Eugenio C

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eugenio C
Carreira Naval Ensign of Italy.svg
Nacionalidade: Italiana
Dono: Costa Crociere S.p.A.
Estaleiro: "Cantieri Riuniti Dell Adriatico"
Entrada em serviço: 21 de novembro de 1964 (49 anos)
Status: Fora de operação, sucateado [1] .
Características gerais
Tonelagem: 32 753 tons brutas [2]
Comprimento: 217,3 m
Largura: 29,4 m
Pontes:
Velocidade: 27 nós (velocidade de cruzeiro) 28,4 nós (velocidade máxima)
Complemento: 1 636 passageiros, 424 tripulantes
356 cabines
Porto de registro: Genova, Itália

Eugenio C foi um navio, ícone de um período da navegação transatlântica, que durante 40 anos percorreu os mares com seu nome original e com outros três similares, que se alternaram até ser desmontado em um estaleiro de Alang, na Índia [3] .

Ainda houve uma tentativa de manter o navio como museu no porto de Gênova, na Itália. Mas o projeto não deu certo.

Lançado ao mar em novembro de 1964, o Eugenio C fez a viagem inaugural com membros da família Costa, italianos donos da companhia Linea C.

Em 23 de maio de 1966 o Eugenio C partiu do porto de Gênova com destino a Buenos Aires em viagem inaugural, durante 20 anos percorreu a rota entre Europa e América do Sul.

Eugenio Costa[editar | editar código-fonte]

Em 1986 a partir de uma reestruturação nasce a Costa Crociere S.p.A. A partir desse momento, a palavra COSTA aparece nas partes laterais dos navios.

Em 1987 nos estaleiros Mariotti, Genoa foi adicionado um teatro e melhoras nas suas turbinas. Permaneceu como Eugenio Costa durante 10 anos, até a viagem final em 1996 pela companhia italiana.

Edinburgh Castle[editar | editar código-fonte]

Em 1997 foi vendido para a armadora britânica Union-Castle Line e rebatizado como Edinburg Castle.

The Big Red Boat II[editar | editar código-fonte]

Em 1999, comprado pela Premier Cruise, teve um final infeliz, com a falência da empresa. O casco foi pintado de vermelho e ganhou nome polêmico de The Big Red Boat II .

Em 2000 ficou parado em Freeport (Bahamas). O navio deteriorou de vez, perdeu o mobiliário e acabou vendido para sucata no final de 2005. Em 2006 começou a ser cortado em pedaços na Índia.

Referências

  1. Laire José Giraud (22 de maio de 2006). O fim dos gigantes dos mares: sucata!. Página visitada em 14 de janeiro de 2012.
  2. Reuben Goossens. S.S. Eugenio C (em inglês). ssMaritime. Página visitada em 14 de janeiro de 2012.
  3. Ian Boyle. Eugenio C (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.