Estado satélite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Estado satélite é um dos nomes pejorativos que se lhe dá em política internacional a qualquer Estado que, se bem é nominalmente independente e reconhecido por outros, na prática se encontra supostamente sujeito ao domínio político ou ideológico de alguma potência. Da mesma forma que ocorre com termos similares como governo fantoche, a catalogação de um Estado como satélite é considerada partidarista e própria dos detratores dos governos em questão.

O termo, analogia aos corpos celestes que orbitam um maior, foi inicialmente utilizado pela imprensa ocidental capitalista para referir-se aos países da Europa Central e Oriental [1] do Pacto de Varsóvia e a Mongólia entre 1924 e 1990,[2] devido a estreita relação desses países com a União Soviética durante a Guerra Fria. Outros países na esfera de influência soviética, como a Coréia do Norte — particularmente nas décadas posteriores à Guerra da Coréia — ou Cuba — especialmente depois que integrar-se ao Comecon — também foram catalogados como satélites da União Soviética nesse contexto. Por sua vez, a imprensa dos estados socialistas costumava usar definições de similar calibre para referir-se a estados capitalistas periféricos e os aliados dos Estados Unidos na OTAN, aliança capitalista criada em resposta ao Pacto de Varsóvia.

Em tempos de guerra ou de tensão política, os estados de satélite, por vezes, servem como um tampão entre um país inimigo e a nação que a exercer controle sobre o satélite. [3]

Referências

  1. Source: NATO website 2nd Footnote at bottom
  2. Ko Swan. In: Ko Swan. Nationality and International Law in Asian Perspective. [S.l.: s.n.], 1990. p. 39. ISBN 9780792308768
  3. Wood, Alan. Stalin and Stalinism. [S.l.]: Routledge, 2005. p. 62. ISBN 978-0-415-30732-1 Página visitada em 2009-09-10.
  • Langley, Andrew (2006), The Collapse of the Soviet Union: The End of an Empire, Compass Point Books, ISBN 0-7565-2009-6 
  • Merkl, Peter H. (2004), German Unification, Penn State Press, ISBN 0-271-02566-2 
  • Olsen, Neil (2000), Albania, Oxfam, ISBN 0-85598-432-5 
  • Rajagopal, Balakrishnan (2003), International law from below: development, social movements, and Third World resistance, Cambridge University Press,, ISBN 0-521-01671-1 
  • Rao, B. V. (2006), History of Modern Europe Ad 1789-2002: A.D. 1789-2002, Sterling Publishers Pvt. Ltd, ISBN 1-932705-56-2 
  • Wettig, Gerhard (2008), Stalin and the Cold War in Europe, Rowman & Littlefield, ISBN 0-7425-5542-9 
  • Wood, Alan (2005), Stalin and Stalinism, Routledge, ISBN 978-0-415-30732-1 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.