Ethel Barrymore

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Ethel Barrymore
Ethel Barrymore
Nome completo Ethel Mae Blythe
Outros nomes Ethel Mae Blythe Barrymore
Miss Ethel Barrymore
Nascimento 15 de agosto de 1879
Filadélfia, Pensilvânia
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americana
Morte 18 de junho de 1959 (79 anos)
Los Angeles, Califórnia
Ocupação Atriz
Cônjuge Russell Griswold Colt (1909 - 1923)
Atividade 1914 - 1957
Oscares da Academia
Melhor atriz coadjvante/secundária
1945 - None But the Lonely Heart
IMDb: (inglês)

Ethel Barrymore (15 de agosto de 187918 de junho de 1959)[1] foi uma atriz de cinema e teatro norte-americana. Foi uma das maiores atrizes do teatro norte-americano e atuou também no cinema.

Vida[editar | editar código-fonte]

Ethel Barrymore nasceu Ethel Mae Blythe em Filadélfia, Pensilvânia, a segunda filha dos atores Maurice Barrymore (cujo nome real era Herbert Blythe) e Georgiana Drew.[1] Passou a infância na Filadélfia e estudou em escolas católicas.

Ele era irmã dos atores John Barrymore e Lionel Barrymore,[1] tia de John Drew Barrymore e tia-avó da atriz Drew Barrymore.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ethel foi uma atriz de teatro altamente considerada em Nova Iorque e uma das principais artistas da Broadway. Atualmente, muitos a consideram como sendo a maior atriz de sua geração.

Sua primeira aparição na Broadway foi em 1895 em uma peça chamada The Imprudent Young Couple, estrelado pelo seu tio John Drew Jr e Maude Adams. Apareceu novamente na companhia dos dois em Rosemary. Encenou Nora em A Doll's House, de Ibsen em 1905 e Julieta em Romeu e Julieta de Shakespeare, em 1922.

Ethel foi, também, uma forte apoiadora do Actors' Equity Association, e teve um papel de destaque na greve de 1919. Em 1926 ele atuou em um de seus maiores sucessos interpretando uma esposa sofisticada de um marido mulherengo na comédia The Constant Wife, de W. Somerset Maugham. Em julho de 1934 estreou o espetáculo Laura Garnett, de Leslie e Sewell Stokes em Dobbs Ferry no estado de Nova Iorque.

Barrymore era fã de basebol e boxe. Sua admiração pelo boxe terminou quando ela testemunhou como telespectadora a brutalidade de 4 de julho de 1919, Dempsey / Willard: Dempsey quebrou a mandíbula de Willard arrancando diversos dentes. Ethel prometeu nunca mais assistir outra luta de boxe entretanto, assistiu a lutas pela televisão.

Fez seu primeiro filme em 1914 e em 1940 se mudou para Hollywood, Califórnia, onde começou a trabalhar no cinema. Apenas dois filmes uniram os três irmãos, Ethel, John e Lionel Barrymore, que são National Red Cross Pageant, de 1917 e Rasputin and the Empress,[2] de 1932, esse último, no momento, está perdido.

Ganhou um Óscar de Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) pelo filme None But the Lonely Heart (no Brasil, "Apenas um coração solitário"), dirigido por Clifford Odets em 1944, mas deixou claro que não estava muito impressionada por ele. Em 22 de Março de 2007 seu Óscar foi oferecido à vendo pelo eBay

Ela fez outros filmes clássicos, como The Spiral Staircase, em 1946 dirigido por Robert Siodmak, The Paradine Case, de 1947 dirigido por Alfred Hitchcock, Portrait of Jennie, de 1948, Pinky, de 1949, Kind Lady, de 1951 e Young at Heart de 1954. Sua última aparição foi no filme Johnny Trouble de 1957. Fez também diversas aparições na televisão na década de 1950, incluindo um encontro memorável com o comediante Jimmy Durante no All Star Revue na NBC em 1 de dezembro de 1951 (preservado em um cinescópio).

Vida privada[editar | editar código-fonte]

Winston Churchill propôs a ela casamento, por volta de 1900, mas ela recusou. Ethel casou com Russell Griswold Colt (1882 - 1959), sobrinho-neto do fabricantes da armas americano Samuel Colt (1814 - 1862), em 14 de março de 1909. O casal foi apresentado pelo seu irmão Jhon, e teve três filhos: a atriz e cantora Ethel Barrymore Colt (1912 - 1977), que apareceu na Broadway em Follies, de Stephen Sondheim; Samuel Colt (1909 - 1986); e John Drew Colt (1913 - 1975). Seu casamento com Colt era precário desde seu início, com Ethel preenchendo os papéis do divórcio no começo do casamento em 1911, para a surpresa de Russel. Pelo menos uma fonte diz que ele abusou de Ethel e também que Colt é pai de uma criança com outra mulher enquanto estava casado com Ethel. Eles se divorciaram em 1923 e surpreendentemente ela recusou pensão alimentar de Colt, que era o seu direito. Como devota católica romana, ela nunca se casou de novo, supostamente por causa da crença de sua religião. Mas, como ela própria disse, não foi a razão da qual ela não voltou a se casar. Ela simplesmente não recebeu mais ofertas ou não encontrou o homem certo pela segunda vez. Ela teve um relacionamento platônico com outros homens, mais notadamente os atores Henry Daniell e Loius Calhern

Ethel Barrymore morreu de doença cardiovascular em 1959, em sua casa em Hollywood, Califórnia, depois de ter vivido por muitos anos com a doença cardíaca. Está enterrada no Cemitério do Calvário,[1] East Los Angeles. O Ethel Barrymore Theatre[2] em Nova Iorque leva o seu nome.

Referências

  1. a b c d Ethel Barrymore em Find A Grave. Findagrave.com.
  2. a b Ethel Barrymore em AllMovie. allmovie. Allmovie.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Ethel Barrymore
Precedida por:
Katina Paxinou
por For Whom the Bell Tolls
Oscar de melhor atriz (coadjuvante/secundária)
por None But the Lonely Heart

1945
Sucedida por:
Anne Revere
por National Velvet