Estere

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um estere de lenha para lareira.

Estere (do grego: στερεός stereos 'sólido'), por vezes grafado estéreo ou metro-estere, é uma unidade de volume, utilizada na medição de madeiras ou lenhas, que represente o volume aparente de madeira contido numa pilha com as dimensões de 1,0 m de altura, 1,0 m de largura e 1,0 m de profundidade. Foi inicialmente uma unidade do Sistema Internacional de Unidades, do qual já foi excluída, e encontra-se em progressivo desuso[1] . O símbolo adoptado é st[2] .

Descrição[editar | editar código-fonte]

A unidade foi criada como parte do sistema métrico original, aparecendo pela primeira vez em França no ano de 1793 como o equivalente métrico para a unidade tradicional francesa de medida de lenhas designada por "corde"[3] .

Para determinar o volume real de material presente num estere é necessário determinar o denominado "factor de cubicagem" ou "factor de conversão da madeira", o qual depende das características do material a avaliar, nomeadamente da homogeneidade, tortuosidade, classe de diâmetro e comprimento dos toretes ou achas, características que em boa parte dependem da espécie florestal (ou essência florestal) cuja madeira está a ser avaliada, do grau de secura da madeira e do maneio florestal utilizado.

A sua utilização fora do sector silvícola, embora não sujeita à mesma ambiguidade[4] , é muito reduzida, estando restrita a poucas referências em hidrologia em que o estere ou o quilo-estere são raramente utilizados em medições de volumes hídricos por área[5] .

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Notas

  1. Thierry Thomasset. Le stère (em french). Tout sur les units de mesure [All about the units of measure]. Universit de Technologie de Compigne. Página visitada em 2011-03-21.
  2. Resolution 7 of the 9th meeting of the CGPM (1948).
  3. Unidade ainda em uso nos Estados Unidos da América.
  4. Webster 1913
  5. [1] doi:10.1126/science.34.885.813