Etelberto de York

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Etelberto
Arcebispo de York
Posse desconhecido
Fim do reinado 8 de novembro de 780
Antecessor Egberto
Sucessor Eanbaldo
Consagração 24 de abril de 767
Detalhes pessoais
Nascimento desconhecido
Morte 8 de novembro de 780

Etelberto ou Adalberto (em inglês: Æthelbeorht, Aethelberht, Adalberht, Ælberht, Aelberht, Aldbert ou Æthelbert; morto em 8 de novembro de 780) foi um acadêmico, professor e clérigo da antiga Inglaterra, arcebispo de York.

Foi professor e amigo íntimo de Alcuíno, cujo poema sobre os santos e prelados da Igreja de York, De Sanctis et Pontificibus Ecclesiæ Eboracensis, é a principal fonte de informação a respeito da vida de Etelberto.[1] Era parente de seu antecessor, o arcebispo Egberto, irmão de Eadberto, rei da Nortúmbria e estudante na escola fundada em York por Egberto, que o ordenou sacerdote e lhe nomeou diretor da escola.[2] A afetuosa eulogia que lhe foi feita por Alcuíno louva sua erudição na gramática, retórica, direito, poesia, astronomia, história natural e nas Escrituras, bem como sua natureza rígida porém solidária.

Etelberto amava ardentemente os livros, e não poupou esforços para formar uma biblioteca em York,[3] que provavelmente foi a maior coleção de livros de seu tempo em toda a Europa, depois de Roma. Alcuíno mencionou diversos autores romanos e gregos clássicos, bem como os Pais da Igreja, além de diversos outros autores cristãos que formam o cânone do século VIII. Etelberto, em sua procura por livros, viajou muito, e sabe-se que visitou Roma, entre outros lugares.[2] Lecionou tanto o trivium quanto o quadrivium, como descobrir as datas dos festivais cristãos, e a ciência natural.[1]

Em 766 Etelberto sucedeu Egberto como arcebispo; foi consagrado em 24 de abril de 767,[4] e recebeu o pálio do papa Adriano I, em 773. Como arcebispo, continuou sua vida simples e laboriosa, trabalhando com tamanho sucesso que é visto como um dos fundadores da diocese de York.

Decidido a reconstruir a Catedral de York, que havia sido destruída por um incêndio em 741, contratou Eanbaldo e Alcuíno para supervisionar os trabalhos.[5] Alcuíno fala de seu aspecto magnífico, de suas colunas e criptas, janelas e tetos brilhantes, do alto crucifixo feito de metais preciosos, de seus trinta altares, e do ouro, prata e diversas joias utilizadas na sua decoração.[1]

A partir do centro de estudos em York, Etelberto despachou pregadores e evangelizadores para os pagãos da Europa do Norte, entre eles Aluberto e São Ludgero, os Apóstolos do Norte da Alemanha.[6]

Em 774, Etelberto convocou uma assembleia que depôs Alfredo, rei da Nortúmbria, e o exilou para a terra dos pictos. O motivo desta deposição parece ter sido relacionado ao trabalho missionário.[7] Alfredo foi substituído por Etelredo, que por sua vez foi substituído em 778 por Elfwaldo, filho de Oswulfo. A falta de apoio de Etelberto a Etelredo teria sido fundamental para a sua deposição; já Elfwaldo teria sido próximo de Etelberto (ao contrário de Alfredo e Etelredo).[8] Os cronistas medievais comentaram que Etelberto não teria "poupado maus reis".[9]

Em 780 Etelberto consagrou Eanbaldo como seu bispo sucessor, e entregou a Alcuíno os cuidados da escola e biblioteca, retirando-se em seguida para uma cela onde passou algum tempo em devoção.[10] Viveu suficiente para conseguir consagrar a nova catedral, dez dias antes de sua morte, no dia 8 de novembro daquele ano.[4] [7] [11] A Crônica Anglo-Saxã, no entanto, dá o ano de sua morte como sendo 781.

Referências

  1. a b c Rollason "Ælberht (d. 779/80)" Oxford Dictionary of National Biography ed. online visitada em 9-11-2007
  2. a b Duckett Alcuin p. 19-22
  3. Hindley A Brief History of the Anglo-Saxons p. 152
  4. a b Fryde Handbook of British Chronology p. 224
  5. Duckett Alcuin p. 27
  6. Duckett Alcuin p. 31
  7. a b Ashely Mammoth Book of British Kings & Queens p. 291-292
  8. Kirby Earliest English Kings pp. 127–129
  9. Kirby Earliest English Kings p. 128
  10. Duckett Alcuin p. 32
  11. Duckett Alcuin p. 34

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ashley, Mike. The Mammoth Book of British Kings & Queens. Nova York: Carroll & Graf, 1998. ISBN 0-7967-0692-9.
  • Duckett, Eleanor Shipley. Alcuin, Friend of Charlemagne: His World and His Work. Nova York: MacMillan, 1951.
  • Fryde, E. B.; Greenway, D. E.; Porter, S.; Roy, I.. Handbook of British Chronology. Terceira edição, revisada. ed. Cambridge: [s.n.], 1996. ISBN 0-521-56350-X.
  • Título não preenchido. Favor adicionar. [S.l.: s.n.]. ISBN 978-0-78671-738-5.
  • Kirby, D. P.. The Earliest English Kings. Nova York: Routledge, 2000. ISBN 0-415-24211-8.
  • Rollason, David (2004). "Ælberht (d. 779/80)". Oxford Dictionary of National Biography. Oxford University Press.  Visitado a 9-11-2007

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por:
Egberto
{{{titulo}}}
766–779
Sucedido por:
Eanbaldo I


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.