Estrela Wolf-Rayet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Estrelas Wolf-Rayet (frequentemente referenciadas como estrelas WR) são estrelas evoluidas, muito massivas (mais de 20 massas solares), e que perdem suas massas rapidamente por meio de ventos solares muito fortes, com velocidades superiores a 2000 km/s. Enquanto o Sol perde 10-14 de sua massa durante um ano, uma estrela Wolf-Rayet perde 10-5 massas solares por ano. Essas estrelas são também muito quentes: suas temperaturas estão entre 25000 e 50000 K.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Estrelas Wolf-Rayet são um estágio normal na evolução de estrelas massivas, na qual linhas de emissão de hélio e nitrogênio (sequência 'WN') ou hélio, carbono, e oxigênio (sequência 'WC') são visíveis. Por causa de suas fortes linhas de emissão, elas podem ser identificadas em galáxias próximas.

Cerca de 150 estrelas Wolf-Rayets são conhecidas em nossa galáxia, Via Lactea, cerca de 100 são conhecidas na Grande Nuvem de Magalhães, enquanto somente 12 foram identificadas na Pequena Nuvem de Magalhães. Estrelas Wolf-Rayet foram descobertas espectroscopicamente em 1867 pelos astrônomos franceses Charles Wolf e Georges Rayet usando espectroscopia visual no Observatório de Paris.

Algumas estrelas centrais (~10%) de nebulosas planetárias são - a despeito de suas baixas massas - também do tipo-WR, isto é, elas mostram espectros com linhas de emissão de hélio, carbono e oxigênio.

É possível para uma estrela Wolf-Rayet colapsar, isto é, o núcleo da estrela desabe sobre si mesmo para formar um buraco negro, sugando toda a matéria ao seu redor. Acredita-se que isto seja o processo gerador de fontes de raios gamma.

O mais bem conhecido (e mais visível) exemplo de uma estrela Wolf-Rayet é Gamma Velorum (γ Vel), a qual é uma estrela brilhante visível a quem habita ao sul de 40 graus de latitude norte. Um dos membros do sistema estelar (Gamma Velorum é formado por quatro estrelas) é uma estrela Wolf-Rayet. Devido a natureza exótica de seu espectro (fortes linhas de emissão, em vez de fracas linhas de absorção) ela é chamado de a gema espectral do céu do sul.

Imagem da nebulosa M1-67 à volta da estrela Wolf Rayet WR 124, captada pelo Telescópio Espacial Hubble

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências externas[editar | editar código-fonte]

  • [1] Some Wolf-Rayet stars in binaries are close enough that we can image a rotating "pinwheel nebula" showing the dust generated by colliding winds in the binary system, from Aperture Masking Interferometry observations.
  • [2]Wolf-Rayet Stars: Spectral Classifications
  • [3]Classificação espectral das Estrelas de Wolf-Rayet (em Português)
  • [4]ApJ 525:L97-L100 Nov. 10, 1999. Monnier, Tuthill & Danchi: Pinwheel Nebula Around WR98a (PDF)
  • [5]ApJ Jan. 3,2005. Dougherty, et. al.: High Resolution Radio Observations of the Colliding Wind Binary WR140 (PDF)
  • [6]A catalog of northern Wolf-Rayet Stars and the Central Stars of Planetary Nebulae (Harvard)