Etoys (linguagem de programação)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Etoys
Paradigma Programação orientada a objetos Programação baseada em protótipos, linguagem de programação educacional
Surgido em 1996
Criado por Alan Kay, Scott Wallace, Ted Kaehler, John Maloney, Andreas Raab, Dan Ingalls
Estilo de tipagem: dinâmica
Influenciada por Logo, Smalltalk, HyperCard, StarLogo, AgentSheets
Influenciou Tweak, Croquet, Scratch
Licença: MIT e Apache
Página oficial www.squeakland.org

Etoys é um ambiente computacional para crianças e uma linguagem de programação orientada a objetos para uso na educação. Proporciona autoria de mídia com um modelo de objeto suportado por uma linguagem de script para muitos objetos diferentes que podem rodar em plataformas diferentes. É software livre e de código aberto.

Breve histórico do EToys[editar | editar código-fonte]

  • A linguagem Squeak foi originalmente desenvolvida na Apple, em 1996, por Dan Ingalis.
  • Squeak é uma implementação do Smalltalk orientada a objetos, baseada em classes e reflexiva, derivada do Smalltalk-80 da Apple. Alguns dos desenvolvedores originais do Smalltalk-80, incluindo Dan Ingalls, Ted Kaehler e Alan Kay, criaram o Etoys. O time também incluía Scott Wallace e John Maloney.
  • O Squeak 4.0 foi lançado sob a Licença MIT, com algumas das partes originais da Apple permanecendo sob a Licença Apache. Adições devem estar sob a licença MIT.
  • O artigo "Back to the Future: the story of Squeak, a practical Smalltalk written in itself”[1] por Dan Ingalls, Ted Kaehler, John Maloney, Scott Wallace e Alan Kay foi apresentado na OOPSLA, Atlanta, Georgia, em 1997, por Dan Ingalls.
  • O Squeak migrou para a Disney Imagineering Research em 1996.
  • A equipe de desenvolvimento original do EToys na Disney incluía Scott Wallace, Ted Kaehler, John Maloney e Dan Ingalls.
  • O Etoys influenciou o desenvolvimento de outro ambiente de programação educacional baseado no Squeak, o Scratch, que foi desenvolvido no MIT após Mitchell Resnick ter convidado John Maloney, da equipe de desenvolvimento original do Etoys, a vir para aquela instituição.
  • O Etoys migrou para a Viewpoints Research Institute, fundado em 2001, com o objetivo de melhorar a educação das crianças internacionalmente e avançar o estado dos sistemas de pesquisa e da computação pessoal[2] .
  • No período de 2006 a 2007, o Etoys foi utilizado pelo projeto OLPC em seu laptop educacional XO-1. Foi pré-instalado em todas as máquinas XO-1.
  • O artigo “Etoys for One Laptop Per Child”[3] , por Bert Freudenberg, Yoshiki Ohshima e Scott Wallace, foi apresentado em Janeiro de 2009 durante a Seventh Annual International Conference on Creating, Computing, Connecting, and Collaborating through Computing, na Universidade de Kyoto, em Kyoto, no Japão.
  • Neste mesmo ano, a Fundação Squeakland foi criada pela Viewpoints Research, Inc. como um passo inicial para continuar encorajando o desenvolvimento e o uso do Etoys como um meio educacional[4] .
  • A Viewpoints Research Institute patrocinou a Fundação Squeakland em 2009, que foi lançada como uma entidade separada em Janeiro de 2010.

Motivos e influências[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento do Etoys foi inspirado e dirigido por Alan Kay e por seu trabalho para dar suporte e desenvolver uma ferramenta para o aprendizado construtivista. Influências primárias incluem Seymour Papert e a linguagem Logo, que é uma variação da linguagem de programação Lisp otimizada para utilização educacional; trabalhos feitos no Centro de Pesquisas da Xerox em Palo Alto, Smalltalk, HyperCard e StarLogo [5] . A abordagem arrastar-e-soltar baseada em ladrilhos é muito similar ao AgentSheets. Scott Wallace é o principal autor[6] . A promoção e o desenvolvimento do Squeak Etoys são coordenados pelo Viewpoints Research Institute, uma organização educacional sem fins lucrativos dos EUA.

O Etoys foi a principal influência de um ambiente de programação similar baseado em Squeak, o Scratch, que foi projetado com o código do Etoys no começo do século XXI pelo MIT Media Lab. O objetivo inicial era sensibilizar os entusiastas em clubes de informática.

Recursos[editar | editar código-fonte]

Squeak-screenshot.png

O sistema Etoys é baseado na ideia de entidades digitais programáveis que se movimentam na tela do computador.

Etoys fornece um ambiente de autoria rico em mídia, com um modelo de objeto simples e potente para muitos tipos de objetos criados pelo próprio usuário: gráficos bidimensionais e tridimensionais, imagens, texto, partículas, apresentações, páginas web, vídeos, sons e MIDI. É possível compartilhar a área de trabalho com outro usuário do Etoys em tempo real, junto com várias outras formas de compartilhamento e tutoria, com as atividades realizadas através da Internet.

Está disponível em vários idiomas e foi usado com sucesso nos Estados Unidos, na Europa, na América do Sul, no Japão, na Coreia do Sul, na Índia, no Nepal, na Etiópia e em outros lugares.

Versões[editar | editar código-fonte]

Todas as diferentes versões do Etoys são baseadas em linguagens de programação orientadas a objetos. O Squeak Etoys pode ser utilizado em mais de 20 plataformas. Existem versões escritas em três linguagens de programação. A original e mais usada é baseada no Squeak, uma variação do Smalltalk. A segunda também é baseada no Squeak, mas usa o ambiente de programação opcional Tweak ao invés do ambiente Morphic, padrão do Squeak. Uma terceira é baseada na linguagem de programação Python e é chamada de PataPata[7] , mas foi abandonada por seu autor.

Em 2006 e 2007 a versão Morphic do Squeak foi adaptada para distribuição no laptop educacional XO-1, também conhecido como O Laptop de 100 Dólares. O Viewpoints Research Institute participa da associação One Laptop per Child e o Etoys está pré-instalado em todos os laptops XO-1.

A licença é software livre e de código aberto.

Desde 2010 o Etoys 4 está em conformidade com as exigências dos sistemas livres e de código aberto, semelhante a várias distribuições de Linux.

Em 1996, a Apple lançou Squeak sob a sua "Squeak License", que não foi qualificada como inteiramente software livre, devido à presença de uma cláusula de indenização. O código fonte estava disponível e modificações eram permitidas.

Em Maio de 2006, a Apple relicenciou o núcleo do Squeak sob a licença Apache 2.0[8] , graças a Steve Jobs, Dan Ingalls e Alan Kay. A Viewpoints Research coletou acordos de relicenciamento escritos de muitas centenas de contribuidores sob a Licença MIT e todo o código no Etoys não explicitamente coberto por um acordo de relicenciamento foi removido, reescrito ou revertido para uma versão anterior, trabalho realizado principalmente por Yoshiki Ohshina. O Squeak Etoys é atualmente inteiramente livre e de código aberto.

Referências

  1. Ingalls, Dan (1997). Back to the Future: the story of Squeak, a practical Smalltalk written in itself OOPSLA. ACM. Página visitada em 24 de Abril de 2013.
  2. Viewpoints Research Institute.
  3. Freudenberg, Bert (2009). Etoys for One Laptop Per Child Seventh Annual International Conference on Creating, Computing, Connecting, and Collaborating through Computing.. Página visitada em 24 de Abril de 2013.
  4. Rose, Kim (2009). Squeakland Foundation Begins. Página visitada em 2 de Maio de 2013.
  5. http://www.vpri.org/pdf/rn2005001_learning.pdf
  6. http://weather-dimensions.com/tedkaehler/us/ted/resume/resume-oct03.html
  7. http://sourceforge.net/projects/patapata
  8. http://squeak.org/SqueakLicense/?version=4

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]