Etnobotânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Etnobotânica é a ciência, que estuda simultaneamente as contribuições da botânica e da etnologia, evidenciando as interações entre as sociedades humanas e plantas como sistemas dinâmicos. Também consiste no estudo das aplicações e dos usos tradicionais dos vegetais pelo homem. É uma ciência multidisciplinar de prática multiprofissional que envolve botânicos, antropólogos, farmacólogos, médicos, engenheiros e também uma interdisciplina capaz de proporcionar explicações sobre a interação de comunidades humanas com o mundo vegetal, em suas dimensões antropológica, ecológica e botânica.

Para alguns autores como Diegues [1] esse ramo da etnociência parte da lingüística para estudar o conhecimento de diferentes sociedades sobre os processos naturais, ou relação do homem com a natureza buscando entender a lógica subjacente ao conhecimento humano sobre esta, as taxonomias e classificações que os diferentes povos produzem. Contudo depara-se com a tarefa de comparar o sistema de classificação encontrado com o próprias concepções de botânica que possui, assim como a etnomedicina procede diante da patologia e clínica médica.

Os primeiros registros do cultivo do milho datam de 7.300 anos, localizados no México


Uma ciência muldisciplinar[editar | editar código-fonte]

O conhecimento botânico destina-se à identificação das espécies de plantas usadas pelas várias etnias, que é a base para todas as ramificações subseqüentes, identifica inclusive as espécies autóctones, selvagens e domesticadas. As contribuições da antropologia destinam-se ao estudo da origem, estrutura social e étnica das comunidades humanas em foco, estabelecendo relações entre as diversas etnias e extensão do universo linguístico e papéis sociais associados ao conhecimento em questão além de elaborar questionários que serão aplicados aos informantes no inventário das espécies utilizadas. É na interação com as populações que se constrói o conhecimento, não só da utilidade tradicional das plantas em foco, como da cosmologia que embasa a estrutura social à qual está associada.

Outras formas de conhecimento também podem ser relevantes, da farmacologia pode-se pesquisar se há alguma propriedade medicinal, algum princípio ativo presente nas plantas. Da clínica médica pode-se determinar se as plantas usadas provocam algum efeito fisiológico positivo ou negativo. A utilização de madeiras usadas na construção, fabricação de armas, instrumentos musicais, embarcações, por sua vez também podem requerer de especialistas de áreas afins em nosso saber ocidental científico.

Todo estudo etnobotânico tem como objetivo contribuir para o conhecimento científico das espécies vegetais, mas deve ter em foco a reversão do conhecimento fornecido pelos informantes para o benefício da própria comunidade.

A etnobotânica tem contribuído não só para resgatar conhecimento tradicional que está em processo de se perder pelo choque com a cultura dominante, como resgatar os próprios valores das culturas com que entra em contato. Tem também apoiado etnias minoritárias no embate contra a apropriação intelectual indevida do conhecimento das propriedades terapêuticas de plantas medicinais por grupos econômicos, que registram princípios ativos como propriedade privada, em contraste com as informações tradicionais que lhes foram cedidas gratuitamente.

Farmacopéia psicoativa dos rituais Xamânicos[editar | editar código-fonte]

Algumas práticas xamânicas são marcadas pelo uso de elementos extraídos de fontes naturais que levam o indivíduo a entrar em transe. Esses produtos, tem característica da presença de elementos químicos chamados alcalóides. São elementos psicoativos, ou enteógenos. Nas características gerais tem efeitos desde o leve amortecimento, são estimulantes ou capazes de produzir um estado visionário, já confundidos com alucinações, onde o indivíduo enxerga mesmo com os olhos fechados, tem revelações místicas ou entra em contato com o mundo dos espíritos, a depender de suas crenças, do contexto ritual e naturalmente das características das substâncias presentes.

Abaixo tabela aponta os elementos do reino vegetal e do reino fungi que são utilizados pelos praticantes do xamanismo em seus rituais, bem como sua classificação biológica e os elementos químicos alcalóides presentes:

Nome usual Classificação Científica Reino Divisão Classe Ordem Família Gênero Região Original Agente químico ativo Composição do Alcalóide
Salvia divinorum Salvia divinorum Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Lamiales Lamiaceae Salvia em Oaxaca, no México Salvinorina A C23H28O8
Cannabis Cannabis sativa Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Rosales Cannabaceae Cannabis Índia Tetraidrocanabinol C21H30O2
Tabaco Nicotiana obtusifolia Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Solanales Solanaceae Nicotiana América Nicotina C10H14N2
Cipó-mariri Banisteriopsis caapi Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Malpighiales Malpighiaceae Banisteriopsis Amazônia Harmina / Tetrahidroharmina C13H12N2O / C13H16N2O
Datura Datura stramonium Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Solanales Solanaceae Datura Américas Escopolamina / Hiosciamina C17H21NO4 / C17H23NO3
Glória da manhã Ipomoea tricolor Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Solanales Convolvulaceae Ipomoea Américas Ergina C16H17N3O
Iboga Tabernanthe iboga Plantae Eudicots Asterids Gentianales Apocynaceae Tabernanthe África Ocidental Ibogaína C20H26N2O
Argyreia nervosa Argyreia speciosa Plantae Eudicots Asterids Solanales Convolvulaceae Argyreia Havai, África e Caribe Ergina C16H17N3O
San Pedro cactus Echinopsis pachanoi Plantae Eudicots Core eudicots Caryophyllales Cactaceae Echinopsis Américas Mescalina ? C11H17NO3
Peiote Lophophora williamsii Plantae Magnoliophyta Magnoliopsida Caryophyllales Cactaceae Lophophora Américas Mescalina C11H17NO3
Cedro Thuja plicata Plantae Pinophyta Pinopsida Pinales Cupressaceae Thuja América do Norte Thujone C10H16O
Psilocybe Psilocybe semilanceata Fungi Basidiomycota Homobasidiomycetes Agaricales Strophariaceae Psilocybe México, Ásia e América do Norte Psilocibina / Baeocystin / Feniletilamina C12H17N2O4P / C11H15N2O4P / C8H11N
Amanita muscaria Amanita Muscaria Fungi Basidiomycota Homobasidiomycetes Agaricales Amanitaceae Amanita Hemisfério Norte Muscimol / Ácido Ibotenico C4H6N2O2 / C5H6N2O4

Referências

  1. Diegues 1996 apud: Haverroth, Moacir. Etnobotânica: uma revisão teórica. NESSI – UFSC Antropologia em Primeira Mão nº22 Dez. 2011

Bibliografia adicional[editar | editar código-fonte]

  • Alcorn, J. 1995. The scope and aims of ethnobotany in a developing world. In: Ethnobotany: evolution of a discipline, ed. R. E. Schultes e S. von Reis, 23-39. Portland: Dioscorides Press.
  • Minnis, P. E. 2000. Introduction. In: Ethnobotany: a reader, ed. P. E. Minnis, 3-10. Norman; U. Oklahoma Press. Google Books Mar. 2011

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Osanyin - a entidade das folhas sagradas
Ícone de esboço Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.