Estrela-do-mar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Como ler uma caixa taxonómicaEstrela-do-mar
Ocorrência: Ordoviciano - Recente
Estrela do Mar

Estrela do Mar
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Echinodermata
Subfilo: Asterozoa
Classe: Asteroidea
Ordens
Brisingida (100 espécies)

Forcipulatida (300 espécies)

Paxillosida (255 espécies)

Notomyotida (75 espécies)

Clypeasteroida (25 espécies)

Spinulosida (120 espécies)

Calliasterellidae (extinta)

Valvatida (695 espécies)

Velatida (203 espécies)

Astropecten lorioli - Uma espécie extinta, Jurássico

A estrela-do-mar é um equinodermo da classe asteroidea, divididas em algumas famílias.

Como todos os caladificanicos, as estrelas–do–mar são animais marinhos. O seu corpo pode ser liso, granuloso ou com espinhos bem evidentes, apresentando cinco pontas ocas, chamadas braços. O corpo é duro e rígido, devido seu endoesqueleto, e pode ser quebrado em partes se tratado rudemente. Apesar disso, o animal consegue dobrar-se e girar os braços quando passeia ou quando seu corpo se encontra em espaços irregulares entre rochas ou outros abrigos. As estrelas–do–mar podem ter entre alguns centímetros e um metro de diâmetro (Pycnopodia). Estes animais movem-se usando a retracção e a distensão dos seus pés ambulacrários. A respiração do animal se da através de trocas gasosas pelos pés ambulacrários e sua reprodução é feita sobretudo através da regeneração, ou seja, se um dos braços desse animal for cortado pode desenvolver uma estrela do mar nova. Se a reprodução for sexuada, a estrela do mar tem um estado larvar. As estrelas do mar não possuem lanterna de Aristóteles e por isso não podem mastigar os alimentos. Para se alimentar lança o estômago pela boca, localizada em sua face oral localizada na parte inferior. É dotada de sistema digestivo completo, e o seu ânus localiza-se na parte superior; proximamente encontramos uma placa madreporita, que atua como um captador de água, necessária para o funcionamento do sistema ambulacral ou sistema hidrovascular.

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Luidia senegalensis, uma espécie com 9 braços.

A maioria das estrelas do mar têm cinco braços que se irradiam a partir de um disco central, mas o número varia de acordo com o grupo.Luidia ciliaris tem sete braços, Fromia polypora tem 5 braços, membros da Solasteridae ter dez a quinze, enquanto a Antártida annulatus Labidiaster pode ter até cinquenta. Não é raro em espécies que normalmente têm cinco braços para os indivíduos a possuir seis ou mais através do desenvolvimento anormal.[1]

A boca da estrela-do-mar localiza-se no centro de um disco central. Ela tem pés-ambulacrais responsáveis pela locomoção.

Estrelas-do-mar podem medir de 10 cm até 1 metro de diâmetro, seus braços crescem dependendo do tamanho da estrela-do-mar.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As estrelas-do-mar tem sexos separados, tanto a reprodução sexuada como a assexuada ocorrem, a forma sexuada é feita por meio de ovos, e a assexuada é quando a estrela-do-mar perde um dos braços e nasce outro braço no lugar e apartir deste braço nasce uma nova estrela-do-mar.

Cladograma[editar | editar código-fonte]

Asterozoa 
Asteroidea

Paxillosida



Clypeasteroida



Brisingida



Valvatida



Spinulosida



Forcipulatida




Ophiuroidea



Somasteroidea




Culinária[editar | editar código-fonte]

Algumas espécies de estrelas-do-mar são usadas para culinária.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal encontram-se ao longo de toda a costa, mas não existe informação em relação ao número de indivíduos nem sobre o Estatuto de Conservação, não se sabendo se são abundantes, ou até se estão em expansão ou regressão.

Sabe-se apenas que se distribuem de acordo com as suas próprias características de habitat, que variam entre águas frias ou quentes. Existem estrelas-do-mar provenientes da zona do Mediterrâneo, outras com características das águas boreais (que ocorrem também no Norte da Europa) e ainda com características das águas africanas (no caso da Madeira). Há também espécies nos Açores, características das Caraíbas, que são trazidas pela corrente do Golfo.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Daily Mail Reporter (2009-10-24). You superstar! Fisherman hauls in starfish with eight legs instead of five. Daily Mail. Página visitada em 2013-05-19.

2. ^ Jump up to:a b Matsubara, M., Komatsu, M., Araki, T., Asakawa, S., Yokobori, S.-I., Watanabe, K. & Wada, H. (2005) The phylogenetic status of Paxillosida (Asteroidea) based on complete mitochondrial DNA sequences. Molecular Genetics and Evolution, 36, 598–605