elevador Acesso à deficiente físico
Próximas estações 4yellow.png: Faria Lima
9greenturquoise.png: Cidade Universitária
4yellow.png: Butantã
9greenturquoise.png: Hebraica-Rebouças

O Terminal Intermodal Pinheiros ou apenas Estação Pinheiros é uma estação que integra a Linha 4 do Metrô de São Paulo, a Linha 9 da CPTM e um terminal urbano. Fica localizado na zona oeste da cidade, no distrito de Pinheiros.

Linha 9 da CPTM[editar | editar código-fonte]

A Estação Pinheiros foi inaugurada, com instalações provisórias, pela Estrada de Ferro Sorocabana, junto com o ramal de Jurubatuba, em 25 de janeiro de 1957. As instalações definitivas foram inauguradas em 1958. Em 1971, a FEPASA incorporou a EFS e iniciou um plano de modernização do ramal de Jurubatuba. A estação era considerada de difícil acesso, pois qualquer passageiro que ali embarcasse ou desembarcasse teria, obrigatoriamente, de atravessar duas pistas da Marginal Pinheiros, já uma das vias com maior tráfego na cidade, o que causava muitos casos de atropelamento.[1] A Estação Pinheiros acabou reconstruída, sendo reinaugurada em 4 de maio de 1981. A estação foi repassada à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, em 1996.

Para dar mais conforto aos usuários, principalmente aos usuários da Linha 5-Lilás que utilizam da Linha 9-Esmeralda para acessar a Linha 4-Amarela, a CPTM tem feito uma operação especial no horário de pico, onde utiliza desta estação como terminal para os trens da linha, evitando assim, superlotações nos trens.

Tabelas[editar | editar código-fonte]

Sigla Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Notas
PIN Pinheiros 25 de janeiro de 1957 Bilhete Único da SPTrans - integração com a Linha 4 do Metrô de São Paulo Central Superfície Estação reconstruída pela FEPASA e reinaugurada em 4 de maio de 1981
Precedido por
Cidade Universitária
Distância: 1.413 metros
Linha 9 da CPTM
Pinheiros
Sucedido por
Hebraica-
Rebouças

Distância: 935 metros

Linha 4 da ViaQuatro[editar | editar código-fonte]

Projetada pelo Metrô de São Paulo desde os anos 1970, a estação Pinheiros do metrô permaneceu em obras desde setembro de 2004[2] até maio de 2011. É a 62ª estação do Metrô de São Paulo. O Metrô previa que cerca de cem mil passageiros fariam a integração na estação quando esta estivesse concluída, o que estava previsto para até a metade de 2011, segundo o governo estadual,[3] prazo que acabou cumprido, com a inauguração, em 16 de maio daquele ano. A estação fica ao lado do Terminal Pinheiros de ônibus.[4]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Obra no metrô de São Paulo desaba

Durante as obras de construção da estação, em janeiro de 2007, foi registrado o mais grave acidente da história do Metrô de São Paulo. Grande parte do túnel de acesso da construção da estação Pinheiros desmoronou, abrindo uma cratera de mais de oitenta metros de diâmetro. Sete pessoas morreram no acidente.[5] Várias casas condenadas e diversos carros foram engolidos pela cratera, inclusive um microônibus que passava na região no exato instante do acidente.

Depois do acidente, as obras ficaram paralisadas até maio de 2008. Nesse período, a previsão de inauguração, originalmente estimada para o final de 2008,[6] passou a ser 2011 ou 2012, mas em 9 de maio de 2008 foi anunciado que a previsão oficial voltava a ser início de 2010. Essa previsão foi adiada diversas vezes,[6] e o Metrô passou a trabalhar com uma prazo "até o fim de 2010" (estimativa dada pelo governador Alberto Goldman no segundo semestre de 2010[7] ), embora não divulgasse mais datas de maneira oficial.[6] Para cumprir esse prazo houve uma mudança de projeto na ligação entre a estação da CPTM e a do Metrô, que, de subterrânea, passou a ser uma passarela provisória.[5] Segundo funcionário do Metrô ouvidos pelo jornal Folha de S. Paulo em outubro de 2010, discussões sobre a instabilidade do solo teriam ocorrido depois do acidente de 2007 e teriam influenciado na mudança.[5] O Metrô nega qualquer relação entre o episódio e a decisão e cita o aumento da demanda da Linha 9 da CPTM, que passou de 115 mil passageiros por dia em 2009 para 279 mil em 2010, o que obrigaria a CPTM a operar de maneira restrita naquele trecho caso houvesse uma passagem subterrânea.[5]

No início de 2011 a estação ainda não tinha sido entregue, e Jurandir Fernandes, secretário dos Transportes Metropolitanos da nova gestão estadual, estabeleceu novo prazo, agora a metade do ano, junto com a Estação Butantã.[3] Apesar de o balanço do fim da gestão Goldman ter classificado as estações Pinheiros e Butantã como "prontas", apenas aguardando testes, o novo governo divulgou que ainda faltavam acabamentos e a integração com a CPTM.[3] A licença ambiental para operar a estação foi obtida junto à Cetesb em fevereiro.[8] Com isso, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, o Metrô passaria a ter uma meta "extraoficial" de abrir a Estação Butantã em março e a Pinheiros até abril, com previsão para funcionamento durante os horários de pico até junho.[8] O mesmo jornal apuraria, um mês depois, que, embora o prazo para entrada em funcionamento estivesse mantido, a integração com a estação da CPTM estava prevista apenas para maio e a operação no horário normal do Metrô para até o fim do semestre.[9] Em abril a inauguração da estação foi marcada para 16 de maio.[10] [11] Moradores da região ouvidos pelo Jornal da Tarde disseram estar aliviados por finalmente a estação estar com data definida de inauguração depois de um longo período de construção.[11] Os valores dos aluguéis no bairro despencaram depois do acidente de janeiro de 2007, mudando o perfil do bairro, que passou a abrigar mais jovens, mas a expectativa era de que com a estação aberta eles voltassem a subir.[11]

A estação foi inaugurada, conforme a previsão mais recente, em 16 de maio, e a entrega foi marcada por protestos de familiares das vítimas do acidente de 2007 nas obras da estação.[12] A ligação com a estação homônima da CPTM não ficou pronta a tempo, e passageiros que quisessem fazer a baldeação tinham de sair da estação de metrô, dar uma volta de um quarteirão e pagar nova passagem.[12] A previsão era de que, quando a integração com a CPTM ficasse pronta em Pinheiros, o volume de usuários da Linha 4 triplicasse.[12] A integração foi inaugurada em 3 de junho, um dia depois da data prevista, devido à greve de funcionários da CPTM no dia anterior. A passarela tem 56,56 metros de comprimento, 8,9 metros de largura e 6,65 metros de altura.[13]

Atualmente, é a estação mais profunda do Metrô de São Paulo. Suas plataformas de embarque se localizam a cerca de 30 metros abaixo do leito do Rio Pinheiros.

Sigla Estação Integração Plataformas Posição Notas
PIN Pinheiros integração com a Linha 9 da CPTM. Laterais Subterrânea Inaugurada em 16 de maio de 2011.[10] Integração com a Linha 9 da CPTM desde 3 de junho de 2011.

Tabelas[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Estações Principais destinos Duração das viagens (min) Intervalo entre trens (min) Funcionamento
4
Amarela
LuzButantã 7 Butantã, Jardim Paulista, Consolação, Higienópolis, República, Luz, Bom Retiro 10 2 De domingo a sexta-feira, das 4h40 à meia-noite. Aos sábados, das 4h40 até a 1 hora de domingo.
Precedido por
Faria Lima
Linha 4 do Metrô de São Paulo
Pinheiros
Sucedido por
Butantã

Terminal Urbano[editar | editar código-fonte]

Vista do terminal através da estação de trem.

O Terminal Pinheiros é um terminal de ônibus localizado na Zona Oeste de São Paulo inaugurado em 1 de junho de 2013.[14]

Administrado pela SPTrans, o local atende 60 mil passageiros por dia útil, distribuídos em 15 linhas de ônibus municipais e nove intermunicipais.[15]

Além disso, o terminal de ônibus, que seria, mais tarde, batizado de Terminal Victor Civita[16] (em homenagem ao fundador da Editora Abril) e cujas obras ficaram paradas por meses a partir de novembro de 2010, não foi inaugurado ao mesmo tempo, como já era previsto.[17] Essa inauguração só se daria no final de dezembro de 2012, em uma solenidade no final do mandato do prefeito Gilberto Kassab, mas o terminal não abriu de fato.[18] Faltavam serviços como a substituição de asfalto por concreto nas ruas próximas e a remoção de postes que obstruíam o caminho dos ônibus.[18] A inauguração definitiva foi marcada para 1 de junho de 2013, um sábado, com a previsão de operação de sete linhas — tendo cinco delas ponto final ali[19] —, com 56 ônibus circulando por hora e um total de quinze mil usuários atendidos por dia.[18] A partir do final de junho, o terminal deveria passar a receber linhas intermunicipais da EMTU.[18] No primeiro dia de operações, um sábado, não houve um grande movimento de passageiros, e funcionários da SPTrans e o secretário de Transportes, Jilmar Tatto, vistoriaram-no.[16] "É um terminal estratégico, porque tem ligação com a CPTM e une todos os sistemas de transportes, o que é o ideal", disse Tatto.[16] Usuários, entretanto, reclamaram do fato de não haver cobertura no acesso entre o terminal e a estação.[20]

O terminal conta, ainda, com um estacionamento, que não foi aberto ao mesmo tempo, embora já estivesse sendo usado por moradores da região, já que as ruas onde moram seguiam em obras.[20] Procurada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a SPTrans informou que ainda não tinha uma previsão de abertura do estacionamento e que a prioridade tinha sido a entrega do espaço destinado aos ônibus.[20]

Projeto de Transporte Hidroviário[editar | editar código-fonte]

Existe um projeto, sancionado pelo prefeito Fernando Haddad para introduzir o transporte hidroviário através dos rios que ligam até o extremo sul de São Paulo, e esta estação está incluída como um dos terminais.[21]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (14 de setembro de 1976) "Fepasa reforma 32 estações". Folha de S. Paulo (17 330): 13. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  2. Bruno Ribeiro. (29 de abril de 2010). "Acidente atrasou obras por mais de seis meses". Jornal da Tarde (14 493): 4A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X. Visitado em 1/5/2010.
  3. a b c Alencar Izidoro. (6 de janeiro de 2011). "Metrô só abre estações em 6 meses, diz gestão Alckmin". Folha de S. Paulo (29 863): C6. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  4. Bruno Ribeiro. (29 de abril de 2010). "Terminal Pinheiros terá garagem". Jornal da Tarde (14 493): 4A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X. Visitado em 1/5/2010.
  5. a b c d Alencar Izidoro. (17 de outubro de 2010). "Metrô improvisa passarela para abrir estação Pinheiros". Folha de S. Paulo (29 782): C6. ISSN 14145723.
  6. a b c Alencar Izidoro. (17 de outubro de 2010). "Integração terá 100 mil passageiros, afirma Metrô". Folha de S. Paulo (29 782): C7. ISSN 14145723.
  7. Bruno Ribeiro. (6 de novembro de 2010). "Ampliação da Linha 4-Amarela pode atrasar". Jornal da Tarde (14 684): 3A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  8. a b Alencar Izidoro (18 de fevereiro de 2011). Metrô de SP obtém licença para abrir novas estações da linha 4 Folha.com. Visitado em 18/2/2011.
  9. James Cimino. (6 de janeiro de 2011). "Estação Butantã terá linha direta para USP". Folha de S. Paulo (29 936): C6. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723. Visitado em 22/1/2011.
  10. a b Estação Pinheiros do metrô de SP será inaugurada dia 16 de maio OGlobo.com (19 de abril de 2011). Visitado em 22/4/2011.
  11. a b c Renato Machado. (27 de abril de 2011). "Estação Pinheiros abre dia 16" (em português). Jornal da Tarde (14 856): 6A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  12. a b c Giba Bergamim Jr. (16 de maio de 2011). Estação Pinheiros do metrô é inaugurada sob protesto em SP Folha Online. Visitado em 16/5/2011.
  13. Começa hoje integração na estação Pinheiros JT.com.br (3 de junho de 2011). Visitado em 11/6/2011.
  14. O Terminal de ônibus de Pinheiros já está operando Prefeitura Municipal de São Paulo, Subprefeitura Pinheiros. Visitado em 14 de julho de 2013.
  15. G1 São Paulo, Globo Comunicação (14 de junho de 2013). Terminal Pinheiros terá ampliação no número de linhas a partir de sábado. Visitado em 14 de julho de 2013.
  16. a b c Terminal Victor Civita inicia suas operações Veja São Paulo (1 de junho de 2013). Visitado em 4/6/2013.
  17. Mariana Rios. (24 de março de 2011). "Terminal Butantã terá duas linhas". Diário de S. Paulo (42 396): 10. São Paulo: Rede Bom Dia de Comunicação Ltda..
  18. a b c d Bruno Ribeiro. (29 de maio de 2013). "Terminal Pinheiros vai receber ônibus a partir de sábado". O Estado de S. Paulo (43 688): A20. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 15162931.
  19. Carol Rocha. (30 de abril de 2013). "Operação no novo Terminal Pinheiros começa sábado". Diário de S. Paulo (43 194): 10. São Paulo: Rede Bom Dia de Comunicação Ltda..
  20. a b c Caio do Valle. (4 de junho de 2013). "Terminal Pinheiros abre sem estacionamento". O Estado de S. Paulo (43 694): A16. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 15162931.
  21. http://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2014/07/transporte-hidroviario-em-sao-paulo-e-uma-alternativa-viavel-afirmam-especialistas-5168.html