Santa Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estado de Santa Catarina)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Estado de Santa Catarina
Bandeira de Santa Catarina
Brasão de Armas de Santa Catarina
(Bandeira) (Brasão)
Hino: Hino de Santa Catarina
Gentílico: catarinense ou barriga-verde

Localização de Santa Catarina no Brasil

Localização
 - Região Sul
 - Estados limítrofes Paraná (norte), Rio Grande do Sul (sul) e Argentina (oeste)
 - Mesorregiões 6
 - Microrregiões 20
 - Municípios 295
Capital Florianópolis
27°35′49"S 48°32′56"O
Governo
 - Governador(a) Raimundo Colombo (PSD)
 - Vice-governador(a) Eduardo Pinho Moreira (PMDB)
 - Deputados federais 16
 - Deputados estaduais 40
 - Senadores Casildo Maldaner (PMDB)
Luiz Henrique da Silveira (PMDB)
Paulo Bauer (PSDB)
Área  
 - Total 95 736,165 km² (20º) [1]
População 2014
 - Estimativa 6 727 148 hab. (11º)[2]
 - Densidade 70,27 hab./km² ()
Economia 2012[3]
 - PIB R$177 276 000 mil ()
 - PIB per capita R$27.771[3]  ()
Indicadores 2010[4] [5] [6]
 - Esper. de vida 78,1 anos ()
 - Mort. infantil 9,2‰ nasc. ()
 - Analfabetismo 3,2[7] % ()
 - IDH (2010) 0,774 () – alto [8]
Fuso horário UTC−03:00
Clima subtropical Cfa/Cfb
Cód. ISO 3166-2 BR-SC
Site governamental http://www.sc.gov.br/

Mapa de Santa Catarina

Santa Catarina é uma das 27 unidades federativas do Brasil, localizada no centro da região Sul do país.[9] É o vigésimo estado brasileiro com maior extensão territorial e o décimo primeiro mais populoso,[10] além de ser o nono mais povoado com 295 municípios.[11] O catolicismo é a religião predominante.[12] O idioma oficial, assim como nas demais unidades federativas, é a língua portuguesa.[13]

As dimensões territoriais abrangem uma área de 95 736,165 km²,[1] sendo maior do que Portugal ou a soma dos estados brasileiros do Rio de Janeiro e Espírito Santo com o Distrito Federal.[14] Limita-se com os estados do Paraná (ao norte) e Rio Grande do Sul (ao sul), além do Oceano Atlântico (a leste) e da Argentina (a oeste).[15] A costa oceânica tem cerca de 450 km, ou seja, aproximadamente metade da costa continental de Portugal (943 km).[16] Sua capital e sede de governo é a cidade de Florianópolis,[17] localizada na Ilha de Santa Catarina.[18] Inteiramente ao sul do trópico de Capricórnio, localizado na zona temperada meridional do planeta, o estado possui clima subtropical.[19] Estas condições variam de acordo com o relevo regional, sendo que no oeste e planalto serrano é relativamente comum a ocorrência de geadas e neve, enquanto no litoral o clima é mais quente podendo atingir altas temperaturas durante o verão.[20]

A colonização de Santa Catarina foi largamente efetuada por imigrantes europeus: os portugueses açorianos colonizaram o litoral no século XVIII; os alemães colonizaram o Vale do Itajaí, parte da região sul e o norte catarinense em meados do século XIX; e os italianos colonizaram o sul do estado no final do mesmo século.[21] O oeste catarinense foi colonizado principalmente por descendentes de italianos e alemães deslocados do Rio Grande do Sul, na primeira metade do século XX.[22]

Os índices sociais do estado estão entre os melhores do país e do continente americano. Possui o mais alto índice de expectativa de vida do país (empatado com o Distrito Federal), a menor taxa de mortalidade infantil e também é a unidade federativa com menor desigualdade econômica e analfabetismo do Brasil.[23] [4] [24] [7] Santa Catarina é considerado um estado rico e ostenta o sexto maior PIB da Federação, com uma economia diversificada e industrializada. Importante polo exportador e consumidor, o estado é um dos responsáveis pela expansão econômica nacional, respondendo por 4% do produto interno bruto do país.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Chegada dos franceses liderados por Gonneville à terra que futuramente seria São Francisco do Sul.

A região costeira do Estado de Santa Catarina foi, desde a época do descobrimento, visitada por navegantes de várias nacionalidades. Afora a discutida versão da presença do francês Binot Paulmier de Gonneville, que ali teria permanecido durante seis meses, em 1504, não existe dúvida quanto à viagem dos portugueses Nuno Manuel e Cristóvão de Haro, que por lá passaram, em 1514, e deram o nome de ilha dos Patos à atual ilha de Santa Catarina. No ano seguinte, o português João Dias de Sóis, ou Juan Díaz de Solís, que navegava a soldo da Coroa espanhola, passou em direção ao Prata. Onze náufragos dessa expedição foram bem recebidos pelos índios carijós e a eles se integraram. Esses aborígines viviam de caça e pesca, eram exímios tecelões de redes, esteiras e cestos e trabalhavam objetos em pedra.

Várias expedições espanholas detiveram-se no litoral catarinense a caminho do rio da Prata: Dom Rodrigo de Acuña, em 1525, deixou dezessete tripulantes na ilha, onde se fixaram voluntariamente. Sebastião Caboto, entre 1526 e 1527, ali se abasteceu, seguiu para o Prata e retornou. Após Caboto, nela aportaram Diego García e, em 1535, Gonzalo de Mendoza. Em 1541, Álvar Núñez Cabeza de Vaca partiu da ilha de Santa Catarina para transpor a serra do Mar e atingir por terra o Paraguai. Mantendo sempre o propósito de tomar posse do Brasil meridional, o governo espanhol nomeou Juan Sanabria governador do Paraguai, com a missão de colonizar o rio da Prata e povoar também o porto de São Francisco do Sul, em Santa Catarina. Com a morte de Juan Sanabria, tomou posse seu filho Diogo. Alguns navios da expedição lograram chegar à ilha de Santa Catarina, onde os espanhóis permaneceram dois anos, dividindo-se em dois grupos: um deles rumou para Assunção; o outro, chefiado pelo piloto-mor Hernán Trejo de Sanabria, estabeleceu-se em São Francisco do Sul, de onde, após as maiores privações e sempre sob a ameaça de ataques silvícolas, seguiu para Assunção.

Os aborígines da região foram catequisados a partir de 1549 por jesuítas que chegaram ao Brasil em companhia do governador-geral Tomé de Sousa, sob a chefia do padre Manuel da Nóbrega. Os jesuítas empenharam-se com ardor nessa missão, opondo-se às tentativas dos colonizadores portugueses de escravizar os índios. Não conseguiram, contudo, levar a bom termo sua tarefa e, já em meados do século XVII, desistiram da catequese no sul do país. O paulista Francisco Dias Velho, que chegou à ilha de Santa Catarina por volta de 1675, teria dado esse nome ao lugar, onde edificou uma ermida em invocação a Santa Catarina de Alexandria, de quem, ao que consta, uma filha dele tinha o nome. Outros atribuem a autoria a Sebastião Caboto, que teria consagrado a ilha, quando por lá passou entre 1526 e 1527, a Santa Catarina ou, antes, prestara uma homenagem à esposa, Catarina Medrano. O nome do Estado foi emprestado ao da ilha.

Capitania colonial[editar | editar código-fonte]

Construção colonial na Ilha de Santa Catarina.

Com a divisão do Brasil em capitanias hereditárias, a costa catarinense a partir de Laguna, e mais tarde com dois terços da costa do atual estado do Paraná, formaram a capitania de Santana, o último quinhão do sul, doado a Pero Lopes de Sousa. Nem o donatário nem seus herdeiros a colonizaram. O território, após um litígio de dois séculos entre os herdeiros de Pero Lopes e os de seu irmão Martim Afonso de Sousa, foi, no começo do século XVIII, comprado pela Coroa, juntamente com as terras do Paraná e grande parte de São Paulo. Ao mesmo tempo, a Espanha considerava indiscutível seu direito a esses territórios e recomendava aos adelantados a conquista e povoamento não só da ilha como do litoral catarinense. Na década de 1650, Manuel Lourenço de Andrade, um português que vivia em São Vicente, fundou uma povoação no rio de São Francisco, para onde se mudou com a família. Mais tarde foi designado capitão-mor dessa povoação, que em 1660 foi elevada a vila com o nome de Nossa Senhora da Graça do Rio de São Francisco, constituindo a primeira fundação estável da costa catarinense. Pouco depois estabeleceu-se na ilha de Santa Catarina o paulista Francisco Dias Velho, que ergueu uma igreja em louvor a Nossa Senhora do Desterro. A ele se atribui a mudança do nome da Ilha dos Patos para Ilha de Santa Catarina.

Laguna foi outro ponto do litoral povoado na mesma época. Domingos de Brito Peixoto, também paulista, organizou uma bandeira para tomar conta de terras desabitadas ao sul e, em 1676, fundou Santo Antônio dos Anjos da Laguna. A povoação teve vida incerta e o bandeirante despendeu nela toda sua fortuna, com o objetivo de dar-lhe estabilidade. Buscou recursos no aprisionamento do gado nativo e na caça ao gentio e, só em 1696, deu início à construção da matriz local. No início do século XVIII, Laguna, pequena e pouco habitada, vivendo de uma agricultura rudimentar e da exportação de peixe seco para Santos e Rio de Janeiro, era o mais importante núcleo da costa catarinense. O interior rebelde não era explorado nem povoado; essa seria mais tarde a missão de Dom Luís António de Sousa Botelho Mourão, governador da capitania de São Paulo, interessado em garantir o domínio português sobre a região e o escoamento do gado do Rio Grande do Sul para São Paulo. Com tal finalidade, encarregou um abastado paulista, Antônio Correia Pinto de Macedo, de estabelecer povoação na paragem denominada Lages. Em 1820, Lages passou à jurisdição do governo da ilha, dando a Santa Catarina uma configuração parecida com a atual e retirando da alçada de São Paulo a região chamada de Serra, ou seja, o planalto.

Província imperial[editar | editar código-fonte]

Devido à precariedade das comunicações, a notícia da independência do Brasil só chegou a Desterro nos primeiros dias de outubro de 1822. O juiz de fora e presidente da Câmara, Francisco José Nunes, no dia 11, fez a aclamação do imperador.

Durante o império, a província sofreu, como outras, os prejuízos da descontinuidade administrativa. Teve no período mais de setenta presidentes, entre titulares e substitutos. Sob o governo do brigadeiro Francisco de Albuquerque Melo, em 1829, iniciou-se a colonização de Santa Catarina com imigrantes alemães. Em 1831, após a abdicação de Dom Pedro I, o presidente da província, Miguel de Sousa Melo e Alvim, português de nascimento, foi forçado a renunciar em consequência de um levante da tropa. Nesse mesmo ano, em 28 de julho, foi lançado o primeiro jornal publicado na província, com o título de "O Catharinense", dirigido pelo capitão Jerônimo Francisco Coelho.

O movimento farroupilha (ou farrapos) teve considerável repercussão em Santa Catarina, sobretudo na região mais próxima ao Rio Grande do Sul. De 22 de julho a 15 de novembro de 1839, Laguna foi ocupada pelos revoltosos, que ali proclamaram a República Juliana, aliada a Piratini. Nessa ocasião, Ana de Jesus Ribeiro, mais conhecida como Anita Garibaldi, uniu sua vida à de Giuseppe Garibaldi. No planalto catarinense, Lages aderiu à então chamada "revolta do charque", mas submeteu-se ao governo imperial no começo de 1840. Em 1845, a província de Santa Catarina, já inteiramente pacificada, recebeu a visita de Dom Pedro II e da imperatriz Teresa Cristina, que ali teriam concebido a futura princesa Isabel. De 1850 a 1859, Santa Catarina foi governada por João José Coutinho, que demonstrou grande zelo administrativo e particular interesse pela instrução e pela cultura, esforçando-se também no incentivo às colônias de imigrantes. Em 1850 foi fundada Blumenau; no ano seguinte, Joinville; e, em 1860, Brusque.

Unidade federal[editar | editar código-fonte]

Mapa da Guerra do Contestado no Museu do Contestado, em Caçador.

A partir de 1870 as ideias republicanas ganharam impulso em Santa Catarina. Criaram-se clubes e jornais de propaganda, mas os republicanos não chegaram a conseguir representação na assembleia. Entretanto, a cidade de São Bento do Sul elegeu em 1889 a primeira câmara de vereadores no país formada somente de elementos republicanos. A proclamação da república, no Rio de Janeiro, tomou a província de surpresa, pois se esperava apenas a queda do ministério. Confirmado o novo regime, em 17 de novembro, comemorou-se o acontecimento e um triunvirato assumiu o governo. O primeiro governador do estado de Santa Catarina, nomeado por Deodoro da Fonseca, foi o tenente Lauro Severiano Müller. Mais tarde confirmado pela Constituinte de 1891, foi logo deposto com a saída de Deodoro. Uma vez deflagrada, a revolução federalista do Rio Grande do Sul teve reflexos em Santa Catarina.

Seguiu-se uma época de instabilidade política, com sérios entrechoques provocados por motivos locais ou mesmo municipais, e agravados pelos acontecimentos no resto do país. Após a revolta da armada, Santa Catarina foi palco de numerosos episódios da revolução federalista, sendo Desterro proclamada capital provisória da república. Em 17 de abril de 1894, a esquadra brasileira ali aportou, ocupando a cidade. Pouco depois, o coronel Antônio Moreira César, com o apoio das tropas riograndenses, assumiu o governo do Estado de Santa Catarina para exercê-lo com extrema dureza e brutalidade. Entre as incontáveis vítimas desse período de violenta repressão, destaca-se o chefe do governo revolucionário, almirante Frederico Guilherme de Lorena, fuzilado por ordem de Moreira César. Serenados os ânimos, elegeu-se governador Hercílio Luz. Nessa ocasião, a capital do estado passou a chamar-se Florianópolis, em honra de Floriano Vieira Peixoto, então presidente do Brasil. O domínio político, então, não era mais exercido exclusivamente pelas famílias tradicionais do litoral, mas dividido com figuras influentes do planalto e descendentes de imigrantes. Durante este período ocorreu um dos conflitos mais importantes do país - devido às suas proporções - a chamada Guerra do Contestado.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Serra do Rio do Rastro, maior cadeia de montanhas do sul do Brasil.

Santa Catarina situa-se no sul do Brasil, em uma posição estratégica na Unasul. O estado faz fronteira com a Argentina na região Oeste. Florianópolis, a capital, está a 1.539 km de Buenos Aires, 705 km de São Paulo, 1.144 do Rio de Janeiro e 1.673 de Brasília. Situa-se entre os paralelos 25º57'41" e 29º23'55" de latitude Sul e entre os meridianos 48º19'37" e 53º50'00" de longitude Oeste. Ao longo do litoral, aparecem planícies, terrenos baixos, enseadas e ilhas. Essa porção do relevo recebe o nome de planaltos e serras de Leste-Sudeste. No centro-leste de Santa Catarina, surge a depressão periférica. No oeste, sudeste e centro do estado, onde as serras são mais comuns, o compartimento de relevo são os Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná.

Relevo[editar | editar código-fonte]

Planícies litorâneas do estado.

Com 77% de seu território acima de 300m de altitude e 33% acima de 600m, Santa Catarina figura entre os estados brasileiros de mais forte relevo. Quatro unidades, que se sucedem de leste para oeste, compõem o quadro morfológico: a baixada litorânea, a serra do Mar, o planalto paleozoico e o planalto basáltico. A baixada litorânea compreende as terras situadas abaixo de 200m de altitude. Ao norte, alarga-se bastante, penetrando no interior ao longo dos vales dos rios que descem da serra do Mar. Para o sul, estreita-se progressivamente. A serra do Mar domina a baixada litorânea a oeste. Salvo no norte do estado, onde forma o rebordo escarpado de um planalto mais ou menos regular, a serra tem caráter muito diverso do que apresenta em outros estados, como Paraná e São Paulo. Em Santa Catarina, forma uma faixa montanhosa, de aproximadamente mil metros de altitude, constituída por um conjunto de maciços isolados pelos vales profundos dos rios que drenam para o oceano Atlântico.

Por trás da serra do Mar estende-se principalmente o planalto paleozoico, cuja superfície plana encontra-se fragmentada em compartimentos isolados pelos rios que correm para leste. O planalto paleozoico perde altura de norte para sul; na parte meridional do estado confunde-se com a planície litorânea, uma vez que a serra do Mar não chega até essa parte de Santa Catarina. O planalto basáltico ocupa a maior parte do estado. Formado por camadas de basalto (derrames de lavas), intercaladas com camadas de arenito, é limitado a leste por um rebordo escarpado a que se dá o nome de serra Geral. No norte do estado, o rebordo do planalto basáltico se encontra no interior; para o sul vai-se aproximando gradativamente do litoral até que, no limite com o Rio Grande do Sul, passa a cair diretamente sobre o mar. A superfície do planalto é regular e se inclina suavemente para oeste. Os rios que correm para o rio Paraná abriram neste planalto profundos vales.

O ponto mais alto do estado de Santa Catarina é o Morro da Boa Vista, situado entre os municípios de Bom Retiro e Urubici, com uma altitude de 1.827 m. O segundo ponto mais elevado do estado é o Morro da Igreja, situado em Urubici, com 1.822 m, sendo considerado o ponto habitado mais alto da Região Sul do Brasil.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Santa Catarina é subtropical úmido, apresentando duas variações, Cfa e Cfb, de acordo com a Classificação climática de Köppen-Geiger. A variação Cfa é encontrada em praticamente todo o estado nas áreas abaixo de 800 metros de altitude. Já o Cfb encontra-se nas áreas mais altas, acima de 800 metros. Desta forma, as temperaturas médias variam bastante de acordo com o local: são mais baixas nas regiões serranas e mais elevadas no litoral, no sudeste e no oeste catarinense. As chuvas são bem distribuídas durante o ano, atingindo em média, 1.500 mm anuais. Ao contrário do que é observado na maior parte do território brasileiro, em Santa Catarina as quatro estações são bem definidas, entretanto, o clima não é igual em todo o estado, pois existem diferenças significativas entre as regiões. Nas zonas mais elevadas do planalto norte, o verão é fresco e o inverno frio. No litoral (devido à baixa altitude) e no Oeste (devido à continentalidade), o verão é mais quente e prolongado. No litoral, é comum ocorrer o vento sul, que traz para a atmosfera a umidade oceânica, tornando o inverno úmido. Já no planalto sul, devido às altitudes que variam de cerca de 800 a até 1828 metros, o frio é mais forte e dura mais tempo. Ali, é frequente a ocorrência de geadas e neve, com temperaturas que podem atingir menos -15 °C.[carece de fontes?] Bom Jardim da Serra, São Joaquim, Urubici e Urupema são os municípios mais frios do estado e estão entre os mais frios do Brasil.[carece de fontes?] Contudo, a menor temperatura já registrada no país, -14 °C, ocorreu no município de Caçador, em 11 de junho de 1952.[25]

No final de novembro de 2008 algumas regiões do estado, principalmente o Vale do Itajaí, sofreram enchentes após um intenso período de chuvas. Várias cidades ficaram isoladas e algumas foram destruídas.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Floresta de Araucárias: típica da região Sul do Brasil, principalmente de Santa Catarina

A cobertura vegetal original do estado compreende dois tipos de formação: florestas e campos. As florestas, que ocupavam 65% do território catarinense, foram bastante reduzidas por efeito de devastação. Contudo, o plantio de árvores tem crescido, graças aos incentivos governamentais e ao desenvolvimento da indústria madeireira.

No planalto, apresentam-se sob a forma de florestas mistas de coníferas (araucárias) e latifoliadas e, na baixada e encostas da serra do Mar, apenas como floresta latifoliada. Os campos ocorrem como manchas dispersas no interior da floresta mista. Os mais importantes são os de São Joaquim, Lages, Curitibanos e Campos Novos.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Rio Uruguai na divisa entre os estados brasileiros de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Os rios que correm pelo território catarinense pertencem a dois sistemas independentes, que têm como divisores de águas a serra Geral e a serra do Mar. O sistema da vertente do Atlântico é formado por bacias isoladas entre si, como as dos rios Itajaí-Açu, Tubarão, Araranguá, Tijucas e Itapocu.

No interior do estado, duas bacias se unem para formar a bacia do Prata: a do rio Paraná, que tem como principal afluente o rio Iguaçu, e a do rio Uruguai, cujos afluentes mais importantes são o rio Pelotas, o Canoas, o Chapecó e o do Peixe. O Itajaí é o principal rio dessa parte de Santa Catarina. No centro e no oeste, localizam-se afluentes do rio Uruguai, como o rio Pelotas, o Canoas, o do Peixe e o Chapecó. Esses cursos d’água pertencem à bacia do rio Uruguai. Originalmente, o estado era recoberto por florestas e campos. Nas serras litorâneas predominava a Mata Atlântica e, nos trechos mais elevados das regiões serranas, a Mata de Araucárias. Os campos aparecem em manchas esparsas por todo o estado.

Fuso horário[editar | editar código-fonte]

O fuso horário é o mesmo de Brasília: três horas a menos em relação a Greenwich, UTC-3. Uma vez por ano, em geral entre outubro e fevereiro, adota-se o horário de verão, no qual os relógios são adiantados uma hora para poupar energia.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1872 159 802
1890 283 769 77,6%
1900 320 289 12,9%
1920 668 743 108,8%
1940 1 178 340 76,2%
1950 1 560 502 32,4%
1960 2 146 909 37,6%
1970 2 930 411 36,5%
1980 3 687 652 25,8%
1991 4 538 248 23,1%
2000 5 349 580 17,9%
2010 6 248 436 16,8%
Fonte: IBGE[26]

Segundo as estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estado de Santa Catarina possui uma população de 6.634.254 de habitantes e uma densidade populacional de 69,30 hab./km² em 2013. As cidades mais populosas de Santa Catarina são: Joinville, Florianópolis, Blumenau, São José, Criciúma, Chapecó, Itajaí, Lages, Jaraguá do Sul e Palhoça.

Santa Catarina, junto com o Espírito Santo, são os únicos estados brasileiros em que a capital estadual não é seu município mais populoso, nem este último está localizado em sua região de influência.

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Consulado da Áustria em Treze Tílias. A forte imigração europeia deixou legados como a influência linguística.

São falados em Santa Catarina dois grupos de idiomas distintos: as línguas autóctones e as línguas alóctones, sendo alguns destes idiomas minoritários.

As línguas autóctones ou nativas são a kaingang, mbyá-guaraní e xokleng. Com a colonização europeia do estado, idiomas alóctones ou de imigrantes surgiram e permanecem atualmente, como o português, o talian e outros dialetos italianos, e os dialetos germânicos hochdeutsch ou deutsch e plattdüütsch ou plattdietch, ao qual pertence o dialeto pomerano comum nas proximidades de Blumenau e Pomerode. Alguns dialetos surgiram de forma regional, como o portunhol, uma mistura de português e castelhano falado nas regiões fronteiriças com a Argentina, e o katarinensisch, de origem alemã.[carece de fontes?] Outros núcleos linguísticos em menor escala incluem castelhano, polaco, lituano, japonês, árabe, iídiche, entre outros.

Etnias[editar | editar código-fonte]

Casa de pedra italiana em Nova Veneza.

A população do estado de Santa Catarina é formada por mais de cinquenta etnias, sendo as predominantes descendentes de portugueses, alemães, italianos e, em menor medida, eslavos (poloneses, sobretudo), índios e africanos.[27] [28] De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, em 2009 a população do estado era composta por 85,7% de brancos, 11,7% de pardos, 2,2% de negros e 0,3% de amarelos ou indígenas.[29] Os portugueses, em sua maioria açorianos, começaram a chegar a Santa Catarina em 1750 para que colonizassem e protegessem o Sul do Brasil de eventuais ataques de espanhóis. Os castelhanos, vindos da Argentina, estavam invadindo terras lusitanas no Brasil meridional. Foram fundadas colônias açorianas em pontos estratégicos no litoral de Santa Catarina, que mais tarde se espalharam por outras zonas do Sul do Brasil.

Um estudo genético realizado em Costa da Lagoa e em São João do Rio Vermelho, ambas comunidades isoladas de Santa Catarina fundadas por colonos açorianos, revelou que esta população permanece geneticamente próxima à população portuguesa dos Açores, embora com contribuições africanas e indígenas. A ancestralidade dessas comunidades continua predominantemente europeia (80,6% a 93,50%), mas não é exclusivamente açoriana, pois foi detectada considerável mistura africana (12,6% a 4,1%) e indígena (6,8% a 2,4%).[30]

A imigração alemã em Santa Catarina iniciou em 1829, quando 523 alemães oriundos de Bremen fundaram a colônia São Pedro de Alcântara. A vinda de alemães para o Brasil foi incentivada pelo Imperador Dom Pedro I, que pretendia povoar o Brasil meridional a fim de promover o crescimento econômico da região. Diversas outras colônias alemãs foram criadas no estado. As de maior êxito foram as colônias de Blumenau, em 1850, e de Joinville, em 1851. Estas duas colônias foram as responsáveis pelo sucesso da imigração alemã no estado. Cerca de 40% da população catarinense é de origem alemã. A imigração italiana foi a corrente imigratória mais numerosa já recebida por Santa Catarina. Os italianos começaram a chegar ao estado em 1875, provenientes principalmente das regiões do Vêneto e da Lombardia. Assim como ocorreu com os alemães, foram criadas dezenas de colônias etnicamente italianas, sendo as mais prósperas na região do vale do rio Tubarão. As primeiras colônias italianas foram fundadas no litoral de Santa Catarina. No início do século XX, italianos vindos do Rio Grande do Sul passaram a migrar para o oeste de Santa Catarina, e ali as colônias italianas prosperaram. Aproximadamente 30% da população de Santa Catarina descende de italianos[carece de fontes?].

De acordo com um estudo genético de 2013, a ancestralidade dos habitantes de Santa Catarina é 79,7% europeia, 11,4% africana e 8,9% indígena.[31] [31]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

O censo demográfico realizado em 2000, pelo IBGE, apontou a seguinte composição religiosa em Santa Catarina:[32]

A Igreja Católica divide-se administrativamente em uma arquidiocese, a Arquidiocese de Florianópolis e nove dioceses: Blumenau, Caçador, Chapecó, Criciúma, Joaçaba, Joinville, Lages, Rio do Sul e Tubarão.[33]

Criminalidade[editar | editar código-fonte]

Santa Catarina é a terceira unidade federativa menos violenta do Brasil e possui o menor índice de criminalidade da Região Sul. A taxa de homicídios é de 11,7.[34]

O município mais violento de Santa Catarina é Santa Cecília, no Planalto Serrano; é também o 228º mais violento do Brasil (43,2), registrando, em 2006, taxas médias de homicídio superiores apenas às dos municípios de Lebon Régis, Abelardo Luz, Florianópolis, União do Oeste e Planalto Alegre.[35] O município com a menor taxa média de homicídios é Planalto Alegre, localizado na microregião de Chapecó, no Oeste Catarinense.

Política[editar | editar código-fonte]

Raimundo Colombo, o atual governador do estado.
Centro Administrativo.

Santa Catarina é governada através dos três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário. O estado também permite direta participação do eleitorado (através de referendos, plebiscitos e iniciativa popular) em decisões governamentais. A primeira Constituição de Santa Catarina foi adotada em 1891. A atual Constituição de Santa Catarina, por sua vez, foi adotada em 1989. Emendas à constituição geralmente são propostas pela casa do Poder Legislativo. Neste caso, esta emenda precisa ser aprovada por dois terços dos membros da casa. Emendas também podem ser propostas por abaixo-assinados, diretamente pela população. Neste caso, o abaixo-assinado precisa conter participação de pelo menos 2,5% dos eleitores que tiverem elegido o governador na última eleição estadual, dentro de critérios propostos na própria constituição.

O Poder Executivo é exercido pelo governador do estado, eleito pela população através de sufrágio universal, em voto direto e secreto, para mandatos de quatro anos, podendo ser reeleito para mais um mandato, totalizando oito anos. O atual governador é João Raimundo Colombo, do Partido Social Democrático (partido político) (PSD), que venceu a disputa pelo Democratas nas eleições estaduais de Santa Catarina de 2010. Suas sedes são o Centro Administrativo, edifício sede do governo, e a Casa D’Agronômica, a residência oficial do governador.

O Poder Legislativo de Santa Catarina é unicameral na forma da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, localizado no Palácio Barriga-Verde. É composta por 40 membros eleitos para um mandato de 4 anos diretamente através do sistema proporcional, que verifica o desempenho de cada partido nas eleições. A configuração atual da Assembleia apresenta 27 deputados governistas e treze deputados oposicionistas. Os membros da Assembleia podem se reeleger ilimitadamente.

Santa Catarina elege dezesseis deputados federais que representam a população. Assim como os demais estados, Santa Catarina possui 3 senadores, que representam o estado no Senado Federal.

O Poder Judiciário é presidido pelo desembargador Cláudio Barreto Dutra[36] e composto por 50 juízes denominados desembargadores, indicados pelo governador do estado e aprovados pelo Legislativo para mandatos vitalícios. Sua sede é denominada Palácio da Justiça Ministro Luiz Gallotti e seu maior tribunal é o Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Desde 1823 a capital de Santa Catarina é a cidade de Florianópolis. Originalmente, a cidade tinha o nome de Nossa Senhora do Desterro, em referência à sua padroeira. A mudança de nome seguiu-se ao fim da Revolução Federalista, em 1894, e ainda é considerada controvertida por parte dos habitantes da cidade. O nome Florianópolis refere-se a Floriano Peixoto, ex-presidente da República. Deste nome deriva o apelido Floripa, pelo qual a cidade é amplamente conhecida. Com o movimento revolucionário de 1930, iniciado no Rio Grande do Sul, Santa Catarina foi o primeiro estado a ser invadido pelas forças que conduziram Getúlio Vargas ao poder. Muito embora fossem sendo vencidas as forças legais, Florianópolis resistiu ao avanço gaúcho, até que a revolução viesse a triunfar em todo o território nacional. De 1930 a 1945, o estado foi governado por interventores federais. Ao longo desses quinze anos, houve um breve período, de 1935 a 1937, em que o Poder Executivo estadual esteve entregue a um governador eleito, Nereu Ramos, mantido como interventor pelo Estado Novo, em 1937. Na década de 1940, uma grande área do estado, que vivia semimarginalizada e escassamente povoada, o meio e o extremo oeste, passou a ter importância cada vez maior. Essas glebas foram sendo ocupadas por gente vinda do Rio Grande do Sul, colonos estrangeiros e seus descendentes, que nelas vislumbraram um novo eldorado. Em 1966, tomou posse o governador Ivo Silveira, eleito por voto direto. Depois, dois governadores foram escolhidos pela Assembleia Legislativa do estado, Colombo Sales e Antônio Carlos Konder Reis; e um por um colégio eleitoral, Jorge Bornhausen.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Mapa político de Santa Catarina.

Santa Catarina está separada em subdivisões geográficas denominadas mesorregiões e microrregiões, e em subdivisões administrativas denominadas municípios. As mesorregiões compreendem as grandes regiões do estado, unidas por laços geográficos, demográficos e culturais. Atualmente existem seis mesorregiões em Santa Catarina, sendo elas a Grande Florianópolis, Norte Catarinense, Oeste Catarinense, Serrana, Sul Catarinense, Vale do Itajaí. As microrregiões são formadas pelo conjunto de cidades que se engloba a uma cidade pólo. As cidades polo estão distribuídas por todo o estado de forma descentralizada, e cada uma possui uma Secretária de Desenvolvimento Regional. Há atualmente vinte microrregiões, são elas a de Araranguá, Blumenau, Campos de Lages, Canoinhas, Chapecó, Concórdia, Criciúma, Curitibanos, Florianópolis, Itajaí, Ituporanga, Joaçaba, Joinville, Rio do Sul, São Bento do Sul, São Miguel do Oeste, Maravilha, Tabuleiro, Brusque, Tubarão, Xanxerê. Já os 293 municípios presentes no estado são divisões administrativas que possuem relativa autonomia e concentram um poder político local. O sistema local também funciona com três poderes, sendo o executivo a Prefeitura, o legislativo a Câmara de Vereadores e o judiciário o Fórum Municipal. O maior deles é Joinville, também sendo o mais populoso e de maior PIB do estado; sua região metropolitana possui aproximadamente 1,1 milhão de habitantes. Alguns destes municípios formam uma conurbação chamada de região metropolitana, existindo oito delas em Santa Catarina: Região Metropolitana Carbonífera, de Chapecó, de Florianópolis, de Lages, da Foz do Rio Itajaí, do Norte/Nordeste Catarinense, do Vale do Rio Itajaí e de Tubarão.

Regiões[editar | editar código-fonte]

Litoral/Grande Florianópolis
Balneário Camboriú, no litoral do estado.

Os 531 quilômetros de litoral são um atrativo para quem busca belas praias e o contato com a natureza. Esta região, colonizada por açorianos no século XVIII, tem um relevo recortado, com baías, enseadas, manguezais, lagunas e mais de quinhentas praias. É ainda uma das mais importantes áreas de biodiversidade marinha do Brasil. As principais cidades são Florianópolis, São José, Palhoça, Laguna, Itajaí, Navegantes, Balneário Camboriú, Itapema, Bombinhas e Porto Belo. A pesca e o turismo são atividades econômicas marcantes.

Florianópolis, capital e centro administrativo do estado, tem o seu território situado parte em uma ilha oceânica com 523 quilômetros quadrados, a Ilha de Santa Catarina, e parte no continente. É a capital brasileira que oferece melhor qualidade de vida e o terceiro município brasileiro mais visitado por turistas estrangeiros, atrás apenas de Rio de Janeiro e São Paulo. A porção continental do município é ligada à parte insular por três pontes. Seus mais de 453285 habitantes convivem com o ritmo ágil de um centro urbano cosmopolita e com a tranquilidade dos vilarejos construídos pelos colonizadores açorianos. As 100 praias da cidade são em sua maioria limpas e próprias para banho.

Vale do Itajaí

Um "pedacinho da Alemanha" encravado em Santa Catarina. Assim é o Vale do Itajaí, situado entre a Capital e o Nordeste do estado. A herança dos pioneiros germânicos deixou marcas na arquitetura em estilo enxaimel, na culinária e nas festas típicas, nos jardins bem cuidados e na força da indústria têxtil. Sua paisagem de morros, matas, rios e cachoeiras é um forte atrativo para os ecoturistas. Os principais municípios são Itajaí, Blumenau, Gaspar, Pomerode, Indaial, Brusque, Guabiruba, Ituporanga e Rio do Sul.

Nordeste

Com forte tradição germânica, o Nordeste do estado concilia uma economia dinâmica com o respeito à natureza exuberante. Indústrias do ramo eletro-metal-mecânico dividem espaço com as densas florestas da Serra do Mar e as águas da Baía de Babitonga na cidade de São Francisco do Sul. A região tem alto poder aquisitivo e excelente qualidade de vida. Suas principais cidades são Joinville, Jaraguá do Sul, São Bento do Sul e São Francisco do Sul.

Planalto Norte

Nesta região, rica em florestas nativas e provenientes de reflorestamento, concentra-se o polo florestal catarinense - o mais expressivo da América Latina, abrangendo indústrias madeireiras, moveleiras, de papel e de papelão. Os principais municípios são São Bento do Sul, Rio Negrinho, Canoinhas, Corupá, Mafra, Três Barras e Porto União.

Planalto Serrano/Serra Catarinense
Neve em São Joaquim, cidade localizada no Planalto Serrano.

O frio e o turismo rural são os grandes atrativos desta região, que tem como atividades econômicas a pecuária e a indústria florestal. Por conta das paisagens bucólicas e da neve que se precipita em algumas cidades, todos os anos o Planalto recebe milhares de visitantes no inverno. A estrada da Serra do Rio do Rastro, que desce em curvas sinuosas de uma altitude de 1.467 metros até o nível do mar, é uma atração à parte. Os principais municípios são Lages, Curitibanos, São Joaquim, Urubici e Bom Jardim da Serra.

Sul/Região Carbonífera

A presença dos descendentes de imigrantes italianos é uma característica marcante da região. Quem a visita pode conhecer de perto as vinícolas e apreciar a cultura italiana em festas típicas, além da colonização alemã, existente em menor escala. Extrativismo mineral, indústria cerâmica (Eliane, Portinari) e de derivados do plástico (Grupo Incoplast/Copobras, Copaza, Canguru, etc) são as principais atividades econômicas. O sul do estado tem estações hidrotermais(Gravatal e Santa Rosa de Lima) e cânions (Lauro Müller e Urubici), além dos famosos cânions Itaimbézinho e Malacara que fazem parte da cidade de Praia Grande e o cânion fortaleza que faz parte da cidade de Jacinto Machado, que são mundialmente conhecidos por suas belezas naturais, como piscinas naturais, ricos em biodiversidade. Suas principais cidades são Criciúma, Içara, Tubarão, Laguna, Imbituba, Araranguá, Urussanga, Orleans e Braço do Norte. O sul de Santa Catarina também tem um grande potencial turístico, pois sedia o Circuito Mundial de Surfe (WCT) em Imbituba, capital nacional da baleia franca. Laguna, com suas ruas antigas e cidade de Anita Garibaldi. Criciúma com a unica mina subterrânea no mundo aberta para visitação e Morro dos Conventos com seus cânions litorâneos.O Sul catarinense, devido a sua beleza litorânea, recebe visitação principalmente de argentinos, paranaenses e gaúchos.

Meio-Oeste

Nesta região de morros ondulados localizada no centro do estado situam-se comunidades de pequeno e médio porte, colonizadas por imigrantes italianos, alemães, austríacos e japoneses. Sua atividade econômica está baseada na agroindústria, criação de bovinos e produção de maçã. Também há indústrias expressivas do polo metalomecânico e madeireiro. As principais cidades são Joaçaba, Caçador, Videira, Fraiburgo e Campos Novos, com destaque para Treze Tílias e Piratuba, cidades com grande atividade turística em função de fontes hidrominerais termais.

Oeste/Extremo-Oeste

Colonizada por gaúchos descendentes em sua maioria de alemães e italianos no século XX, a região Oeste são o "celeiro" de Santa Catarina, onde foram fundadas empresas como Sadia, Aurora, Perdigão e Seara, de onde sai boa parte da produção brasileira de grãos, aves e suínos. Frigoríficos de grande e médio porte estão associados aos produtores rurais em um modelo bem sucedido de integração: as empresas fornecem insumos e tecnologia e compram a produção de animais. A região começa a explorar o potencial turístico de suas fontes hidrotermais. Os principais municípios são Chapecó, Xaxim, Xanxerê, Concórdia, Maravilha, São Miguel do Oeste, São João do Oeste e Itapiranga.

Economia[editar | editar código-fonte]

Indicadores
PIB R$ 177.276.000.000 (2012)[3]
Composição do PIB[3] 33,7% indústria
62,1% serviços
4,3% agropecuária
PIB per capita R$ 27.771,85 (2012)[3]
Exportações[37] US$ 8.920.648.000 (2012)
Importações[37] US$ 14.550.221.000 (2012)
Saldo comercial[37] US$ -5.629.573.000 (2012)
Exportações do Brasil por Estado - (2012)[38]
Exportações de Santa Catarina - (2012)[39]

A economia se baseia na indústria (principalmente agroindústria, têxtil, cerâmica e metal-mecânica), no extrativismo (minérios) e na pecuária. O estado de Santa Catarina é o maior exportador de frango e de carne suína do Brasil, sendo que a Brasil Foods, a maior empresa de alimentos do Brasil, é catarinense. Entre as indústrias, sedia um dos maiores fabricantes de motores elétricos do mundo, a Weg (Jaraguá do Sul), um dos maiores fabricantes de compressores, a Embraco (Joinville), e também a maior fundição da América Latina, a Tupy (Joinville). Possuem grande expressividade as indústrias de eletrodomésticos (e metalmecânica em geral) no norte do estado, com marcas de projeção nacional como Consul e Brastemp (ambas de Joinville).

Santa Catarina é o sexto estado mais rico do Brasil, e, com o Paraná (quinto) e Rio Grande do Sul (quarto), controla 16,1% da economia do país[3] . O estado também é um grande exportador. É o quarto estado que mais exportou no país em 2012, atrás apenas de São Paulo (26,55%), Rio de Janeiro (12,88%) e Minas Gerais (12,72%) com participação de 8,07% [38] . Sua pauta se baseou, em 2012, em Carne de Aves (19,82%), Tabaco em Rama (10,78%), Motores Elétricos (6,79%), Bombas de Ar (6,10%) e Peças para Motores (4,72%)[39] .

Agricultura, pecuária e pesca[editar | editar código-fonte]

Colheita de arroz, Rio do Sul.

O principal produto agrícola de Santa Catarina é o milho, cultivado no planalto basáltico, que fornece ração para a criação de suínos. Seguem-se a soja, o fumo, a mandioca, o feijão, o arroz (cultivado com irrigação nas várzeas da baixada litorânea e do vale do Itajaí), a banana e a batata-inglesa. O estado é também importante produtor de alho, cebola, tomate, trigo, maçã, uva, aveia e cevada.

A criação de bovinos se faz principalmente em campo natural, de maneira extensiva, e nas áreas florestais, em menor escala, com os animais submetidos a semi-estabulação. Nas áreas em que a agricultura é a atividade predominante, a criação se volta para os suínos, sobretudo no planalto basáltico, onde a produção de milho assegura ração adequada aos animais. A suinocultura experimentou grande progresso no estado, em virtude do desenvolvimento dos frigoríficos especializados no processamento de carne de porco, como a Seara Alimentos, Perdigão S.A., a Sadia e a Aurora Alimentos. Grande expansão se verificou ainda na criação de aves.

A pesca desempenha importante papel na economia do estado. Santa Catarina é um dos maiores produtores de pescado e crustáceos do país. A atividade, que remonta à origem açoriana da população, desenvolve-se sobretudo em Florianópolis, Navegantes e Itajaí.

Extrativismo[editar | editar código-fonte]

As riquezas vegetais e minerais concorrem decisivamente para o progresso produtivo do estado. Entre as primeiras destacam-se as reservas florestais, representadas especialmente pelos pinheirais, apesar de sua intensa exploração, e os ervais, que permitem ao estado manter-se como grande produtor da erva-mate. O estado de Santa Catarina é um dos maiores produtores de papel e celulose do país.

No extrativismo mineral, as ocorrências de carvão, principalmente nas áreas da baixada litorânea (Urussanga, Criciúma, Lauro Müller e Tubarão), representam fator importante para o desenvolvimento econômico regional. As condições de exploração do carvão mineral têm apresentado sensível melhoria, do ponto de vista técnico e dos equipamentos empregados. Santa Catarina possui ainda as maiores reservas brasileiras de fluorita e sílex (em produção). Outros recursos minerais disponíveis são os depósitos de quartzo e grandes ocorrências de argila cerâmica, bauxita e pedras semipreciosas, além de petróleo e gás natural na plataforma continental.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Vista de Blumenau, um dos principais polos industriais do estado.

Os principais centros industriais de Santa Catarina são Joinville e Blumenau. O primeiro tem caráter diversificado, com fábricas de tecidos, de produtos alimentícios, fundições e indústria eletro-metal-mecânica e de plásticos. Blumenau concentra sua atividade na indústria têxtil, metal mecânica e na de softwares, além da recente eclosão de cervejarias artesanais. No interior do estado, ocorrem numerosos centros fabris de pequeno porte, ligados tanto à industrialização de madeira quanto ao beneficiamento de produtos agrícolas e pastoris.

O nordeste do estado (eixo Joinville-Jaraguá do Sul) se destaca na produção de motocompressores, autopeças, refrigeradores, motores e componentes elétricos, máquinas industriais, tubos e conexões. No sul do estado (incluindo as cidades de Imbituba, Tubarão, Criciúma, Cocal do Sul, Içara e Urussanga), por sua vez, concentram-se as principais fábricas de cerâmica de revestimento do Brasil. O estado de Santa Catarina também lidera, no país, a produção de louças e cristais.

No norte do estado, destaca-se a cidade de São Bento do Sul, que além de importante pólo metal mecânico é o maior polo exportador de móveis do Brasil, sendo reconhecida como a capital nacional dos móveis.

As matrizes dos principais frigoríficos do país se encontram no meio-oeste e oeste do estado.

Florianópolis vem se consolidando, no cenário nacional e internacional da industria de tecnologia da informação e comunicação. Conforme dados oficiais de 2013, conta com um polo de base tecnológica de mais de 600 empresas de software, hardware e serviços de tecnologia. Sendo que este setor foi maior arrecadador de impostos e responsável por mais de 45% do PIB no município.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Indicadores
Serviços
Acesso à água 83,9% (2011)[40]
Rede de esgoto 56,6% (2011)[40]
Saúde
Mortalidade infantil 9,2‰ (2010)[4]
Médicos 1,68 por mil hab. (2012)
Leitos hospitalares 2,43 por mil hab. (2012)
Educação
Educação infantil 274.329 matrículas (2011)[41]
Ensino Fundamental 851.180 matrículas (2012)[42]
Ensino Médio 254.636 matrículas (2012)[42]
Ensino Superior 268.899 matrículas (2011)[43]

Saúde[editar | editar código-fonte]

As condições sanitárias do estado são consideradas satisfatórias, embora não a haja possível a erradicação de certas endemias rurais. Em 2005, a organização hospitalar compreendia uma rede de 1.755 estabelecimentos, que dispunham de 7.644 leitos, assistidos por 33.788 médicos, 4.420 enfermeiros e 6.824 auxiliares de enfermagem.[44] [45] Órgãos da União que prestaram serviços no estado: Departamento Nacional de Endemias Rurais (educação sanitária, atividades de saneamento básico, campanhas de vacinação contra a ancilostomose, doença de Chagas, febre amarela, filariose, malária e tracoma), Serviço Nacional de Doenças Mentais, Serviço Nacional da Lepra e Serviço Nacional de Tuberculose. Em 2005, da população, 79,1% dos catarinenses tinham acesso à rede de água,[46] enquanto 82,6% se beneficiam da rede de esgoto sanitário.[46]

Educação[editar | editar código-fonte]

Em 2012, estavam matriculados 851.180 alunos, nas 3.376 escolas catarinenses de ensino fundamental, das quais 982 eram estaduais, 2.029 municipais, 364 particulares e uma federal. Quanto ao corpo docente, era o mesmo constituído de 28.658 professores, sendo que 17.873 lecionavam na escolas estaduais, 60 nas federais, 22.297 nas municipais e 6.301 nas particulares.

O ensino médio, em 2012, foi ministrado em 970 estabelecimentos com 254.636 alunos matriculados, assistidos por 4.129 professores. Dos 254.636 discentes, 211.349 estavam nas escolas estaduais, 5.002 nas federais e 1.255 nas municipais e nas 37.030 particulares.[42] [47]

Quanto ao ensino superior, o estado possuía 93 estabelecimentos, dos quais 4 são federais, um estadual, 6 municipais e 82 particulares.[43]

Em 2013, a taxa de analfabetismo no estado era de 3,2%, a menor do país.[7] A taxa de escolarização na faixa etária de 6 a 14 anos é 99,2%, fazendo com que o estado seja líder nesse quesito.[7] Da população, 16,3% dos catarinenses são analfabetos funcionais. Santa Catarina tem o terceiro maior IDH-educação do Brasil, com um índice de 0,934.[48]

As principais instituições de ensino superior de Santa Catarina são a Universidade Federal de Santa Catarina, a Universidade do Estado de Santa Catarina, a Universidade Federal da Fronteira Sul, o Instituto Federal de Santa Catarina, o Instituto Federal Catarinense, a Fundação Universidade Regional de Blumenau, a Universidade do Extremo Sul Catarinense, a Universidade do Sul de Santa Catarina, a Universidade do Oeste de Santa Catarina, a Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP), a Universidade Municipal de São José, a Universidade do Sul de Santa Catarina, a Universidade do Contestado, a Universidade do Vale do Itajaí, a Universidade da Região de Joinville, a Centro Universitário de Jaraguá do Sul, a Universidade Comunitária Regional de Chapecó e a Universidade do Planalto Catarinense.

Energia[editar | editar código-fonte]

O potencial hidrelétrico de Santa Catarina não é totalmente aproveitado e grande parte da energia consumida no estado é fornecida por usinas hidrelétricas, contudo a participação de usinas termelétricas ainda é bastante representativa na matriz energética do estado. A utilização do carvão-vapor na alimentação dessas usinas contribui não só para a expansão da produção termelétrica como assegura mercado em crescimento para a ampliação do consumo da produção estadual de carvão.

No município de Capivari de Baixo encontra-se o maior complexo termelétrico a carvão da América Latina. O Complexo Termoelétrico Jorge Lacerda, com 857 megawatts, pertencia à estatal Eletrosul Centrais Elétricas até 1997, quando foi privatizada, e atualmente pertence à Tractebel Energia, empresa sediada em Florianópolis, filial do grupo francês GDF Suez.

É importante ressaltar que nos últimos anos vem crescendo no estado a captação e a geração de energia a partir de outras fontes. Podemos citar como exemplo a Usina de Cogeração Lages a partir da biomassa gerada pelos resíduos da madeira, os parques eólicos de Bom Jardim da Serra e Água Doce, as usinas de Biogás a partir da captação do gás metano de dejetos de animais em Itapiranga e Pomerode e a partir de resíduos sólidos urbanos em Itajaí, da geração fotovoltaica na Usina Megawatt Solar em Florianópolis (a maior usina solar da América Latina integrada a edifício) e na Usina Cidade Azul (a maior usina fotovoltaica do Brasil e segunda da América Latina), localizada no município de Tubarão.[carece de fontes?]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Vista da SC-438 cruzando a Serra do Rio do Rastro.

Rodovias estaduais[editar | editar código-fonte]

Santa Catarina possui uma malha rodoviária que integra as diferentes regiões do estado. As rodovias estaduais de Santa Catarina são administradas pelo Departamento de Transportes e Terminais, encarregado da manutenção e da vigilância da grande maioria das vias públicas interurbanas do estado. A Constituição do estado proíbe a existência de pedágios em suas estradas.

Rodovias federais[editar | editar código-fonte]

Já as rodovias federais são administradas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes sendo em sua grande maioria pedagiadas. A principal rodovia é a BR-101, que atravessa o litoral e escoa grande parte da produção. Outra rodovia importante é a BR-470, que liga o meio-oeste ao litoral. Ela se conecta à BR-282 e à BR-283 e por ela circula a produção agroindustrial que é exportada pelo porto de Itajaí. Pela BR-280, que liga a cidade de Porto União, no Planalto Norte, com o porto de São Francisco do Sul, é transportada a produção da indústria de móveis de São Bento do Sul e a erva-mate produzida em Canoinhas. Outras rodovias importantes são a BR-153 e a BR-116, que atravessa as cidades de Lages, Papanduva e Mafra, cortando o estado até a divisa com o Rio Grande do Sul.

Portos[editar | editar código-fonte]

Cinco portos especializados formam o sistema portuário catarinense: São Francisco do Sul, Itajaí, Itapoá, Imbituba e Navegantes. O primeiro, essencialmente exportador, é o maior porto graneleiro do estado. O de Itajaí, maior do estado, destina-se fundamentalmente à exportação de açúcar e congelados e ao transporte de combustíveis, enquanto Imbituba é um terminal carbonífero e Laguna, porto pesqueiro.

Ferrovias[editar | editar código-fonte]

As estradas de ferro, administradas pela Rede Ferroviária Federal (11ª Divisão -- Paraná-Santa Catarina e 12ª Divisão—Estrada de Ferro Teresa Cristina), têm dois troncos principais, que cortam o estado no sentido norte-sul: um passa por Mafra e Lages e o outro, por Porto União, Caçador e Joaçaba. No norte do estado, uma linha em sentido leste-oeste liga as cidades ao litoral, servindo Porto União, Canoinhas, Mafra, São Bento do Sul, Joinville e São Francisco do Sul. Outras linhas férreas catarinenses servem o vale do Itajaí e a região de mineração de carvão, ligando-a com os portos de Laguna e Imbituba.

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

Existem 32 aeroportos públicos e privados em Santa Catarina, sendo que somente cinco operam rotas comerciais: Aeroporto Internacional Hercílio Luz em Florianópolis, Aeroporto Internacional Ministro Victor Konder em Navegantes, Aeroporto Lauro Carneiro de Loyola em Joinville, Aeroporto Serafim Enoss Bertaso de Chapecó e o Aeroporto Diomício Freitas, vizinho a Criciúma, no sul do Estado.

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

As principais unidades das Forças Armadas em Santa Catarina sediada no estado são: no Exército Brasileiro, Santa Catarina integra o Comando Militar do Sul (que tem um quartel-general em Porto Alegre) e, juntamente com o Paraná, pertence à 5ª Região Militar e 5ª Divisão de Exército, estando sediados no estado o 23º Batalhão de Infantaria (Blumenau) e o 14ª Brigada de Infantaria Motorizada; na Marinha do Brasil, Santa Catarina faz parte do 5º Distrito Naval, com sede no Rio Grande, destacando-se no estado a Escola de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina; na Força Aérea Brasileira, o estado integra o V Comando Aéreo Regional (com sede em Canoas) e dispõe de uma base aérea (Florianópolis).

A Polícia Militar do Estado de Santa Catarina (PMSC) tem por função primordial a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública catarinense, sendo uma das forças militares deste estado brasileiro. Para fins de organização é uma força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, assim como suas co-irmãs e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social brasileiro e está subordinada ao governo do estado por meio da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa do Cidadão (SESSPDC). Seus integrantes são denominados militares estaduais (artigo 42 da CRFB), assim como os membros do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC).

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Santa Catarina (CBMSC) é uma corporação cuja missão primordial consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito do estado de Santa Catarina. Para fins de organização é uma força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, fazendo parte do Sistema Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, estando subordinado ao governo do estado através da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa do Cidadão (SESPDC). Seus integrantes são denominados militares estaduais (artigo 42 da CRFB), assim como os membros da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina.

A Polícia Civil do Estado de Santa Catarina é uma das polícias de Santa Catarina, Brasil, órgão do sistema de segurança pública ao qual compete, nos termos do artigo 144, § 4º, da Constituição Federal e ressalvada competência específica da União, as funções de polícia judiciária e de apuração das infrações penais, exceto as de natureza militar.[49]

A principal instituição penitenciária é a penitenciária do estado (Florianópolis).

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Imprensa[editar | editar código-fonte]

Os principais jornais do estado são A Notícia (Joinville), o Jornal Folha do Oeste (São Miguel do Oeste), A Tribuna (Criciúma), o Correio Lageano (Lages), a Gazeta de Joinville, o Diário Catarinense (Florianópolis), o Diário do Iguaçu, o Diário do Litoral (Itajaí), o Diário do Sul (Tubarão), a Hora de Santa Catarina (Florianópolis), a Jornal da Manhã (Criciúma), o Jornal de Santa Catarina (Blumenau), O Barriga Verde (Taió), o Notisul (Tubarão), Estado (Florianópolis), O Município[desambiguação necessária] (Sul Brasil), a Espinheira (Palhoça), o Expresso da História (Tubarão), o Jornal Floripa (Florianópolis), o Jornal Tribuna Catarinense (Balneário Camboriú), o Jornal Pomeroder Zeitung (Pomerode), o Jornal Notícias do Dia de Joinville (Joinville), o O Correio do Povo (Jaraguá do Sul), o Jornal FolhaSC (Jaraguá do Sul),Folha da Cidade (Caçador) o Jornal do Vale (Jaraguá do Sul), o Jornal Cidadela (Joaçaba), o Jornal Evolução (São Bento do Sul), o Jornal de Bairro (Tubarão) e a Tribuna da Fronteira (Mafra/Rio Negro).

Rádio[editar | editar código-fonte]

As principais emissoras de rádio do estado são:((Radio Jaraguá AM 1010) (Jaraguá do Sul));(Palhoça);Rádio Caçanjurê (Caçador); Rádio Eldorado (Criciúma); Rádio Sociedade Guarujá; Rádio Anita Garibaldi e Rádio Santa Catarina (Florianópolis); Rádio Difusora e Rádio Cultura (Joinville); Rádio Catarinense (Joaçaba); Rádio Clube, Sociedade Rádio Difusora Vale do Itajaí (Itajaí); Rádio Clube Lages (Lages); Rádio Mirador e Radio Amanda (Rio do Sul); Rádio Nereu Ramos (Blumenau); Rede Peperi de comunicação(São Miguel do Oeste).

Televisão[editar | editar código-fonte]

A Televisão Catarinense começou em 1969, quando surge a TV Coligadas Canal 3 de Blumenau logo depois em 1970 surge a TV Cultura Florianópolis canal 6 da Rede Tupi. Hoje já grupos e mais redes sendo formadas por exemplo: RBS TV, RIC TV, CBV e outros.

As principais estações e emissoras de televisão da capital são a TV Cultura Florianópolis (Canal 02), a RIC TV Florianópolis (Canal 04), a Record News Florianópolis (Canal 06), a Band SC (Canal 09), a RBS TV Florianópolis (Canal 12) e a TV Canção Nova Florianópolis (Canal 23); mas também existem emissoras distribuídas por cidades do interior, como Itajai, Blumenau, Chapecó, Joaçaba, Lages, Maravilha, e Xanxerê.

No interior destacam-se a RBS TV Blumenau, a RBS TV Centro-Oeste (Joaçaba), a RBS TV Chapecó, a RBS TV Criciúma, e a RBS TV Joinville, todas afiliadas à Rede Globo de Televisão. Em Lages Grupo de Radios e TV do SBT. Em Itajaí, RIC TV afiliada Record e TVBE com programação SBT.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Entidades culturais[editar | editar código-fonte]

Têm sede em Santa Catarina diversas instituições culturais, entre elas o Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, a Academia Catarinense de Letras e o Círculo de Arte Moderna. As mais importantes bibliotecas são a Biblioteca Pública do Estado, a Biblioteca Pública Municipal do Estreito e as das várias escolas da Universidade Federal, em Florianópolis; a Biblioteca Pública Municipal Dr. Fritz Müller, em Blumenau; a Biblioteca Pública Municipal, em Joinville, e a Biblioteca da Fundação Camargo Branco, em Lages.

Museus[editar | editar código-fonte]

Os mais importantes museus de Santa Catarina são, em Florianópolis, o Museu Histórico (instalado na Casa de Santa Catarina, com armas, uniformes e objetos pertencentes à Companhia Barriga Verde), a casa de Vítor Meireles, o Museu Etnográfico, Etnológico e Botânico, o Museu de Arte Moderna, o Museu do Índio, o Museu do Instituto Geográfico e Histórico e o Museu do Homem do Sambaqui. Em Blumenau, funciona o Museu de História Natural Dr. Fritz Müller; em Brusque, o Museu Arquidiocesano D. Joaquim; em São Francisco do Sul o Museu Nacional do Mar (embarcações brasileiras e estrangeiras); em Joinville, o Museu Municipal (de imigração, colonização e arqueologia) e na antiga estação ferroviária o Museu Estação da Memoria; e, em Lages, o Museu Histórico Pedagógico.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

Ao colonizarem a atual Florianópolis, os açorianos construíram um sistema de fortalezas que hoje tem imenso valor histórico. Na ilha de Anhatomirim está uma dessas fortalezas, o forte de Santa Cruz, que, construído em 1744, foi recuperado pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN). Das ruínas do forte de São José da Ponta Grossa (1740), na praia do Forte, tem-se uma das mais belas vistas da região.

Outros importantes monumentos são o Mercado Público e o prédio da Alfândega, construções do final do século XIX, e a ponte Hercílio Luz (1926), uma das maiores pontes pênseis do mundo, em Florianópolis; e o palácio dos Príncipes (1870), em Joinville. As ruínas e construções da ilha de São Francisco do Sul e da cidade de Laguna são tombadas pelo patrimônio histórico.

Festejos religiosos e folclore[editar | editar código-fonte]

Entre as festas religiosas catarinenses tradicionais destacam-se: a procissão do Senhor Jesus dos Passos, a festa de São Sebastião, a festa do Divino Espírito Santo (festa móvel, com três dias de duração) e a procissão de Santa Catarina (padroeira do estado).

Blumenau, onde ocorre a maior oktoberfest fora da Alemanha.

Das festas folclóricas, as mais importantes são realizadas no mês de outubro em várias cidades: em Criciúma, a Festa das Etnias; em Florianópolis, a Fenaostra; em Blumenau, a Oktoberfest, festa tradicional alemã, com distribuição de chope, músicas típicas e grupos folclóricos; em Joinville, a Fenachopp; em Rio do Sul, a Kegelfest, onde a atração, além da cerveja, é o bolão, jogo semelhante ao boliche e à bocha; em Treze Tílias, a Tirolerfest, que comemora o aniversário da imigração austríaca; em Jaraguá do Sul, a Schützenfest, mistura de competição de tiro com festival de comida e cerveja; em Brusque, a Fenarreco, a Festa Nacional do Marreco; em Pomerode, a Festa Pomerana; em Itapema, o Festival do Camarão; e, em Itajaí, a Marejada, festa com comida típica portuguesa.

Outras festas folclóricas importantes no estado são o terno de reis, em janeiro; o boi-de-mamão, em janeiro e fevereiro, uma espécie de pantomima em que predomina a figura de um boi de papelão ou madeira, seguida de pessoas fantasia, dançarinos e cantores; e a farra do boi, na semana santa. Dos pratos típicos catarinenses, os mais conhecidos são a bijajica (bolinho feito de polvilho, ovos e açúcar, frito em banha) e o Ente mit Rotkohl (marreco com repolho roxo), especialidade da região de Brusque.No mês de abril acontece a Expofeira Nacional da Cebola na cidade de Ituporanga. Período de realização das festas, o evento, a cada edição, foi firmando-se como tradicional para passeios, realização de agronegócios e difusão de novas tecnologias no setor da agropecuária. Entre maio e julho acontece em Lages a Festa Nacional do Pinhão, com pratos típicos à base de pinhão, sendo considerada a maior festa tradicionalista do Brasil e em Urussanga no Sul do estado a Festa do Vinho e a festa Ritorno Alle Origini destacam-se como festejos da tradição italiana no estado.

Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Balneário Camboriú, cidade turística do estado.

O estado de Santa Catarina possui um território cheio de contrastes: as serras se contrapõem ao litoral de belas praias, baías, enseadas e dezenas de ilhas; na arquitetura, vários municípios mantêm as construções típicas da época da colonização; enquanto a capital, Florianópolis, é uma cidade de edificações modernas e sofisticadas, marcada pela forte presença dos jovens, dos esportes náuticos e dos campeonatos de surfe. Dentre as praias podemos destacar Bombinhas, que é considerada a capital do mergulho brasileira, e Balneário Camboriú, uma das praias mais populares.[carece de fontes?]

Hoje, conhecer o estado de Santa Catarina é uma oportunidade de conhecer uma peculiar combinação de nacionalidades, que se reflete não apenas na cultura, mas também no patrimônio histórico. Ademais, existem no estado outros grandes atrativos, como as altas temperaturas do verão, que atraem inúmeros visitantes para suas lindas praias, espalhadas por destinos como Balneário Camboriú, Bombinhas, Itapema, Garopaba, Joaquina, Praia Mole e praia da vila em Imbituba onde acontece etapa do mais importante campeonato de surf do mundo, o WCT; e o rigoroso frio do inverno da Serra Catarinense com fortes geadas – às vezes acompanhado pela neve –, garantindo aconchegantes e românticos roteiros. Os mais visitados da serra são Lages e São Joaquim. Faça frio ou faça sol, existem incontáveis opções de passeios para o ano inteiro.

No Vale do Itajaí - destacando-se Penha, onde há o Beto Carrero World, e Blumenau – estão concentrados destinos onde o forte é o turismo de negócios. Fazendo divisa com Blumenau fica Gaspar, a cidade é famosa pela Igreja Matriz e pela Rota das Águas que abriga cerca de 09 Parques Aquáticos, o mais famoso entre eles é o Parque Aquático Cascaneia. Já no município de Timbó, o destaque fica por conta dos ótimos locais para a prática de esportes radicais como o rafting, canyoning e práticas verticais. No município de Fraiburgo, pertencente a Rota da Amizade, o destaque está para o cultivo da maçã, podendo ser visitadas as diversas etapas desta cultura, como a florada da maçã, a colheita dos frutos, além de desfrutar da estrutura existente na Terra da Maçã para a recepção dos turistas.

Conhecido como um pedaço da Europa encravado no Sul do país, o estado de Santa Catarina tem um dos maiores índices de desenvolvimento econômico do Brasil, baseado numa produção industrial bastante diversificada. Uma grande atração turística é o Farol de Santa Marta, o maior das Américas e o terceiro maior do mundo.

Tem aumentado constantemente o fluxo turístico para o estado, procedente sobretudo de São Paulo e dos países do Prata.[carece de fontes?] O principal foco de atração dos visitantes são as belas praias da ilha de Santa Catarina, bem como os balneários de Laguna, Balneário Camboriú, Porto Belo e Itajaí. Também é fator de atração a zona de colonização alemã, com centro em Blumenau, mas estendendo-se, nos arredores, a Pomerode e Timbó e incluindo, mais para o norte, Joinville. Os municípios da região estimulam a construção das tradicionais casas de enxaimel (caibros cruzados de maneira a sustentar o barro que dá forma às paredes).[carece de fontes?]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Área Territorial Oficial - Consulta por Unidade da Federação. Visitado em 9 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de abril de 2014.
  2. a b ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NO BRASIL E UNIDADES DA FEDERAÇÃO COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (28 de agosto de 2014). Visitado em 28 de agosto de 2014.
  3. a b c d e f g Produto Interno Bruto - PIB e participação das Grandes Regiões e Unidades da Federação - 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). Visitado em 17 de novembro de 2014.
  4. a b c Banco de dados do Sistema Único de Saúde (DATASUS) (2010). Taxa de mortalidade infantil. Visitado em 24 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2013.
  5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). A.11 Esperança de vida ao nascer - 2000/2010 DATASUS. Visitado em 26 de junho de 2013. Cópia arquivada em 28 de junho de 2013.
  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Tabela 8.2 - Taxa de analfabetismo das pessoas de 10 anos ou mais de idade, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas - 2010. Visitado em 2 de maio de 2011.
  7. a b c d Diário Catarinense (27/09/2013). Santa Catarina tem o menor número analfabetos e desempregados do Brasil. Visitado em 31/08/2014.
  8. PNUD Brasil. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, 2010 - Todos os Estados do Brasil. Visitado em 29 de julho de 2013.
  9. Estados brasileiros (em português) Só Geografia (2010). Visitado em 23 de agosto de 2011.
  10. IBGE (2010). Primeiros Dados do Censo 2010 (em português) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  11. .ALESC. Municípios catarinenses (em português) Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  12. IBGE (2000). Tendências Demográficas: Uma análise da população com base nos resultados dos Censos Demográficos 1940 e 2000 - Tabela 9 - População residente, por religião, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2000. Visitado em 13 jul. 2010..
  13. Unicamp (2007). Português (em português) Laboratório de Estudos Urbanos da Universidade de Campinas. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  14. 3. Population by sex, rate of population increase, surface area and density (em inglês) p. 59. United Nations Statistics Division (2007). Visitado em 5 de setembro de 2010.
  15. PIMENTA, Rosangela. Santa Catarina (em português) Brasil República. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  16. Qual é a extensão do litoral brasileiro? (em português) Oragoo (12 de junho de 2008). Visitado em 23 de agosto de 2011.
  17. Estados e capitais do Brasil: Lista com os estados brasileiros e suas respectivas capitais (em português) Suapesquisa.com (2011). Visitado em 23 de agosto de 2011.
  18. Localização de Florianópolis (em português) Guia Catarinense. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  19. Climas do Brasil (em português) Sua pesquisa.com (2011). Visitado em 23 de agosto de 2011.
  20. Ana Margô Mantovani (junho de 2003). Santa Catarina: Quadro Físico (em português) Laboratórios de Informática Unilasall. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  21. Colonização de Santa Catarina (em português) Governo de Santa Catarina (2002). Visitado em 23 de agosto de 2011.
  22. PICCINI, Audrey Saylor Basso; TORRESCASANA, Mariângela (9 a 11 de outubro de 2006). A Região Oeste: fragmentos históricos (em português) Universidade Metodista de São Paulo. Visitado em 23 de agosto de 2011.
  23. Expectativa de vida ao nascer..
  24. Gini dos estados brasileiros em 2012..
  25. Recordes de frio em SC EPAGRI/CIRAM (2011). Visitado em 02 de setembro de 2011.
  26. IBGE. Tabela 1286 - População e Distribuição da população nos Censos Demográficos SIDRA IBGE. Visitado em 16 de novembro de 2011.
  27. Os jeitos da Terra
  28. http://www.agrorede.org.br/ceca/cultura/Negros.html
  29. Síntese dos Indicadores Sociais 2010 (PDF) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Tabela 8.1 - População total e respectiva distribuição percentual, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas - 2009. Visitado em 19 set. 2010.
  30. http://rge.fmrp.usp.br/pg/dissertacao/comunidades-semi-isoladas-fundadas-por-acorianos-na-ilha-de-santa-catarina
  31. a b http://www.plosone.org/article/info:doi/10.1371/journal.pone.0075145#pone-0075145-g004 Revisiting the Genetic Ancestry of Brazilians Using Autosomal AIM-Indels
  32. [1].
  33. CNBB Sul 4. Dioceses Sítio Oficial da CNBB Sul 4. Visitado em 2 de janeiro de 2011.
  34. Taxa de mortalidade específica por causas externas tabnet.datasus.gov.br. Visitado em 20 de fevereiro de 2014.
  35. WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência dos Municípios Brasileiro (em português) 110 pp.. Visitado em 27 de setembro de 2009.
  36. http://www.tj.sc.gov.br/institucional/museu/dutra.html
  37. a b c Balança Comercial de Santa Catarina MDIC (2012).
  38. a b Exportações do Brasil por Estado (2012) Plataforma DataViva. Visitado em 13 de janeiro de 2014.
  39. a b Exportações de Santa Catarina (2012) Plataforma DataViva. Visitado em 13 de janeiro de 2014.
  40. a b IBGE (2011). Tabela 6.3 - Domicílios particulares permanentes, atendidos por alguns serviços, segundo as Unidades da Federação - 2009/2011. Visitado em 19-07-2013.
  41. IBGE (2011). Sinopses Estatísticas da Educação Básica - 2011. Visitado em 19-07-2013.
  42. a b c Ensino - matrículas, docentes e rede escolar 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012). Visitado em 19-07-2013.
  43. a b IBGE (2011). Sinopses Estatísticas da Educação Superior - Graduação - 2011. Visitado em 19-07-2013.
  44. Serviços de saúde 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2005). Visitado em 7 de setembro de 2010.
  45. Cadernos de Informações de Saúde - Santa Catarina DATASUS (2010). Visitado em 7 de setembro de 2010.
  46. a b TOSCANO, Fernando. Portal Brasil - Santa Catarina Portal Brasil. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  47. 1) O mesmo aluno pode ter mais de uma matrícula.2) O mesmo professor pode atuar em mais de uma etapa e/ou modalidade de ensino.
  48. TOSCANO, Fernando. Portal Brasil - Santa Catarina Portal Brasil. Visitado em 11 de julho de 2010.
  49. Constituição Federal, artigo 144 - Da Segurança Pública

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage