Estrela do Sul (astronomia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
A constelação do Cruzeiro do Sul, destacando Alfa Crucis.

A Estrela do Sul é a estrela circumpolar ao Pólo Sul celestial (como Polaris, a Estrela do Norte, está para o Pólo Norte celestial), e pode assim ser usada confiavelmente para navegação. A atual Estrela do Sul é Sigma Octantis, a qual é muito pálida. Desta forma, não é tão útil quanto a Polaris Borealis na orientação da navegação.

A constelação de Crux, o Cruzeiro do Sul, aponta no rumo do Pólo Sul celestial. Se a constelação for vista como representando uma cruz latina em pé, o pólo sul celestial está no presente bem próximo a 4,5 vezes a altura da cruz abaixo da base dela. Muito poucas estrelas de qualquer grandeza notável estão entre Crux e o pólo, embora a constelação de Musca seja fácil e imediatamente reconhecida aos pés do Cruzeiro. Esta, contudo, está ainda muito afastada do ponto zero o que não acontece em Marte com a estrela Kappa Velorum, que está somente a um par de graus do pólo sul celestial do planeta, de modo que poderia ser considerada a atual "Estrela do Sul" em Marte. Porém na Terra, isto mudará no futuro devido à precessão. Durante os próximos 7500 anos, o Pólo Sul Celestial passará próximo às estrelas Gamma Chamaeleontis (4200 AD), HD 90589, Omega Carinae (5800 AD), Upsilon Carinae, Iota Carinae (Aspidiske, 8100 AD) e Delta Velorum (9200 AD).

Lista das "Estrelas do Sul" no Sistema Solar[editar | editar código-fonte]

Navegação celestial[editar | editar código-fonte]

Face a ausência de uma estrela visivelmente marcante no Pólo Sul celestial, foi desenvolvido um instrumento de navegação que através do enquadramento de pares de estrelas num gabarito, mostra ao navegante do hemisfério austral, o ponto na abóbada celeste onde está situado o invisível Pólo Sul Celeste ou seja o sul verdadeiro.

O instrumento que dispensa algumas funções de um GPS é uma régua gabaritada com marcações para serem sobrepostas a pares de estrelas de várias constelações circumpolares do hemisfério sul além da Constelação do Cruzeiro do Sul .

Embora rudimentar, serve para aferição azimutal da bússola e cálculo aproximado da latitude usando os pares de estrelas constantes nas seguintes constelações.

Com o uso do instrumento, todas servem de referencial na localização do Pólo Sul Celestial.

Essa mesma técnica pode ser executada com ajuda das estrelas constantes em alguns símbolos brasileiros e australianos:

Nota: Essa técnica ,de enquadramento óptico, é utilizada pelo Telescópio espacial Hubble é a que permite fazer fotos de longa exposição, também pode ser adaptada com outras estrelas na localização de objetos temporários como cometas e supernovas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.