Estatina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As Estatinas são fármacos usados no tratamento da hipercolesterolemia e na prevenção da aterosclerose.[1] [2]

Farmacologia[editar | editar código-fonte]

As estatinas têm estrutura esteroide e inibem a enzima HMG-CoA redutase (3-hidroxi-3-metil-glutaril-coenzima A reductase), a enzima limitadora da formação de colesterol no fígado.

A HMG-Coa reductase também é importante na formação de lipoproteínas plasmáticas, sendo daí derivado os seus outros efeitos.

Muitas pessoas que ingeriram estatina diminuiram ataques cardíacos. Por isso os médicos tentaram aumentar o "colesterol bom" — que transporta a gordura do sangue até o fígado, onde ela é eliminada — com o objetivo de diminuir os riscos.

Efeitos[editar | editar código-fonte]

  • Diminuição do nível de colesterol sanguíneo, principalmente dos LDL ("mau colesterol").
  • Aumentam o HDL ("bom colesterol").
  • Diminuem os triglicerídeos.
  • Melhora a função do endotélio dos vasos.
  • Estabiliza a placa aterosclerótica.
  • Efeito antitrombótico.
  • Modula a inflamação
  • Diminuição da produção de PSA (antígeno prostático específico)

Efeitos adversos[editar | editar código-fonte]

  • Dor abdominal, diarréia, constipação, flatulência
  • Insónia, cefaléia, náuseas, dispepsia, astenia
  • Mialgia, isto é, dor sem elevação de enzimas musculares.
  • Infecção respiratória
  • Fadiga
  • Raramente miosite que é a presença de sintomas musculares com elevação da enzima CK.
  • Rabdomiólise que é a presença de sintomas musculares com elevação da enzima creatina quinase acima de 10 vezes o valor superior da normalidade com elevação da creatinina e mioglobunúria urinária. Esta emergência médica necessita de tratamento eficaz com hidratação vigorosa do paciente. A ocorrência deste efeito colateral é menor que 5 por ano em cada 100 mil pacientes tratados¹.
  • Reduz a quantidade de Q10 nos músculos.
  • Perda de memória
  • Perda cognitiva
  • Outras reações adversas também foram relatadas, como erupção cutânea, prurido, urticária, tontura, cãibra muscular, neuropatia periférica, miopatia, parestesia, pancreatite, hepatite, icterícia e, raramente, cirrose, necrose hepática fulminante e hepatoma, anorexia, vômito e anemia.
  • Também foram raros os casos de: angioedema, dispnéia, síndrome do tipo lúpus, urticária, vermelhidão, febre, fotossensibilidade, polimialgia reumática, artrite, artralgia, vasculite, trombocitopenia, eosinofilia, aumento de VHS (hemossedimentação), mal-estar, tremor, vertigem, tontura, perda de memória, distúrbios psiquiátricos, ansiedade, insônia, depressão, anafilaxia, dermatose, púrpura, leucopenia, anemia hemolítica, calafrios, dispnéia e eritema multiforme, incluindo síndrome de Stevens-Johnson; alopecia, mudanças na pele, ginecomastia, perda da líbido, disfunção erétil, oftalmoplegia, catarata.

Usos clínicos[editar | editar código-fonte]

Fármacos mais importantes[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Schmitz, Gerd; Torzewski, Michael. Hmg-Coa Reductase Inhibitors. Edi. ilustrada. Springer, 2002. pp. 11. ISBN 376436307X
  2. L. Brunton, Laurence; A. Chabner, Bruce; C. Knollmann, Björn. As Bases Farmacológicas da Terapêutica de Goodman & Gilman. McGraw Hill Brasil. pp. 905. ISBN 858055117X

1. Harper, C R; Jacobson, T A. The broad spectrum of statin myopathy: from myalgia to rhabdomyolysis. Hyperlipidaemia and cardiovascular disease Current Opinion in Lipidology. 18(4):401-408, agosto 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]